Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

Domingo no parque

O domingo amanheceu com céu claro, mas sem sol e com muito vento. Há algumas nuvens escuras por aqui. Mas não está com pinta de chuva, não.
 
Enquanto espero o transporte pra pista, assisto no "Vale a Pena Ver de Novo" àquela novelinha das seis com a Sandy, cheia de hipongas. Estrela-sei-lá-o-quê. Uma chatice.
 
No intervalo, fico sabendo que a banda Kalibrados vai se apresentar hoje no Cine Karl Marx, em Luanda, às 20h30.
 
TV sintonizada na Globo Internacional. É estranho acordar com o "boa noite" do Bonner às 8h15, mas é bacana assistir ao "JN" ao vivo. Assim como é legal ver o futebol e o César e a Luciana, que meteram a cara no mundo, inventaram um belo programa e deram certo.
 
Bom, vamos lá ver pro parque de diversões ver o Schumacher ganhar mais uma...

Escrito por Fábio Seixas às 20h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Palpite de véspera

Fechando a lojinha por aqui, vou sair para jantar com os amigos David, Emília, Arnaldo, Vânia, Giba, Miki e a filharada, que só faz aumentar. São todos brasileiros que há anos vivem em Suzuka e que nos recebem com a maior hospitalidade do mundo.
 
A região onde fica o autódromo, Mie, é um dos maiores redutos de decasséguis. Por onde se anda, ouve-se nosso idioma. Há placas em português na rua. Há restaurantes, supermercados e até escolas brasileiras por aqui. Ontem, jantamos num rodízio!
 
Bom, vou nessa. Amanhã a essa hora já saberemos o resultado da corrida e, talvez, o desfecho do campeonato. Meu palpite? Schumacher ganha, Alonso vai ao pódio e o octocampeonato fica para Interlagos.

Escrito por Fábio Seixas às 05h13

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Toalha no chão

Todo ano aqui em Suzuka encontramos o João Paulo Oliveira. Bom piloto, fez sucesso na F-3 alemã, mas sem grana para progredir para uma F-3000 ou uma GP2, acabou vindo correr no Japão e foi ficando...
 
Vira-e-mexe, porém, seu nome é lembrado por alguém da F-1. E graças à Petrobras, que por contrato tem direito a um dia de teste por ano, ele andou com o carro da Williams em fevereiro, em Valência. Foi razoavelmente bem, mas ficou nisso. Até pela draga em que está, a Williams precisa de pilotos de teste que levem dinheiro. É o caso do Karthikeyan, não é o dele.
 
João Paulo passou o resto do ano tentando alguma brecha para chegar à categoria, conversou com algumas pessoas aqui em Suzuka, mas parece que jogou a toalha. Foi essa a impressão do bate-papo com ele no paddock. "Estou bem aqui. Eles pagam bem, o salário é bom..."
 
Uma pena. Ou melhor, duas. Que a F-1 seja tão insensível diante de um piloto bom, mas sem patrocinadores por trás. E que ele esteja começando a desistir.

Escrito por Fábio Seixas às 04h57

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Flagrantes do sábado-2

Família unida: antes do treino, o papo entre Massa, Todinho e Todinho-inho

E o vento quase levou o macacão de Schumacher...

Mais uma seção didatismo: da esq. pra dir, intermediários, chuva e pista seca

A bóia servida aos jornalistas. A de hoje até que dava pra encarar

Escrito por Fábio Seixas às 04h39

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Considerações sobre o treino

A Ferrari aprendeu a lição na Turquia e certamente não tardará para ordenar a troca de posições. Não acredito que seja na largada, onde todos ficam com os nervos à flor da pele e as chances de um enrosco são maiores. Mas pode ser algumas curvas à frente, ainda na primeira volta. O certo é que não vai demorar.
 
A Toyota jura que não, mas deve estar só com o cheiro da gasolina. Até hoje, a posição média de largada do Ralf nesta temporada era a 10ª. A de Trulli, 11ª. De repente eles chegam em casa e conquistam a primeira fila? Estranho. Não é a primeira vez que, em Suzuka, a Toyota joga pra galera. Em 2003, fizeram algo parecido com o Cristiano. O mineiro largou em terceiro. Terminou em sétimo.
 
Alonso vive um dilema. Seu instinto deve estar mandando ele se livrar das Toyota logo na largada e partir para cima das Ferrari. Sua consciência deve lembrar que ele tem muito a perder com um acidente no começo da corrida. Qual dos dois vencerá?
 
Fisichella, como sempre, não terá como ajudar o companheiro. Mas, largando atrás, pelo menos não vai atrapalhar.
 
Depois do treino de hoje, ficou a impressão que Raikkonen não vê a hora de deixar a McLaren... Menos mal para o finlandês que ele largará em 11º, o que, com o regulamento de abastecimento, é mais negócio do que largar em décimo. Mas o neo-ferrarista não é nem sombra do monstro que venceu aqui no ano passado.
 
