Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

Beleza em último lugar

A pole position no Kansas ficou com Kanaan, vencedor no Japão há pouco mais de uma semana.

 

Hornish ficou em segundo no grid, a 0s0234 do piloto baiano. Seu companheiro de Penske, Castro Neves, larga em terceiro. Wheldon, lider do campeonato, sai em quarto, à frente de Dixon.

 

Quem vai ganhar? Não, não dá para arriscar. Mas o quarteto Wheldon-Kanaan-Dixon-Castro Neves começa pouco a pouco a se descolar do resto da tropa e a formar um pelotão de elite.

 

São 21 pilotos no grid, que pela primeira vez terá três mulheres: a venezuelana Milka Duno junta-se a partir de agora a Sarah Fisher e a Danica Patrick em busca da primeira vitória feminina na categoria.

 

Milka sai em último, não deve fazer muita coisa. Mas deve ter causado uma ponta de ciúmes em Danica, a queridinha da IRL. Afinal, é uma digníssima representante de uma das grandes marcas registradas da Venezuela.

Milka, na capa de uma revista americana dirigida para o público latino

Escrito por Fábio Seixas às 17h57

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um dia inesquecível

“Não vou esquecer disso enquanto viver.”

 

A frase é de Nick Heidfeld. E foi pinçada pela BMW para abrir o comunicado sobre o passeio do piloto alemão, hoje, pelo antigo traçado de Nurburgring.

 

Foi a primeira vez em 31 anos que um carro de F-1 acelerou pelo circuito, hoje com 20,8 km _2km a menos em relação a 1976, quando recebeu seu último GP.

 

“Passeio” é bem o termo.

 

Calçado com pneus de demonstração da Bridgestone e orientado pela equipe a maneirar no acelerador e a lembrar que existiam fãs e fotógrafos por ali, Heidfeld completou três voltas, a melhor delas em altos 8min34s, média de 154 km/h. A velocidade máxima que alcançou foi 275 km/h no retão Dottinger Hohe.

 

O recorde do circuito, com 2km a mais, é 7min06s4 (média de 192,8 km/h), cravado em 1975 por Clay Regazzoni, numa Ferrari.

 

“Imploramos a ele para ser cuidadoso”, disse Mario Theissen, diretor da BMW. “O dia foi de homenagem aos fãs e a esse lugar histórico para o automobilismo.”

 

E pelo visto, foi uma baita homenagem. Não vi as cenas ainda, mas se algo me impressionou foi o público que acompanhou a demonstração: 45 mil pessoas!

Escrito por Fábio Seixas às 17h39

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Youtube (cabeludo) do dia

Aconteceu em Barcelona, em 1997.
 
E o cabelo ficou intacto...
 

Escrito por Fábio Seixas às 18h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Schumacher, o mudo

Schumacher deve dar o ar da graça em Barcelona, daqui a duas semanas. Seria seu primeiro GP como "civil", sem macacão e capacete, desde a aposentadoria.
 
Em entrevista à "Gazzetta dello Sport", o alemão confirmou que deve aparecer por lá, mas fez questão de dizer que, uma vez no autódromo, não falará de F-1.
 
"A partir de agora, não vou mais falar de F-1. É uma maneira de respeitar o trabalho da equipe", afirmou, referindo-se, claro, à Ferrari.
 
Aparentemente, ele tomou essa decisão na última segunda-feira, quando, no lançamento de uma campanha da FIA para melhorar a segurança nas estradas, negou-se a fazer comentários sobre a categoria.
 
A pergunta que não quer calar: ué, ele vai falar do quê?

Escrito por Fábio Seixas às 18h20

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mesa de bar

Um instituto de pesquisas espanhol, o Ipsos, saiu às ruas das principais cidades daquele país fazendo a seguinte pergunta às pessoas: "Com que personalidade da Espanha você gostaria de beber uma cerveja?"
 
O primeiro-ministro Jose Luis Rodriguez Zapatero ficou na ponta, com 11,8% dos votos. Em seguida, veio Penelope Cruz, com 6%. Fernando Alonso ficou em terceiro, com 5,9%.
 
Um comentário e uma provocação.
 
