Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

60 anni

"Nasce a Ferrari 250 Califórnia", diz o livreto comemorativo, sobre 1957.
 
 
Não parece capa de disco dos "Beach Boys"?

Escrito por Fábio Seixas às 10h37

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Urna eletrônica

A Folha Online colocou no ar uma enquete para medir a expectativa do torcedor a duas semanas do GP da Austrália.
 
A pergunta, quem você acha que é o favorito para ser campeão mundial?
 
Massa vem liderando com sobras...
 
Mas o que eu gostaria mesmo de saber é quem foi o autor do até agora (0h53 de sábado) voto solitário ao Fisichella.

Escrito por Fábio Seixas às 23h53

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Youtube(s) da madrugada

Daqui a duas semanas, exatamente agora, à meia-noite, estaremos esfregando as mãos, acompanhando o início do primeiro treino oficial da temporada.
 
Segue, então, um aperitivo.
 
 
Quando não tem corrida, o Albert Park é assim... Vejam o que esse sujeito foi capaz de fazer.
 
 
Obrigado ao Felipe Maciel, de Campos, terra do Jarbas Caminhão, que indicou estes (e vários outros) vídeos.

Escrito por Fábio Seixas às 23h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Arquivo pessoal

Mais uma vez, vem do Sul a colaboração para esta seção. A autora da foto, Luane Magalhães.
 
 
O local: autódromo de Santa Cruz do Sul
O ano: 2005
O evento: Stock Car
O comentário do internauta: O boteco atrás dos boxes onde, como se pode ver, vende-se Xis e cigarros...
O comentário do blogueiro: Xis-Coração?????

Escrito por Fábio Seixas às 22h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O elmo

Na coluna de hoje, escrevi que o capacete usado pelo Greg Moore na temporada de 1997 foi o mais bonito que já vi.
 
Bom, o Frederico Salazar, da Formiga, pediu e aqui está...
 
 
Questão de gosto. Esse quadriculado na parte de baixo sempre me remeteu a algo medieval, a um lance de heráldica. O capacete do canadense, morto em 1999 em Fontana, sempre me pareceu parte de uma armadura.
 
Xiiiii...Estou viajando demais?
 
Em tempo, a peça da foto está sendo oferecida por uma loja da internet, essa tal Beverly Hill Motorsport, por US$ 2300.

Escrito por Fábio Seixas às 17h40

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sexta, coluna

Hoje é dia de coluna na Folha.
 
O link está aqui, para assinantes do jornal e do UOL.
 
O tema, uma certa corrida da Indy há exatos 10 anos.

Escrito por Fábio Seixas às 15h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Youtube do dia

Direto do Bahrein, dez minutos do último dia de testes pré-temporada.
 
Alguns internautas notaram no último vídeo: a McLaren tem quatro retrovisores!
 

Escrito por Fábio Seixas às 10h55

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Em 1956, o título mundial voltou para Maranello, daquela vez com Juan Manuel Fangio, que já havia sido campeão por Alfa Romeo, Maserati e Mercedes.
 
 
O modelo campeão mundial, a Ferrari D50.

Escrito por Fábio Seixas às 10h33

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bahrein, dia 3

E está encerrada a pré-temporada. Agora, é empacotar tudo e descansar por uns dias até a F-1 dar a largada para a 58ª temporada de sua história, na Austrália.
 
Noves fora todas as atenuantes que devem ser consideradas na análise dos resultados, algo é inegável: se há um piloto que chegará animadaço a Melbourne é Felipe Massa.
 
O brasileiro foi mais rápido que Raikkonen durante toda a fase de testes e nesta última semana, no Bahrein, fez o melhor tempo todos, TODOS, os dias.
 
A Renault mostrou serviço hoje, mas não me impressiona. Acho que está atrás de Ferrari e McLaren e, se bobear, perderá terreno para a BMW, esta a grande surpresa dos treinos.
 
Barrichello hoje deu um banho no Button. Mas a Honda está longe de provocar suspiros. Deve brigar no bloco intermediário, e olhe lá.
 