Equipe-sensação do ano passado, sétima colocada entre os Construtores com 34 pontos, a Red Bull vai fechar sua segunda temporada em baixa. Sim, aparece novamente em sétimo, mas com apenas 16 pontos. E hoje, em Suzuka, deu vexame: Coulthard e Doornbos rodaram logo na primeira degola. Conseguiram ficar atrás do Albers... Não dá.

Escrito por Fábio Seixas às 04h27

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Fala, garoto!

Os melhores momentos da entrevista de Massa aos jornalistas brasileiros aqui no paddock de Suzuka:
 
Sobre a surpresa causada pela pole: "Fui igual mineiro. Cheguei de fininho, de mansinho e conquistei o meu espaço. Foi muito legal essa pole. É claro que a primeira teve um sabor especial, porque foi a primeira. Mas fazer duas poles em circuitos excelentes como Suzuka e Turquia, onde o piloto faz diferença, dá ainda mais prazer."
 
A ajuda a Schumacher: "Acho que tem muitas ocasiões durante a corrida em que pode acontecer uma ajuda. Eu estou 100% motivado e com vontade de ajudar a equipe inteira a conquistar esses dois títulos e, lógico, vou lutar como um louco para reconquistar minha terceira posição no campeonato. Mas é claro que o importante é fazer o máximo possível para conquistar o máximo de pontos e chegar mais tranqüilo ao Brasil, abrindo o máximo de vantagem sobre a Renault."
 
O ânimo do alemão: "Eu acho que ele não deve estar preocupado porque a gente está na mesma equipe, a gente tem uma ótima relação e os dois sabem que a capacidade de a gente se ajudar é maior do que o contrário. Se a Renault estivesse na segunda fila seria até um pouco mais complicado, mas do jeito que foi tem tudo para a gente fazer uma excelente corrida, sem problemas."
 
Poles em Istambul e Suzuka, dois dos melhores traçados da F-1: "Lógico, em toda a pista, fazer a pole significa que você mostrou serviço. Mas acho que em duas pistas como Turquia e Suzuka, onde o piloto faz a diferença, vale mais a pena."
 
Sobre o ritmo da Ferrari com pneus usados: "Testamos isso hoje de manhã. Andei de pneu velho o tempo todo, fui um dos únicos a não colocar pneu novo. Acho que o carro estava muito, muito bom com pneu usado, com certeza mais rápido e mais constante que a Michelin."
 
Sobre o momento em que virá a ordem para dar passagem a Schumacher: "Isso não importa. O que importa é a que a gente consiga abrir o máximo possível de pontos sobre a Renault. Quando e como não é o importante. O importante é que vou fazer o máximo possível para ajudar o Michael a conquistar este campeonato."
 
Sua imagem na F-1: "Toda pole position ajuda. Toda pole position mostra que você foi o piloto mais rápido na pista. E tenho certeza que me dá mais poder e motivação para que no ano que vem eu consiga mais poles e mais vitórias."
 
Sobre abrir para o alemão logo na largada: "Depende do ponto de vista. Depende de como funciona a largada. Uma largada pode ser um problema, como pode ser tranqüila. Vamos ver o que acontece para decidir então o que fazer."

Escrito por Fábio Seixas às 03h46

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A jato

O grid de largada completo e o relato do que aconteceu no treino oficial já estão na Folha Online.
 
Clique aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 02h53

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Suzuka, treino oficial

Massa larga na pole, Schumacher é o segundo, Alonso sai em quinto. Entre o alemão e o espanhol, as duas Toyota.
 
Um flash da entrevista coletiva que ainda está rolando:
"Michael, o que é mais importante, ter o companheiro de equipe largando na pole ou ver o Alonso em quinto?"
"A segunda opção."
 
Assim, o alemão resumiu sua situação após o treino. Não parece nem um pouco chateado com a surpreendente pole do companheiro.
 
Vou correr pra entrevistar o Massa e já volto.

Escrito por Fábio Seixas às 02h25

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Não chove

Faltam 20 minutos para o começo do treino e apesar das nuvens ameaçadoras e do vento, não está com pinta que vai chover.
 
Enquanto a Globo não começa a transmissão, segue uma foto do cenário por aqui para vocês irem matando a curiosidade.
 

Escrito por Fábio Seixas às 00h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O incrível Alonso

Contracapa do "Red Bulletin" neste sábado...
 

Escrito por Fábio Seixas às 23h51

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Monty Python-2

A rede de wifi dos ingleses, ontem, caía toda hora. Claro, está todo mundo conectado por lá.
 
Hoje, eles mudaram o nome da dita-cuja. Com sol, não havia motivos para continuar chamando "Liding through the Storm".
 
O novo nome, "Overloaded Free Network", ou Rede Gratuita Sobrecarregada! Bons, muito bons esses caras.