O comentário, com um quê de indignação: como, diante da opção por Penelope, alguém prefere o Zapatero? Como?
 
A provocação: com quem, no Brasil, você gostaria de dividir uma mesa de bar? Vale tudo.

Escrito por Fábio Seixas às 16h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Deu no "NY Times"

Está aqui a reportagem do "NY Times" citada na coluna de hoje na Folha.

Nem tudo é lindo na Nascar...

Escrito por Fábio Seixas às 12h25

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sexta, coluna

Hoje tem coluna na Folha. O assunto, a crise que a Nascar enfrenta nos EUA, que deveria servir de alerta para a emergente Stock Car mudar de paradigma.

 

O link está aqui, exclusivo para assinantes da Folha ou do UOL.

Escrito por Fábio Seixas às 08h12

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Youtube (trash) do dia

Não, não tenho nenhum acordo comercial com tal medicamento para o fígado. E nem sequer lembro de ter experimentado o dito-cujo _minha memória enfraquece na ressaca.
 
Mas sempre que assisto a esse comercial na TV dou risada.
 
O rapaz que corre na praia e abraça uma coxinha não é o Massa?
 

Escrito por Fábio Seixas às 15h35

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O som da ficha caindo

"No Brasil, está ficando cada vez mais difícil viver uma vida normal quando saio de casa. Todo mundo me conhece. Normalmente, os fãs só pedem um autógrafo e isso é OK. Algumas vezes é legal quando as pessoas vêm até você, porque te dá motivação. Às vezes há alguns excessos, mas sei lidar com isso. Passo a passo estou ficando mais famoso, faz parte do trabalho."
 
Felipe Massa, em texto veiculado pelo site de imprensa da Ferrari.

Escrito por Fábio Seixas às 14h08

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Trocadilho...

Título do release enviado pelo Anderson Marsili, assessor de imprensa do Tony Kanaan: "Empolgado com a vitória no Japão, Tony não Kansa(s)!"
 
Pois é. A IRL corre neste fim de semana sua quarta etapa. No Kansas.
 
Ai.

Escrito por Fábio Seixas às 12h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Executivo de carreira da Fiat e ex-braço direito de Enzo Ferrari, Luca di Montezemolo deixou o grupo em meados dos 80 para chefiar o comitê organizador da Copa de 90. Voltou em 91, com pompa e circunstância: foi o escolhido por Gianni Agnelli para presidir a escuderia.

 

 

Hoje, entre outros cargos, é presidente da Fiat, da Confindustria (poderoso sindicato patronal da indústria italiana), da LUISS (universidade de ciências sociais) e vice-presidente do Bolonha.

 

Há uma história curiosa na Itália. Há quem diga que Montezemolo é filho de Agnelli. Afinal, seu nome do meio é Cordero, ou cordeiro. Cujo plural é “agnelli”. Agnello, em italiano, também significa cordeiro. Colaboram para aumentar o boato os mistérios sobre as origens do dirigente. Coincidências?

 

Enfim... Aos 59, ele é um dos homens mais importantes da Itália e freqüentemente é cotado para concorrer ao cargo de primeiro-ministro.

Escrito por Fábio Seixas às 08h06

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Cenas de Cingapura

Sei lá, vai ver sou meio antiquado. Mas ainda surpreendo-me, toda hora, com as oportunidades que a internet nos proporciona. Fico meio chocado quando a teoria da "aldeia global" materializa-se diante dos meus olhos e vira prática.
 
Como agora.
 
Outro dia escrevi sobre o traçado planejado em Cingapura para a F-1. Um circuito de rua, que deve mesmo receber a categoria mais ano menos ano.
 
Pois não é que um internauta do blog que mora lá, do outro lado do mundo, leu o post e se manifestou? Estevan Cornelius Solymossy aceitou o desafio de atuar como nosso "correspondente" por aquelas bandas.
 
Munido de máquina fotográfica, foi ao local do futuro circuito e teve o cuidado de registrar os pontos no mapinha do site grandprix.com
 
Ao Estevan, um obrigado gigantesco! E saiba que já está escalado para contar todas as novidades que ouvir por aí sobre a F-1.
 