Aos tempos de hoje:
 
1º. Massa (Ferrari), 1min29s989 (45 voltas)
2º. Kovalainen (Renault), 1min30s384 (61 voltas)
3º. Fisichella (Renault), 1min30s498 (64 voltas)
4º. Raikkonen (Ferrari), 1min30s534 (77 voltas)
5º. Alonso (McLaren), 1min30s564 (113 voltas)
6º. Barrichello (Honda), 1min31s067 (118 voltas)
7º. De la Rosa (McLaren), 1min31s354 (90 voltas)
8º. Speed (Toro Rosso), 1min31s500 (124 voltas)
9º. Coulthard (Red Bull), 1min31s589 (66 voltas)
10º. Heidfeld (BMW), 1min31s720 (83 voltas)
11º. Webber (Red Bull), 1min31s742 (92 voltas)
12º. Kubica (BMW), 1min31s751 (98 voltas)
13º. Schumacher  (Toyota), 1min31s791 (81 voltas)
14º. Button (Honda), 1min31s837 (97 voltas)
15º. Montagny (Toyota), 1min32s264 (119 voltas)
16º. Sato (Super Aguri), 1min33s357 (53 voltas)

Escrito por Fábio Seixas às 14h08

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Youtube do dia

Hoje o dia vai ser um corre-corre.
 
Então, por ora, um videozinho para vocês irem matando a saudade.
 
 
Sim, foi gravado ontem pela espanhola Tele5, no Bahrein, e já foi parar no Youtube. A segunda parte está aqui.
 
Será que sou o único que ainda fica surpreso com essas coisas?

Escrito por Fábio Seixas às 09h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

1955 deve ter sido um ano bem chato na história da Ferrari, que não conseguiu lembrar de nada para homenagear. O jeitinho encontrado pela escuderia,  uma segunda menção a 1954.
 
 
O desenho é uma referência ao lançamento da 250 GT, no Salão de Paris, o primeiro modelo de uma série que faria história em Maranello.

Escrito por Fábio Seixas às 09h48

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um pouco de moto

Em entrevista ao espanhol "As", Alexandre Barros mostra otimismo.
 
"Temos o mesmo equipamento da equipe oficial da Ducati", diz Barros, 36 _a média de idade do grid da MotoGP neste ano será 28,5 anos.
 
Ele correrá por um time independente, a Pramac D'Antin.
 
"Se os mais novos me chamarem de vovô, vou dar risada. Porque não me sinto assim e porque ainda acho que posso vencer provas."
 
Não sei quantas vezes ouvi o Alexandre com esse discurso de que "a minha moto é igual à da equipe oficial".
 
Mas qual é o problema? Se alguém foi buscar o veterano na Superbike, é porque ele tem valor, porque tem algo a oferecer. 
 
Que seja feliz, pois.

Escrito por Fábio Seixas às 13h53

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bahrein, dia 2

Hoje, sim... Testando o novo pacote aerodinâmico da Ferrari, basicamente asa traseira mais ondulada e asa dianteira de perfil mais alto, Massa foi o mais rápido do dia no Bahrein.
 
Ou seja, com pacote ou sem pacote, ele está batendo Raikkonen.
 
Mas sofreu um susto: a 20 minutos do fim da sessão, o carro parou no meio da pista sem razão aparente.
 
Hamilton, segundo mais rápido, sofreu uma pane hidráulica pela manhã mas conseguiu trabalhar bem pelo resto do dia.
 
Amanhã, a turma volta à pista. Depois, só no Albert Park.
 