Escrito por Fábio Seixas às 23h49

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Suzuka, terceiro treino livre

Schumacher voou no finalzinho do treino e cravou Ralf em mais de um segundo. Para ser preciso, 1s210. Button foi o terceiro.
 
Toyota e Honda? Pois é, como de hábito elas trouxeram uns cavalinhos a mais para casa. Numa dessas, podem ser zebra no grid.
 
Fisichella foi o quarto, com Alonso em quinto, mostrando que a Renault está forte. O treino das 2h vai ser bom.
 
O clima? Sol, 25 graus, mas venta muito e há algumas nuvens escuras aqui por perto. Consta que em Kameyama, pertinho de Suzuka, está caindo um dilúvio.
 
Mas fiquem tranqüilos: caiu o primeiro pingo, eu aviso no blog.

Escrito por Fábio Seixas às 23h20

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Flagrante do sábado

O cabo da máquina digital deu pau e só agora consegui dar um jeito de transferir minhas fotos para o laptop.
 
Seguem então as primeiras imagens de hoje. Um oferecimento, equipamento emprestado pelo japonês à minha direita na sala de imprensa.
 
O Plaza Hotel Siani, a 4 km do circuito, onde me hospedo desde 2000
 
Parece que neste fim de semana vai haver uma corrida de F-1 a 4 km daqui?
 
Aperta-aperta na entrada do circuito de Suzuka neste sábado de manhã
 
"Opa, lá vem um piloto?" "Onde, onde?" "Ah, saco... era só um jornalista..."

Escrito por Fábio Seixas às 22h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sábado de sol

Faltam 45 minutos para o início do terceiro treino livre e faz um baita sol por aqui. O autódromo está lotado, mais do que nunca. O trânsito está carregado e as filas, gigantescas. São os torcedores locais que querem se despedir da F-1.
 
Venta forte e isso pode atrapalhar os pilotos no treino, principalmente na entrada da Spoon, a curva mais rápida de Suzuka.
 
Daqui a pouco eu volto. Estou tentando arrumar um problema na máquina digital.

Escrito por Fábio Seixas às 21h19

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Emenda fraquinha

Depois de bater o recorde ibérico de jogar sujeira no ventilador, Alonso hoje tentou consertar as coisas. Disse que ficou surpreso com a repercussão de sua entrevista coletiva em Suzuka.
 
"Eu fui bem claro em afirmar que aquelas era apenas minhas opiniões pessoais e que aceito completamente as decisões do time. Ontem à noite expliquei tudo isso para o pessoal da equipe e para Fisi e não há problema nenhum."
 
Sim, é claro que eram suas "opiniões pessoais". O problema é que elas foram anunciadas no lugar e na hora erradas. Acho que a emenda não vai adiantar muito. O estrago já foi feito. 

Escrito por Fábio Seixas às 03h54

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Flagrantes da sexta-feira

A caminho do autódromo, trânsito e chuva em Suzuka

 
O paddock, que anos atrás ganhou uma nova área, atrás desses prédios
 
Pois é, ali no meio está Sato, ídolo local, pop star nos dias de GP do Japão
 
Massa dá autógrafo para mais um fanático torcedor no paddock
 
E para encerrar, as moçoilas contratadas pela Renault em Suzuka

Escrito por Fábio Seixas às 03h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Suzuka, segundo treino livre

O treino começou com pista úmida e todo mundo com pneus intermediários. Mas o asfalto foi secando e, no final da sessão, todos já usavam os slicks.
 
A briguinha no final até que foi boa, e Fisichella levou a melhor, seguido por Massa, seguido por Schumacher, seguido por Alonso.
 
Mas mesmo que caia água amanhã, o que não é o mais provável, a Bridgestone está otimista. "O pneu de chuva funciona melhor nesse asfalto, mais abrasivo que o de Xangai", disse agora há pouco, lá no paddock, o Ricardo Zonta. 

Escrito por Fábio Seixas às 03h08

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Monty Python

Ah, as oportunidades que a tecnologia nos oferece...
 
Desde meados de 2004, as salas de imprensa dos autódromos passaram a disponibilizar wifi _conexão wireless, internet sem fio, enfim.
 
Alguns circuitos bacanas oferecem o serviço de graça aos jornalistas. Outros, não tão camaradas, cobram caro. Há ainda Interlagos, honrosa exceção, que no ano passado não tinha wifi nem de um jeito nem de outro. A Telefonica, fiquei sabendo, até tentou fornecer a conexão de graça. Mas, claro, no Brasil as coisas não acontecem assim, sem que ninguém leve nada. O resumo da ópera é que não havia wifi por lá.
 
O fato é que os repórteres deram um jeitinho para driblar os preços exorbitantes de alguns circuitos. Fecham um grupo, fazem uma vaquinha, pedem um cabo de banda larga e espetam o dito cujo em um roteador de wifi. Assim, vários navegam a rede pelo preço de um.
 