O resultado está aqui. O número sob cada foto corresponde ao número no mapa.
 
Curta, conheça um pedaço de Cingapura e imagine como será assistir a Ferraris, Renaults e McLarens acelerando por essas ruas e avenidas.
 
 
 
01
 
02
 
03
 
04
 
05
 
06
 
07
 
08
 
09
 
10
 
11
 
12. Que não está no mapa, mas que veio no e-mail acompanhado de uma bela justificativa do Estevan: "Essa foto é de uma das avenidas mais movimentadas daqui. É onde toda as pessoas com dinheiro (e sem, também) se encontram para fazer compras, o esporte nacional de Cingapura!" Afinal, ninguém é de ferro...

Escrito por Fábio Seixas às 19h25

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Youtube do dia

Vários internautas deram a dica, então lá vai... Alonso dirige um Megane na antiga Nurburgring. Repare nos malucos de moto e no carrinho vermelho que ele ultrapassa _com certeza o motorista e os motoqueiros não imaginavam que, ao volante do Renault, estava um campeão da F-1.

Escrito por Fábio Seixas às 14h12

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Passeio na floresta

Outro dia escrevi aqui sobre o duelo entre o carro da Spyker e um F-16. Foi interessante.

 

Mas interessante, histórico, empolgante mesmo para quem gosta desse negócio, é o que a BMW vai fazer no sábado.

Pela primeira vez em 31 anos, um carro de F-1 vai percorrer os 22 km da antiga Nurburgring. Ao volante, claro, o piloto alemão da equipe alemã, Nick Heidfeld. Que não havia nascido quando a categoria dispensou a loucura daquele traçado em meio às árvores e às montanhas de Eifel, horrorizada com o acidente que quase matou Lauda.

 

Heidfeld só ficou meio chateado quando soube que terá de usar pneus de demonstração da Bridgestone, que deixam o carro mais lento. “A equipe está meio preocupada e não quer que eu vá muito rápido.”

 

O pôster do último GP de F-1 disputado em Nurburgring, há 31 anos

 

Ah, sim: o circuito ainda existe e é possível dar umas voltinhas, pagando uma entrada que não é cara. Antes de mergulhar nas curvas de Nurburgring, todo visitante precisa assinar um termo assumindo os riscos de eventuais acidentes.

 

Tentei fazer o passeio algumas vezes, quebrei a cara em todas: como a estrutura da F-1 usa partes do circuito, ele fica fechado em época de GP. Sorte do falecido Clay Ragazzoni, que ainda detém o recorde da melhor volta por lá, 7min06s4 (média de 192,8 km/h), cravado em 1975 com a Ferrari.

 

Algum maluco aqui já conseguiu acelerar por lá?

Escrito por Fábio Seixas às 08h02

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Missa dominical

Nota publicada na coluna Painel FC, da Folha, hoje:

 

O primeiro GP após a vitória de Felipe Massa no Bahrein deverá ficar em segundo plano na Globo. A prova em Barcelona, dia 13, acontece durante a visita ao Brasil do Papa Bento 16. Boa parte da corrida deverá ser exibida numa janela no canto da tela.”

Escrito por Fábio Seixas às 16h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um papo legal

Foi bem bacana o bate-papo com o Ricardo Maurício no “Pit Stop” desta terça. O vencedor da abertura da Stock Car falou de sua carreira (ele chegou a disputar até campeonato de gaiolas de 850 cavalos em ovais de terra nos EUA), da tentativa frustrada de chegar à F-1 e decretou: agora é um piloto de turismo.

 

No cardápio, além da Stock, claro, MotoGP, IRL e F-1.

 

O link para assistir ao programa está aqui, apenas para assinantes UOL.

Escrito por Fábio Seixas às 16h44

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ex-ferraristas na cadeia

A “Gazzetta dello Sport” informa que dois ex-funcionários da Ferrari foram condenados à prisão em um julgamento sobre furto de segredos industriais que acabaram nas mãos da Toyota.

 

Um deles vai encarar nove meses de cadeia. O outro, um ano e quatro meses. O jornal, que pertence ao grupo Fiat, como a Ferrari, não deu mais detalhes.