1º. Massa (Ferrari), 1min30s640 (100 voltas)
2º. Hamilton (McLaren), 1min31s178 (55 voltas)
3º. Raikkonen (Ferrari), 1min31s490 (94 voltas)
4º. Fisichella (Renault), 1min31s967 (109 voltas)
5º. De la Rosa (McLaren), 1min31s971 (52 voltas)
6º. Kovalainen (Renault), 1min32s068 (30 voltas)
7º. Heidfeld (BMW), 1min32s264 (73 voltas)
8º. Button (Honda), 1min32s293 (73 voltas)
9º. Liuzzi (Toro Rosso), 1min32s359 (47 voltas)
10º. Kubica (BMW), 1min32s648 (54 voltas)
11º. Barrichello (Honda), 1min32s650 (61 voltas)
12º. Sato (Super Aguri), 1min32s837 (100 voltas)
13º. R.Schumacher (Toyota), 1min33s054 (85 voltas)
14º. Coulthard (Red Bull), 1min33s146 (52 voltas)
15º. Webber (Red Bull), 1min33s238 (53 voltas)
16º. Trulli (Toyota), 1min33s384 (33 voltas)

Escrito por Fábio Seixas às 11h57

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

A vitória de Umberto Maglioli na última edição da Carrera Panamericana, no México, foi o tema escolhido para 1954. O carro vencedor, claro, uma Ferrari, modelo 375 Plus.

Escrito por Fábio Seixas às 09h51

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A hora da mulherada

O ano era 2002, e os monitores do setor B em Interlagos teimavam em não funcionar. Duas meninas foram reclamar, acabaram se conhecendo e... pronto.
 
Nasceu ali o F1 Girls. Que virou grupo. Que virou blog. Que cresceu. E que hoje, com duas pernambucanas, duas paulistas e uma paraense, virou site, o www.f1girlsonline.com
 
Tem boa informação, mas tem também bom humor. Humor ácido. Humor na hora certa. Humor inteligente.
 
A partir de hoje, este blog ganha um toque feminino. Você poderá encontrar, aqui, as travessuras das meninas.
 
Como essas duas aqui abaixo...
 
 
 Ah, sim... Sejam muitíssimo bem-vindas.

Escrito por Fábio Seixas às 15h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Fala, Massa

Porque vale a pena, reproduzo aqui, na íntegra, comunicado enviado há instantes pela assessoria de imprensa de Felipe Massa:
 
Felipe Massa negou nesta terça-feira, ao final do primeiro dia de testes da semana no circuito de Sakhir (Bahrein), que tenha colocado a McLaren em estágio superior às demais equipes nesta fase final da pré-temporada da Fórmula 1. O diário espanhol Marca publicou reportagem na véspera, reproduzida pela imprensa brasileira, na qual o piloto da Ferrari teria creditado à escuderia inglesa uma vantagem momentânea.

“Não disse nada disso. O que afirmei é que a McLaren é uma das melhores equipes e estará na briga junto com Ferrari, Renault e BMW”, rechaçou Massa, que estabeleceu hoje a volta mais rápida na retomada dos ensaios coletivos no Bahrein depois da folga do fim de semana. Massa fechou o dia com uma simulação completa de corrida.

De acordo com o noticiário veiculado na imprensa, especialmente pela Internet, Massa teria “mudado de idéia” pouco depois de apontar a BMW como uma das forças do campeonato que se aproxima. “Não mudei de idéia pelo simples fato de que não falei o que o jornal espanhol escreveu. Minhas declarações estão gravadas. É complicado quando alguém coloca na imprensa algo que você não falou”, reclamou.

Escrito por Fábio Seixas às 13h01

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bahrein, dia 1

A Ferrari começou na frente a última bateria de testes da pré-temporada. Massa ficou à frente por 0s330. Mas só amanhã teremos uma boa medida do estágio da disputa interna na equipe. Isso porque o brasileiro testará o mesmo pacote aerodinâmico avaliado por Raikkonen, hoje. Mais: Massa foi quem mais andou, 102 voltas. Portanto, vamos aguardar.
 
O dia foi marcado por um acidente forte de Kovalainen. O finlandês perdeu o controle do carro e arrebentou o Renault no guard-rail. Saiu andando, numa boa.
 