Os japoneses, não tão camaradas, colocam senha e distribuem-na só entre eles. Os ingleses, bacanas, deixam o sinal aberto pra todo mundo. E, bem no espírito do humor britânico, batizam a rede com um nome hilário em cada lugar do planeta.
 
A brincadeira começou na Malásia, que cobrava uns US$ 300 por 3 dias de banda larga. Por lá, a rede dos ingleses era a "Robin Hood Network". Roubar dos ricos para dar aos pobres!
 
Aqui, ontem, a rede era "Lobin Hood", provocação com os japoneses. Hoje, dia de chuva forte por aqui, é "Liding through the Storm". Muito bons esses caras... Graças a eles, aliás, este post está no ar.

Escrito por Fábio Seixas às 23h29

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Suzuka, primeiro treino livre

Com muita chuva, pouca gente se aventurou a ir pra pista e mais uma vez o serviço sujo coube aos pilotos de testes.
 
Apenas 11 fecharam volta, o mais rápido deles Davidson, seguido por Jani, Vettel, Ammermuller e Sutil. O primeiro entre os titulares foi Speed, sexto.
 
Ferrari e Renault nem sequer colocaram o nariz pra fora dos boxes. Ou seja, um treino que não diz nada a ninguém. Inútil.

Escrito por Fábio Seixas às 23h13

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Chuva, japoneses e autógrafos

Enfim, no autódromo. A chuva apertou e o primeiro treino livre será com pista encharcada. O que não diminui em nada o ânimo dos torcedores japoneses. A cidade está parada. Hotéis, motéis, estacionamentos e campings, sem vaga. Os ingressos estão esgotados há tempos.
 
Japonês é um povo apaixonado pela F-1, isso não é novidade. Mas é uma paixão diferente daquela do italiano ou do alemão. É mais contida.
 
Os japoneses não invadem a pista, nem passam a madrugada no camping enchendo a cara e cantando. Disciplinados, contentam-se em formar enormes filas na entrada do circuito na esperança de colher um autógrafo.
 
O engraçado é que, na afobação, às vezes eles estendem seus caderninhos e fotos para qualquer ocidental, para qualquer um que não tenha olho puxado. Se você guarda qualquer semelhança, mínima que seja, com um piloto, está arriscado a ter de dar autógrafos.
 
Uma vez, já há uns cinco ou seis anos, eu estava saindo do autódromo e um japonês veio correndo atrás de mim. Quando parei, ele, todo sorridente, me entregou uma caneta e uma foto. Do Pedro Paulo Diniz. Não poderia deixar o japonês ali, triste. Mandei bala, autografei.
 
Não, não tenho nada a ver com o Pedro Paulo. Nem eu nem meu bolso.

Escrito por Fábio Seixas às 21h44

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Até tu?

Rapidinho, porque tenho que ir pro autódromo e o trânsito, segundo consta, está infernal: choveu forte a madrugada toda e agora está garoando.
 
Ponto para os meteorologistas japoneses, que cravaram 100% de chances de chuva nesta sexta-feira.
 
Alonso, pelo menos hoje, não terá motivos para reclamar. Mas amanhã e domingo a pista deve estar seca. E aí, talvez, ele acuse São Pedro de sabotagem.

Escrito por Fábio Seixas às 20h09

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Vaticínio

Carlos Miguel, colega do "As" sentado atrás de mim na sala de imprensa, mantém o otimismo quanto ao título do seu compatriota.
 
"Há um ditado espanhol que diz que de fracasso em fracasso, se chega à vitória", acaba de proclamar.
 
Sei não... Aliás, esse ditado é horrível.

Escrito por Fábio Seixas às 07h13

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Laranja (?) mecânica

Aí está, como prometido, a foto dos Spyker em Suzuka. Comparem a cor do carro com o vermelho da placa sobre os boxes. É laranja, não é? Depois me contem como ficou na TV.
 

Escrito por Fábio Seixas às 05h01

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Rapidinhas de Suzuka

Alonso voltou a bater pesado na Renault e em Fisichella na entrevista coletiva de hoje. Disse, ainda, que "as pessoas boas" da equipe estão trabalhando em favor dele. A relação, que já havia azedado, agora começa a ficar malcheirosa. Schumacher, claro, está adorando tudo isso.
 
Resumo dos relatos dos amigos que aproveitaram convite da Toyota e foram conhecer Monte Fuji: o lugar é bonito, bem servido de hotéis, mas ainda há muito a ser feito no circuito _as obras estão apenas no começo. O acesso também preocupa. A estrada é estreita e uma nova rodovia deve ser inaugurada só em 2009.
 