 

Pitaco meu: devem ter sido “segredos” bem vagabundos. Ou, em algum momento nos últimos anos, a Toyota te surpreendeu positivamente?

Escrito por Fábio Seixas às 08h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ricardo Maurício no "Pit Stop"

Hoje, às 14h30, tem “Pit Stop” especial, com a participação, na bancada, de Ricardo Maurício.

 

O link para assistir ao vivo é este aqui.

 

Perguntas ao vencedor da primeira etapa da Stock Car para o e-mail uolnewsformula1@uol.com.br

Escrito por Fábio Seixas às 08h53

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Em 1990, um espasmo de bons resultados para a Ferrari. Com Prost, a escuderia venceu cinco corridas na temporada e fechou o ano com o segundo lugar do francês no Mundial de Pilotos, além do vice-campeonato nos Construtores.

 

Mais: na despedida da categoria de Paul Ricard, Prost conquistou a 100a vitória da Ferrari na F-1. É esse o motivo da ilustração abaixo.

 

 

No ano seguinte, a categoria passaria a correr no curral eleitoral de Mitterrand, a insossa Magny-Cours. Que ficou menos insossa depois que passamos, os brasileiros, a organizar nossos animados churrascos na já famosa Casa de Pedra de Gimouille. Até pilotos, assessores e engenheiros da F-1 já pintaram por lá para bebericar um vinho e saborear nossos bifes de carne moída _alguém sabe onde comprar picanha e cupim por aquelas bandas? 

 

Neste ano, Raikkonen e Massa têm a chance de entrar para a história ferrarista. Hoje, a equipe soma 194 triunfos. Quem conseguirá o 200o?

Escrito por Fábio Seixas às 08h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Youtube do dia

Na última sexta, a Spyker promoveu o enésimo desafio entre um carro de F-1 e um avião a jato. Tudo bem, vale a pena. Esse tipo de evento é sempre bacana.
 
O racha aconteceu na base militar de Vokel, na Holanda. No volante do F8-VII, Christijan Albers. No manche do F-16, o capitão Ralph Aarts.
 
O F-1 liderou os 300 metros iniciais, mas foi superado pelo avião, que cruzou na frente o jato de água que indicava a linha de chegada no retão de 1 km. As imagens serão usadas num comercial.
 
 
Posso estar enganado, mas o repórter me parece ser o Bjorn Wirdheim, a "anta sueca" desse post aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 19h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bancada cheia

Ricardo Maurício, vencedor da primeira etapa da Stock Car, é o convidado do "Pit Stop" de amanhã.
 
O bate-papo com o piloto, que estará nos estúdios do UOL News, começa às 14h30. Na pauta, além da Stock, claro, a etapa japonesa da IRL e as últimas notícias da F-1.

Quer mandar sua pergunta para o Ricardo Maurício? O e-mail é uolnewsformula1@uol.com.br

Escrito por Fábio Seixas às 17h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Quanto vale Massa

A "Autosprint" que chegará às bancas da Itália amanhã trará uma reportagem de seis páginas sobre Felipe Massa.
 
"Quanto vale Massa", é o título da matéria assinada por Cesare Maria Mannucci. Que começa falando da semana do ferrarista: da participação no "Bem, Amigos", na última segunda-feira, à visita a Interlagos, na sexta.
 
"No intervalo de uma semana, a Ferrari, o Brasil e todos os torcedores ferraristas experimentaram sentimentos opostos. Da desilusão da Malásia, com a suspeita de que o sangue quente de Massa não tinha solução, ao entusiasmo do Bahrein reforçado da certeza de que, em treinos classificatórios, ele é superior a Raikkonen", diz o texto.
 
A revista ainda entrevistou Piquet e Emerson.
 
"Antes do início do campeonato eu não tinha uma idéia clara do que aconteceria na Ferrari porque não sabia, em questão de velocidade, qual seria a diferença entre Massa e Raikkonen. Agora, depois de três GPs, não tenho dúvidas. Felipe é o favorito por uma razão muito lógica, apesar de ter menos pontos no Mundial: simplesmente ele é mais rápido que Raikkonen em treinos oficiais e atualmente, na F-1, as corridas são vencidas na primeira curva", declarou Piquet.
 