Aos tempos:
 
1º. Massa (Ferrari),  1min31s260 (102 voltas)
2º. Raikkonen (Ferrari),  1min31s590 (95 voltas)
3º. Alonso (McLaren), 1min31s851 (96 voltas)
4º. Kubica (BMW), 1min32s108 (74 voltas)
5º. Hamilton (McLaren), 1min32s193 (55 voltas)
6º. Fisichella (Renault), 1min32s556 (82 voltas) 
7º.  Kovalainen (Renault), 1min32s880 (19 voltas)
8º. Montagny (Toyota), 1min32s999 (37 voltas) 
9º.  Trulli (Toyota), 1min33s150 (64 voltas)
10º. Vettel (BMW), 1min33s219 (34 voltas) 
11º. Klien (Honda), 1min33s378 (90 voltas)
12º. Coulthard (Red Bull), 1min33s526 (69 voltas) 
13º. Webber (Red Bull), 1min33s642 (74 voltas)
14º. Rossiter (Honda), 1min33s697 (78 voltas)
15º. Sato (Super Aguri), 1min33s813 (75 voltas)
16º. R.Schumacher (Toyota), 1min34s030 (36 voltas)
17º. Speed (Toro Rosso), 1min34s137 (44 voltas)

Escrito por Fábio Seixas às 11h58

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Em tempo

Do bom texto da Folha, hoje, sobre o eco-carro da Honda: "Empresas e pessoas podem apoiar a iniciativa com doações para causas ambientais e o compromisso de mudarem seus estilos de vida. Em troca, terão os nomes inscritos nos carros. Só vistos, porém, com a ajuda de microscópio. (...) Há espaço para 2 milhões de patrocinadores, que poderão usar a imagem do carro."
 
Ou seja, é uma espécie de patrocínio às avessas. O carro não mostra a marca do patrocinador, mas o patrocinador (por menos dinheiro que coloque) pode usar a imagem do carro à vontade, em qualquer tipo de ação, sem as habituais restrições contratuais. Interessante. Esperemos para ver se funciona.

Escrito por Fábio Seixas às 09h33

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Em 1953, a Ferrari conquistou o Mundial de Turismo usando os modelos 340 MM e 375 MM. E dá-lhe uma bela homenagem.
 

Escrito por Fábio Seixas às 09h08

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Carro alegórico

E aqui está o RA107, o carro da Honda para o Mundial que começa em 18 dias.
 
 
O enredo do carro alegórico, a preservação do meio-ambiente. "O aquecimento global é provavelmente a maior preocupação do planeta hoje, e a F-1 não pode ficar fora dessa discussão", disse Nick Fry, o chefe da equipe, em Londres.
 
A asa traseira traz a propaganda de um site criado pelo, myearthdream.com. Por meio dele, empresas poderão a partir de amanhã fazer doações para campanhas ecológica em troca da divulgação de seus logotipos no carro.
 
Entre as empresas que já aderiram estão Universal Music, Gatorade, IBM, Fila, Instron, Oliver Sweeney, GF Agie Charmilles, Perkin Elmer e TUV.
 
Ou seja, ironia do processo, o carro que irá à pista em Melbourne já trará um pouco mais de poluição visual.
 
O que achei? Sinceramente, não consegui formar uma opinião. Vou esperar pra ver na pista.
 
Mas o que estou curioso mesmo para saber é se os macacões dos pilotos vão seguir a mesma linha.

Escrito por Fábio Seixas às 09h55

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

1952 foi o ano do primeiro título mundial da Ferrari, com Alberto Ascari, o AA. E, com o perdão do lugar-comum, a homenagem não poderia ser outra.
 
 
Uma curiosidade, para aqueles que passaram os últimos anos reclamando do domínio de Schumacher: naquela temporada, Ascari liderou 305 voltas consecutivas, as últimas 35 do GP da Bélgica e todas as dos GPs da França (77), Inglaterra (85), Alemanha (18) e Holanda (90).
 
O campeonato teve apenas outras três corridas, Suíça, Indianápolis (de que os europeus não participavam) e Itália.

Escrito por Fábio Seixas às 08h29

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Arquivo pessoal

Vem dos EUA, mais precisamente de Miami, a contribuição de hoje. A autora do clique, a uruguaia-brasileira-americana Eloisa Lopez-Gomez Celis.
 