Conversei com um amigo da Spyker agora há pouco. O clima por lá é outro com a chegada dos holandeses, ele contou. Disse, também, que a conversa com a Ferrari foi muito rápida, a ponto de pegar os próprios integrantes da equipe de surpresa _eles já faziam simulações com os Cosworth. De quebra, estão todos empolgados com a chegada do Gascoyne, que começa no 1º de novembro. Eddie Jordan deve estar feliz da vida.
 
Aliás, falando em Spyker, piadinha que circula entre os membros do time: "Eu também posso comprar um Spyker". Clique aqui e entenda a infâmia.

Escrito por Fábio Seixas às 03h55

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Amar é...

... ficar debaixo de chuva, na arquibancada gelada, sem nada na pista, apenas para homenagear seu ídolo.

Escrito por Fábio Seixas às 02h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Veeeeeeeeery happy!"

Sato acaba de participar da entrevista coletiva aqui em Suzuka. Grande ídolo local, respondeu a pouquíssimas perguntas. Todas as baterias estavam voltadas para Alonso, claro.
 
Em 2003 foi diferente. E mais engraçado. Substituindo Villeneuve na BAR, o japonês fez uma bela corrida e terminou em sexto. No fim da prova, no pit lane, foi cercado por repórteres do mundo todo, entre eles este que vos escreve.
 
Naquele dia, houve um problema qualquer com o equipamento da rádio e fiz aquele fim de transmissão com o celular.
 
O público delirava. Sato estava enlouquecido. E não sei no que ele pensou. Mas ao ver aquele celular em meio a tantos microfones, arrancou o aparelho da minha mão e continuou a falar, com a empolgação de mil samurais: "I'm very happy! Veeeeeeeeery happy!"

Escrito por Fábio Seixas às 02h44

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Melhor que a marginal

Do centro de Xangai ao aeroporto de Pudong há um trem de flutuação magnética, o MagLev, que faz a viagem de 35 quilômetros em oito minutos. Foi inaugurado recentemente.
 
Do aeroporto de Nagoya à região de Suzuka, também há um trem, mas no ano passado foi criada uma linha rápida de barco. De carro, a viagem leva até três horas. O "fast ferry boat" faz a ligação Nagoya-Tsu em exatos 40 minutos. O preço parece justo, cerca de US$ 10.
 
Quem desembarca em Cumbica ou no Galeão não tem outra opção a não ser pegar a Marginal Tietê ou a Linha Vermelha. Não bastassem a falta de comodidade, o tráfego e os preços dos táxis, são dois dos cenários mais horrendos das duas cidades.
 
Em tempo, aquela placa em Cumbica indicando onde será construída uma estação de metrô já virou piada de mal gosto. Pra falar a verdade, não sei nem se ela ainda está lá, se foi arrastada pelo vento ou se já foi levada pra virar parede de algum barraco das proximidades.
 
Será que algum dia vão fazer alguma coisa sobre isso?
 
Abaixo, fotos do barco japonês. Imagens de respeito com as pessoas. Retratos do Primeiro Mundo, enfim.
 
 
 

Escrito por Fábio Seixas às 02h28

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Historinhas do aeroporto

Dia de viagem é sempre corrido, mas amanhã _hoje à noite pra vocês_ prometo um pouco mais de atenção ao blog.
 
Ah, vim no avião com o Kubica, o Webber e o Alonso.
 
O polonês eu só vi no desembarque, alugando celular na mesma lojinha em que eu estava. O sistema japonês é diferente de tudo o que existe por aí e todo mundo precisa alugar ou comprar um aparelho aqui se quiser manter contato com o resto do planeta. Comprei um celular japonês uma vez, só que sempre esqueço de trazer. Mas tudo bem, o aluguel é baratinho, quase nada.
 
O australiano, vejam só, foi barrado numa sala vip do aeroporto de Nagoya em que até eu, um rapaz latino-americano sem dinheiro no bolso, entrei _além de outros jornalistas e de uma cambada da BMW. Não dá pra levar a sério um piloto assim.
 
Com o Alonso foi engraçado. Ele saiu no saguão e não tinha ninguém da Renault esperando para levá-lo a Suzuka. Eu estava trocando dinheiro e de repente vi o cara ali no meio do saguão, carrinho cheio de malas, perdidaço. Hilário! Será que a equipe fez de propósito? Bom, quem mandou ele falar besteira?

Escrito por Fábio Seixas às 12h13

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A verdadeira laranja mecânica

Na fila da imigração, no aeroporto de Nagoya, um amigo holandês me contou que os Spyker estão passando por uma nova pintura aqui em Suzuka. É que o pessoal da montadora ligou desesperado para a China assim que o carro apareceu pela primeira vez na TV, no treino livre da última sexta. "Esse carro é vermelho, não laranja!", disseram os executivos.
 
Eu vi o carro de perto lá em Xangai. É laranja, garanto. Mas na TV, tudo muda, as cores não aparecem exatamente como são.
 