Para Emerson, Massa mostrou seu valor não agora, mas no GP Brasil do ano passado. "Foi um exemplo de maturidade. Para os pilotos brasileiros, a corrida de Interlagos é uma corrida de muito peso. Além disso, era a última prova do Schumacher, com chances de conquistar o título. Mesmo com tudo isso, Massa fez um corrida perfeita (...) Ele tem uma estrutura mental forte acompanhada de muito talento e de um boa sensibilidade técnica."
 
Uma reportagem assim, de uma revista como a "Autosprint", é de um valor incomensurável para o prestígio de Massa na Itália. O brasileiro estava certo: tirar o peso dos ombros antes dessas semanas de folga até o GP da Espanha era importantíssimo. Está sendo.
 
Atrás de Raikkonen no campeonato, Massa conseguiu, por ora, zerar as dúvidas sobre sua capacidade. Ambos começarão a temporada européia empatados na disputa interna.

E você? Concorda com os donos de 5 dos 8 títulos mundiais do Brasil?

Escrito por Fábio Seixas às 13h17

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Schumacher, em treinamento

Envergando uniforme da Ferrari, Schumacher participou ontem de um evento promocional da Shell em Poznan, na Polônia.

 

Ao lado de Marc Gené, piloto de testes da escuderia, levou alguns sortudos para umas voltinhas no circuito local _fico aqui imaginando o cachê que ele cobrou.

 

E falou, falou, falou.

 

Falou que é um homem contente e que, por mais que tenha aproveitado seus anos de F-1, está vivendo tempos mais felizes agora.

 

“Não estou sentindo falta de correr. Passo mais tempo em casa agora. E posso organizar minha agenda de forma que eu posso aproveitar os feriados com as crianças, em casa ou viajando para algum lugar.”

 

Falou que é “engraçado e interessante” assistir aos GPs pela TV.

 

“É engraçado, mas é normal... É interessante ver por outro lado. Não estou assistindo para aprender algo, não é meu objetivo. Assisto para me divertir com a família e os amigos. Curto as corridas como vocês fazem.”

 

E falou que está trabalhando “muito próximo” da Ferrari. “Estou envolvido em tudo o que está acontecendo.”

 

Intrigante. Quando será que a Ferrari, enfim, vai anunciar um cargo para o alemão?

 

Meu palpite: só quando ele se sentir completamente preparado.

 

Está claro que, por ora, Schumacher não quer assumir nenhuma grande responsabilidade. Ele é assim, é um perfeccionista. Por mais que tenha sido um gênio em termos de pilotagem, não vai assumir um cargo diretivo enquanto não desvendar todos os meandros da função. E não vai aparecer num circuito para fazer figuração ou atuar como relações públicas.

 

Por enquanto, será uma espécie de “trainee” de chefe. Não há pressa. Quando ele quiser, avisará Todt, que limpará suas gavetas, se mudará para um escritório mais espaçoso e cederá seu gabinete ao pupilo.

Escrito por Fábio Seixas às 09h12

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Em termos de resultados na F-1, a Ferrari fechou os anos 80 na draga. Mas na área técnica emplacou, em 1989, uma conquista importante.

 

Do livreto sobre os 60 anos da escuderia: “GP Brasil de 89, estréias vitoriosas do modelo F1-89, com Nigel Mansell, e do inovador sistema de câmbio eletro-hidráulico com comandos no volante, que logo seria adotado por todas as outras equipes”.

 

 

 

O brasileiro Roberto Pupo Moreno teve importante papel no desenvolvimento do sistema, atuando como piloto de testes da Ferrari.

 

Foi uma revolução, o fim daquela história de tirar uma mão do volante para trocar a marcha. Começava a era dos botões coloridos.

 

Mais um pouco de romantismo que se foi. E que deixou saudades em muita gente. Fazer o quê? É o progresso...

Escrito por Fábio Seixas às 08h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bernie, o "estúpido"

Bem humorado, Bernie Ecclestone revelou a um jornal turco que seu “board” de conselheiros analisou com cuidado as 80 páginas do contrato e o chamou de “estúpido” pela idéia de compra do circuito de Istambul por 130 milhões de euros, cerca de R$ 360 milhões.