 
O local: Indianapolis Motor Speedway
O ano: 2006
O evento: GP dos EUA
O comentário do internauta: Acho que não precisa de legenda
O comentário do blogueiro: Vai gostar de baguete assim... lá na Suíça

Escrito por Fábio Seixas às 14h20

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Go, Speed Racer

Leio na Folha Online que "Speed Racer" entrou em fase de pré-produção e começará a ser rodado em maio, em Berlim.
 
A direção ficará a cargo de Andy e Larry Wachowski, os irmãos que fizeram "Matrix". E o volante? De quem será?
 
Em 1995, quando tentaram produzir o filme pela primeira vez, o nome era Johnny Depp. Agora, convenhamos, ele já está meio passado para o papel. Fica o mistério.
 
Em compensação, em sites especializados em cinema por aí, descobri que o filme será lançado em maio de 2008, distribuído pela Warner e que Vince Vaughn ("Inimigo em Casa", "A Cela") será o Corredor X.
 
Ah, sim... Parece que o tema "Go, Speed Racer, Go, Speed Racer, Goooo!" será regravado numa versão "loud techno" _urgh!
 
Já que este post está cheio de links, lá vai mais um: quem não conhece muito sobre Speed Racer pode visitar o site oficial, super bem feito, aqui. 

Escrito por Fábio Seixas às 14h14

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Atrás da Malásia

O alemão Nico Hulkenberg venceu hoje as duas etapas da A1 GP no circuito de rua de Durban, na África do Sul.
 
Bruno Junqueira, em seu primeiro fim de semana na categoria, foi sétimo colocado na "feature race", a corrida mais longa do dia.
 
Faltam três corridas para o fim da temporada _a próxima será no México, daqui a exatamente um mês_ e o desempenho da equipe brasileira, teoricamente comandada por Emerson Fittipaldi e Ronaldo (!!), é pífio: 16º lugar, atrás, por exemplo, dos times da Malásia, da China e da República Tcheca.
 
Mas, talvez, chegar na frente não seja exatamente a prioridade do grupo.

Escrito por Fábio Seixas às 13h38

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Fica difícil escolher a imagem mais bacana no livro dos 60 anos da Ferrari. Mas esta aqui, de 1951, está entre minhas favoritas: homenagem da equipe à sua primeira vitória na F-1, com o argentino José Froilan Gonzalez, em Silverstone.
 
 
Sobre esta prova, uma curiosidade banhada por um misto de cavalheirismo e amizade raro nos dias atuais.

Gonzalez só venceu a corrida por "bondade" de Alberto Ascari. Naquela época, as equipes podiam trocar os pilotos com o GP em curso.

Quando entrou para seu segundo pit stop, Gonzalez viu que o italiano, primeiro piloto do time, havia abandonado. O argentino não teve dúvida: saiu do carro e o ofereceu ao colega. Ascari não aceitou, mandou Gonzalez voltar à pista e se tornar um dos grandes heróis da Ferrari. Até hoje.
 
Em 2001, lá mesmo em Silverstone, a Ferrari comemorou as bodas de ouro do triunfo histórico. O carro estava lá, mas Gonzalez, não. O argentino passou mal do coração e não pôde ir. Hoje, aos 84 anos, vive na Argentina.

Escrito por Fábio Seixas às 13h05

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sobre as grosserias de Leão

Assisti ontem à noite, pelo Sportv, à entrevista coletiva de Emerson Leão após o empate em 1 a 1 com o Rio Branco.
 
Não contei. Mas ele deve ter respondido a, no máximo, uma dúzia de perguntas. Em oito, nove, foi grosseiro com os repórteres. Grosseiro. Mal educado. Impaciente. Agressivo.
 
Por reiteradas vezes, acusou parte da imprensa de complô, de perseguição.
 
De todos os repórteres que receberam respostas atravessadas do treinador, apenas um, Romeu César, repórter da Rádio Globo, reagiu. Em sinal de protesto, retirou-se da entrevista.
 
Sim, a atitude do técnico é revoltante. Dois dias antes, perguntou a Marília Ruiz, repórter da TV Record que o abordou em Cumbica, se ela gostaria de acompanhá-lo a um motel. Mas o que mais me abala é a atitude bovina de parte da imprensa _continuidade da nossa sociedade irritantemente pacata.
 