Quem já viu uma corrida in-loco sabe do que estou falando. Lembro que tomei um susto nas arquibancadas de Interlagos, em 90, quando as McLaren saíram dos boxes. Aquilo não era vermelho. Era um quase-rosa.
 
A Spyker agora está suavizando a cor. Não há muito o que fazer, tem que ser na base da tentativa e erro. Na sexta, os holandeses ligarão para dizer como ficou.  Mas antes disso eu passo lá nos boxes da Spyker e tiro uma foto para vocês avaliarem.

Escrito por Fábio Seixas às 10h48

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sol nascente

Cheguei. E antes do tufão, que é esperado para amanhã. Na verdade, o "rabo de tufão".
 
O fenômeno perdeu força nos últimos dias, e o máximo que teremos por aqui, na quinta-feira, será uma chuva forte. Aliás, neste momento, chove lá fora.

Escrito por Fábio Seixas às 10h45

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Vento, ventania

Em 2004, em pleno sábado de GP, Suzuka foi alvo de um tufão, o número 22 _era o 22º a passar pelo Japão naquele ano. Com medo, a FIA, na véspera, anunciou a transferência do treino oficial para o domingo de manhã, pouco antes da corrida.
 
No sábado o tal tufão chegou e foi menos assustador do que se esperava. Chuva e ventos fortes, escuridão, algumas placas voando, nada muito destruidor. O que mais marcou foi a visão do autódromo deserto. Estive por lá no final da tarde. Aqui e ali algum mecânico de prontidão, mais nada.
 
A pior conseqüência foi que a FIA gostou da experiência e teve a idéia de jerico de, em 2005, definir o grid nas manhãs de domingo. Desastre. As audiências de TV foram pro buraco e no meio do ano os dirigentes voltaram atrás.
 
(Não foi a primeira vez que a F-1 foi vítima de um fenômeno natural em Suzuka. Quatro anos antes, em 2000, um terremoto balançou o autódromo na sexta-feira. A sala de imprensa tremeu sob nossos pés, mas também não foi nada violento. Nas casas, algumas prateleiras caíram, e só. Mas teve jornalista com faniquito.)
 
Por que toco nesse tema? Porque nesta semana o número 15 passará por Suzuka. Não, não será no fim de semana, será entre hoje e amanhã. Bom, chego lá amanhã. Assim que pisar na pista, conto pra vocês.

Escrito por Fábio Seixas às 09h30

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sangue novo

Tempos atrás, a FIA divulgou o rascunho do regulamento de 2007. Entre outros pontos, o texto acabava com a história dos terceiros pilotos às sextas-feiras.
 
As equipes deram de ombros e devem decidir pelo oposto em Suzuka. Há até quem defenda a obrigatoriedade de que os times usem apenas pilotos novos (seria criado um limite de idade) ou da GP2. Acho essa uma excelente idéia _o que é um forte indício de que não deve ser aprovada.

Escrito por Fábio Seixas às 06h21

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mudanças no fundão

Segundo o "Guardian", Davidson está próximo de fechar com a Super Aguri para correr no ano que vem. É mais um que passou por aquilo que o Hamilton vive agora: em 2004, quando a FIA liberou os pilotos de testes às sextas-feiras, foi elevado a novo gênio pelos ingleses. Queriam porque queriam arrumar um jeito de o moleque correr.
 
Agora, é verdade, ele anda um pouco esquecido, fruto até da lua-de-mel da imprensa com Hamilton. Bom, Davidson pode não ser um virtuose, mas deve ser melhor do que o Yamamoto. E se conseguir fazer alguma coisa com aquela draga de carro, aí serei eu a escrever aqui, em letras garrafais: "GÊNIO"!

Escrito por Fábio Seixas às 06h17

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Formigueiro-2

Pois é, continuo na China, que continua em clima de feriadão. Ontem à noite, a avenida junto ao Bund, o pedaço da cidade às margens do rio Huang Pu, estava fechada ao trânsito.
 
Centenas de milhares de pessoas aproveitaram para passear por lá, muitas fantasiadas. A diversão do pessoal era tirar fotos com os celulares, usar chifrinhos que piscavam, ficar batendo um no outro com martelos de borracha e por aí vai.
 
Hoje, saí para uma banda pela Nanjing, uma das principais ruas comerciais de Xangai. Seguem alguns instantâneos... 
 
Pouca gente esperando para atravessar a rua?
 
Crianças fazem pose com a estátua patriota
 
O pessoal estaciona as motos e bicicletas nas ruas transversais...
 
...e aproveita a terça-feira de sol e feriado no calçadão
 
Porque ninguém é de ferro

Escrito por Fábio Seixas às 05h35

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Do próprio veneno

Todt soltou os cachorros em cima da Renault. Deixou claro que não gostou de ver Fisichella protegendo o Alonso, principalmente no momento em que o espanhol voltou para a pista com os famigerados pneus dianteiros novos.
 