 

Mesmo assim, o mega-magnata seguiu adiante.

 

Os próximos capítulos?

 

Cedo ou tarde, de um jeito ou de outro, Bernie vai faturar horrores com o autódromo.

 

E os conselheiros, se não tiverem sido demitidos, vão aprender que não é muito inteligente contrariar o faro para negócios do patrão.

Escrito por Fábio Seixas às 18h35

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pódio diferente na Stock

Um pódio diferente na abertura da Stock. Saíram de cena Cacás, Losaccos e Orsis. Ganharam passagem Ricardo Maurício, o vencedor, Felipe Maluhy e Daniel Serra.

 

Uma nova geração já conquistando espaço? Um resultado ocasional, bizarro até, fruto de tantas mudanças (principalmente nos pneus) de um ano para o outro?

 

Uma combinação das duas coisas, é meu palpite.

 

Os três que subiram ao pódio estão entre os melhores de uma safra boa que vem pintando. Mas é claro que não dá para excluir a turma que no ano passado disputou o título. Cacá, por exemplo, saiu em 19o e terminou em sétimo.

 

E falando em Cacá, a transmissão da TV foi de lascar. Ok, ele é o atual campeão, merece um certo destaque. Mas exageraram na dose. Houve brigas boas lá na frente que não apareceram na telinha. 

 

Não sei se foi por mostrar Cacá ou o acidente entre Marcos Gomes e Thiago Marques, mas o fato é que a Globo perdeu a ultrapassagem da corrida, a manobra de Maurício sobre Serra na 12a volta.

 

“Eu errei a marcha na entrada do Laranjinha e ele me passou”, explicou  o novato. Erro idêntico proporcionou a ascensão do Maluhy ao segundo lugar.

 

E foi isso. A organização aqui em Interlagos me pareceu bacana, embora a chiadeira contra o regulamento que seleciona apenas 38 pilotos esteja correndo solta.

 

Concordo inteiramente com a necessidade de uma maior seleção dos pilotos. Há gente por aqui que não tem condições de correr nem na Stock nem em categoria nenhuma. Mas acho que poderiam ter adotado critérios menos confusos.

 

Corrida se resolve no cronômetro. Que larguem 38, 20, 49, dois ou meia dúzia, mas que o critério seja o cronômetro. Os mais rápidos correm, os mais lentos esperam a vez, simples assim. E justo.

 

Para que complicar? O atual sistema privilegia os pilotos que estão no esquema há algum tempo. “Esquema”, essa palavra que é origem de tanta porcaria neste país.

 

Por fim, parabéns ao Ricardo Maurício. Um piloto talentosíssimo, que ralou muito pela Europa, onde nos cruzávamos de vez em quando. Tentou a F-1, bateu na trave. Sem dinheiro, ou sem alguém por perto que tenha dinheiro, é complicado.

 

Na Stock, com um carro redondinho como sempre são os carros de Andreas Mattheis, ele mostrou do que é capaz. É candidato ao título.

Escrito por Fábio Seixas às 11h54

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Domingo na pista

Acabei de chegar a Interlagos. Um domingo bonito em São Paulo, trânsito razoável, mas não impraticável, autódromo todo maquiado com banners da Stock e sua patrocinadora. Em termos de promoção, a categoria está virando gente grande.

 

Para os “corporativos”, claro. O público que compra ingresso, confesso, não sei onde fica. Disseram que é numa arquibancada lá na Junção.

 

Pode ser, daqui da sala de imprensa não dá pra ver. Só dá pra ver, daqui, as arquibancadas dos patrocinadores (como tem laboratório de genérico nesse negócio!) e as turmas com camisetas iguais, a maioria em cores gritantes, passeando pelo pit lane e tirando fotos com os celulares.

 

No momento, uma emocionante corrida de bicicletas. E falando em duas rodas, não, não vi a corrida da MotoGP, não vou comentar, portanto. Soube que Rossi errou na primeira volta, que terminou em décimo e que a vitória ficou com Stoner.

 

Vou dar um giro por aí. Daqui a pouco eu volto.

Escrito por Fábio Seixas às 09h04

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.