Em maior ou menos grau, Leão sempre foi assim. Grosseiro. Mal educado. Impaciente. Agressivo.
 
E os repórteres? Ao continuarem na sala, ao ficarem impávidos ouvindo ataques do treinador, estão fazendo seu trabalho, sim, como podem alegar se questionados sobre a decisão de continuarem ali. Mas estão também reverberando os ataques sem fundamento de alguém que parece usar os "complôs" e "perseguições" para encobrir os seguidos maus resultados da equipe que comanda. Estão dando espaço e prestígio para alguém que os maltrata em favor próprio, nitidamente para fugir do foco das perguntas.
 
Na F-1, certa vez, aconteceu coisa parecida.
 
Em 2003, em Indianápolis, Barrichello e Montoya bateram. O choque arruinou as chances matemáticas do colombiano na luta pelo título, então defendido por Schumacher, companheiro do brasileiro.
 
Momentos depois, atrás dos boxes da Ferrari, eram dois os repórteres brasileiros, João Pedro Paes Leme, da TV Globo, e eu, também ao vivo, pela Rádio Bandeirantes.
 
O João fez duas ou três perguntas a Barrichello. A última era algo na linha "você acertou o Montoya para ajudar sua equipe?". O piloto deu uma resposta rápida, atravessada, quase inaudível e já se virou para conversar com os repórteres italianos. Não tive a chance de perguntar nada ali.
 
Minutos depois, estava eu caminhando pelo paddock quando cruzei com Barrichello. Ao me ver, ele desceu do patinete motorizado, dedo em riste, falando barbaridades.
 
Como Leão, fez acusações de perseguição. Disse que nunca mais responderia às minhas perguntas nem aos pedidos de entrevista da Bandeirantes e da Folha.
 
Tentei argumentar, dizer que não estava entendendo. Contar que, afinal, não havia feito uma única pergunta a ele naquele fim de semana. Não adiantou. Esbravejando, Barrichello foi embora.
 
Tive então três apoios. O primeiro, dos ouvintes, testemunhas de tudo o que aconteceu. O segundo, vindo das empresas em que eu atuava. O terceiro, da própria assessoria de imprensa da Ferrari, que acompanhou de perto tanto a entrevista do piloto como a intervenção no paddock.
 
Mas tudo bem. O tempo passa, a Lusitana roda e, duas semanas depois, achava que eram águas passadas. "Ele estava de cabeça quente. Com calma, deve ter percebido que errou, que se confundiu", eu imaginava.
 
Chegamos então a Suzuka. Como de praxe às sextas-feiras, os repórteres brasileiros _e um ilustre português, Henrique Cardão, da Rádio Globo_ fomos aos boxes da Ferrari no horário marcado entrevistar o piloto.
 
Ao me ver, Barrichello levantou. "Com ele aqui, eu não falo."
 
Os colegas não titubearam. Viraram as costas. E fomos todos embora. Naquela sexta, Barrichello não concedeu entrevistas em português.
 
Ainda naquela tarde, na sala de imprensa, fomos procurados pela assessoria de imprensa da escuderia. O recado: podem voltar lá amanhã, no mesmo horário, que ele vai falar com todos.
 
Fui aos boxes da Ferrari no sábado. Obviamente não fui atendido com amabilidade nem carinho, mas não era isso o que eu buscava. Queria respostas às minhas perguntas. E as obtive.
 
Depois disso, meu relacionamento com Barrichello nunca foi um mar de rosas. Mas foi respeitoso, cordial.
 
Lembrei disso tudo, dei essa volta até o Japão, para sugerir que os colegas do futebol tentem fazer o mesmo.
 
Não posso garantir o mesmo efeito. Mas, sim, posso garantir que Leão ficaria desconcertado por alguns instantes. E que, por um segundo que fosse, repensaria suas atitudes e perceberia que não é tão grande assim.

Escrito por Fábio Seixas às 08h44

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.