"Foi bom para que nós aprendêssemos o que podemos fazer. Cabe a vocês julgarem se o que eles fizeram foi normal ou não. Mas vamos levar isso em consideração. Não farei mais comentários."
 
Nada como um dia após o outro, né mesmo?

Escrito por Fábio Seixas às 06h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Para ver, rever, rever, rever...

A maior ultrapassagem dos últimos anos na F-1. A curva é totalmente diferente, claro, partindo do fato de não ser um baita declive, mas me lembrou o mergulho do Zanardi sobre o Herta na Corkscrew.

Escrito por Fábio Seixas às 06h17

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Formigueiro

Já estive em arquibancada lotada em final de campeonato. Já desfilei no sambódromo. Já fui ao Fortal, ao Recifolia e à Marafolia. Já peguei metrô na hora do rush. Já fui ver os Stones no Pacaembu. Já fui ao setor G de Interlagos. Já me espremi com outros repórteres centenas de vezes para saber o motivo do abandono deste ou daquele piloto.
 
Mas nada, nada, nada no mundo se compara à praça de alimentação de um shopping na China na hora do almoço em dia de feriado nacional.
 

Escrito por Fábio Seixas às 06h04

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Divagações enquanto o jantar não chega

Quase 23h15 aqui, de volta ao hotel após um dia movimentado.
 
O que será contado dessa corrida no futuro?
 
Se der Schumacher no fim do ano, que Alonso perdeu o campeonato por uma decisão errada nos boxes, a tal troca de pneus no primeiro pit. Ainda está tudo meio mal explicado. O espanhol diz que, do jeito que os dianteiros estavam, não dava pra continuar. Mas afirma também que o carro piorou muito com os pneus novos, por oito ou nove voltas, até que aquecessem e perdessem os sulcos. Segundo ele, quando a Renault se deu conta da burrada, decidiu manter os pneus velhos no carro do Fisichella, que manteve um bom ritmo. Ora, então por que não usaram o italiano de cobaia? Ou se tinham tanta certeza que daria certo com o Alonso, por que deu errado?
 
Se der Alonso, que Schumacher, no fim de carreira, deu um show de perícia com a ultrapassagem sobre o Fisichella. Primeiro, de perícia mental. Diz o alemão que calculou o bote no italiano exatamente quando ele estivesse saindo dos boxes, com pneus frios, e que era ali a melhor hora de tentar. Depois, de perícia no volante. Com um campeonato a perder contra um adversário que não tinha nada a arriscar _ e que ainda é o companheiro de equipe do seu rival_, Schumacher retardou a freada ao máximo, mergulhou a toda, usou a zebra e venceu, ali, o GP da China.
 
Por aqui, é feriadão nacional de uma semana, o que significa que os restaurantes das redondezas estão fechados. Já apelei para o "room service", daqui a pouco chegam o peixe e o arroz com vegetais. Vamos ver no que vai dar. Até mais tarde. E bom voto. 

Escrito por Fábio Seixas às 11h13

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Puxão de orelha

Não vai mudar o preço do dólar nem o resultado da eleição, mas a FIA acaba de desclassificar o Sato do resultado da corrida e de punir Albers com o acréscimo de 25 segundos ao seu tempo final.
 
Os dois cometeram a mesma infração, ignoraram bandeiras azuis. O japonês, no entanto, era reincidente.
 
Barrichello e Heidfeld foram ouvidos sobre a batida na última volta e não serão punidos.

Escrito por Fábio Seixas às 08h03

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Xangai pós-GP

Já está no ar, na Folha Online, o relato da corrida. Clique aqui.
 
Antes de sumir da net para me dedicar aos textos para o jornal, algumas rapidinhas:
 
Massa ficou bravo com Coulthard. Acha que o escocês deveria ter aberto passagem. "Eu estava muito mais rápido que ele", disse. Sei não. Na minha opinião, Coulthard deveria ter aberto, mas para tentar o "xis" em seguida. O brasileiro estava no molhado, se jogou rápido demais naquela curva e fatalmente o piloto da Red Bull recuperaria a posição não tivesse fechado a porta.
 
Barrichello, Heidfeld e Albers estão sendo investigados pela confusão na última curva, em que o alemãozinho levou a pior. O brasileiro bateu por trás, mas acho que ali não tinha como evitar.
 
Schumacher está, claro, feliz da vida. Hoje a festa vai ser boa. Desde 1998 o Mundial não chegava às duas últimas etapas com os líderes empatados em pontos. Daquela vez, o alemão levou a pior e Hakkinen comemorou o título.
 
O paddock está um caos completo. As equipes precisam empacotar tudo e embarcar os equipamentos o quanto antes, já que na quinta-feira tudo precisa estar montado em Suzuka.
 
Por enquanto é só, pessoal.

Escrito por Fábio Seixas às 05h02

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Enfim, o GP

Vai começar. Asfalto molhado, todo mundo de intermediário. Continuo apostando na vitória do Alonso, com Schumacher em segundo ou terceiro.
 
Volto daqui a umas duas horas.

Escrito por Fábio Seixas às 01h56

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

1º de outubro de 2006

Quis Bernie Ecclestone que eu estivesse na China hoje, dia de eleição no Brasil. Não havia escolha, é claro, obrigação profissional, campeonato pegando fogo, compromissos assumidos há tempos.
 
Mas acordei hoje com uma baita dor no coração. Queria estar no Brasil. Queria votar. Nasci nos 70 e comecei a entender o mundo nos 80. Lembro claramente das Diretas Já, da festa das primeiras eleições, de acompanhar meus pais até suas seções eleitorais, das ruas cobertas de santinhos, dos cabos eleitorais por todos os lados, dos jingles ingênuos e grudentos.
 
Votei pela primeira vez aos 16 e de lá para cá decepcionei-me trocentas vezes. Em algumas oportunidades, depositei meu voto com toda a convicção do mundo. Em outras, sem certeza alguma. Desta vez, confesso, não estava lá muito certo de nada.
 
Mas triste mesmo foi quando, há umas três semanas, caiu a ficha. "Putz, vou estar viajando na eleição." Fiquei inconformado. Nosso país sofreu muito para recuperar o direito ao voto livre e acho que ninguém deveria jogar fora a chance de participar, de dar o seu recado, qualquer que seja.
 
Bom voto. Aproveite a oportunidade que, desta vez, não terei.

Escrito por Fábio Seixas às 01h10

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Imagens de um pré-GP molhado

Pois é, a coisa está feia por aqui...

À esquerda, pneus intermediários. À direita, compostos para chuva forte, os favoritos para a largada da corrida de hoje
 
O paddock também está cheio de poças
 
Trulli conversa com Capelli, hoje comentarista de TV na Itália
 

Escrito por Fábio Seixas às 00h46

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Aguaceiro

Um dos eventos preliminares da F-1 neste domingo de manhã, a corrida de Porsche acaba de ser interrompida antes do programado. Bandeira vermelha, mais do que necessária: ninguém conseguia ficar na pista, era um pancão depois do outro.
 
Enfim, descobrimos que esse circuito tem um defeito: a drenagem é horrível. Sim, chove forte, mas não era pra tanto. Não bastasse a chuva, baixou um baita nevoeiro por aqui. Vou tentar tirar uma foto e postar aqui daqui a pouco.

Escrito por Fábio Seixas às 00h14

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Rapidinhas

Acabo de voltar lá do paddock e estou dando graças a Buda que trouxe minha capa de chuva hoje. Cai muito água por aqui.
 
Mesmo com toda essa chuva, acho que os Honda não são páreo para a Ferrari de Schumacher. O problema, disse Barrichello ontem, é velocidade em reta. Fisichella, todos sabemos, fará alguma besteira em algum momento. O grande problema do alemão será se livrar do Raikkonen na largada. Será que o finlandês vai endurerecer? Ou será que o contrato com a Ferrari vai falar mais alto? Aposto na primeira opção. Mas de qualquer forma, a vitória está nas mãos de Alonso. Schumacher pode até alcançar a segunda posição do GP. Mas disso não passa. Salvo quebra do espanhol, claro.
 
Vale a pena prestar atenção no desempenho do Massa. Sua primeira corrida com chuva na F-1, na Hungria, foi patética. Será que foi circunstancial? Ou será que ele é ruim em pista molhada? A conferir.
 
Falando em Massa, ele ganhou mais uma posição no grid e larga em 20º. Albers, que havia feito o 18º tempo, foi rebaixado para o último lugar porque não levou o carro para a pesagem depois do treino oficial. O curioso é que o Premat, piloto de testes da Spyker, fez o mesmo na sexta-feira. Será que há algo de podre no reino da Holanda?
 
Barrichello também correu risco de punição. De la Rosa reclamou que foi atrapalhado pelo brasileiro, que saiu dos boxes bem à sua frente quando vinha numa volta rápida. Mas o problema foi da FIA, que não acionou a luz azul na saída do pit lane, nem mostrou bandeiras azuis para Rubinho, que, assim, se safou.
 
Antes de encerrar o post, um mea-culpa. Não apelei para o McDonald's, mas comi razoavelmente bem ontem à noite. Sim, desta vez fui ao restaurante da esquerda. Pedi uma porção de arroz, pra garantir, e um peixe assado com molho de shoyo. Estava uma delícia, bom mesmo. Pensei até em pedir um pato, mas por sorte havia uma foto no cardápio. Desisti quando vi que a cabeça do bicho vinha junto.

Escrito por Fábio Seixas às 23h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.