Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

Os pilotos mais, urgh, bonitos da F-1

Esse é para as meninas.

 

Num incrível e decepcionante surto de mau gosto, o “Red Bulletin” de hoje trouxe uma matéria listando os pilotos mais bonitos da história da F-1 _o link está aqui.

 

“Fuçamos nossos arquivos para criar um ranking dos dez pilotos mais bonitos de todos os tempos, excluindo os atuais”, diz o jornalzinho da equipe.

 

Adivinhem quem ganhou? O Cabeça de Vaca! Sensacional! O personagem da minha última coluna.

 

Além de ter sido uma figuraça e o primeiro piloto espanhol a subir a um pódio na F-1, Alfonso Antonio Vicente Eduardo Ángel Blas Francisco de Borja Cabeza de Vaca y Leighton também era boa pinta. Ainda bem que escrevi o texto antes da publicação lista, senão os maldosos já iam fazer alguma relação entre a suposta beleza do espanhol e minha escolha para a coluna. Urgh.

 

 

“Olhos: castanhos. Cabelos: pretos. Sorriso: desafiador. O algo a mais: esportista valente, amante de aventuras, aristocrata extravagante. O que houve: na época de sua morte, na Mille Miglia de 1957, um acidente que também matou seu co-piloto, 10 espectadores e o próprio evento, ele namorava Linda Christian, atriz de Hollywood, que na parada em Bolonha saiu correndo do meio da multidão para lhe dar um último beijo _o ‘beijo da morte’ original”, diz o texto.

 

Em segundo lugar, ficou François Cévert, seguido por Nelson Piquet, Danny Sullivan, Alessandro Nanini, Jean Alesi, James Hunt, Ayrton Senna, Riccardo Patrese e Gilles Villeneuve. Urgh.

 

Houve ainda alguma menções honrosas, como Christian Fittipaldi, Satoru Nakajima, Paul Belmondo e Gerhard Berger.

 

Pelo menos aproveitaram para dar uma zoada. “Esses, não pudemos ajudar”, escreveu o jornal, sobre fotos de Robert Kubica e Jacques Laffite.

 

Ah, sim... Até o GP do Canadá, o “Red Bulletin” aceita votos para a eleição do piloto mais bonito da atualidade. As sugestões devem ser enviadas para secret.service@theredbulletin.com

 

Urgh.

Escrito por Fábio Seixas às 15h27

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Fala, Massa

No bate-papo com os jornalistas após o treino oficial, Massa manteve-se comedido, como no Bahrein. Mais um exemplo de que aprendeu, mesmo, com o que houve na Malásia, fruto de excesso de empolgação. 

 

O resultado mostra o crescimento que eu tive nos últimos anos, especialmente no ano passado... Fazer cinco de seis poles [desde Japão-2006, ele só não foi pole na Austrália, neste ano] é um resultado fantástico, mas tenho que pensar no presente, que é fazer uma boa largada. Toda largada depende do carro, mas vou tentar ao máximo sair na frente. Ontem testamos bastante long runs e o carro mostrou boa competitividade.”

                                                                                                  Tatiana Cunha/Folha Imagem

Massa, Raikkonen e Alonso concedem entrevistas após o treino em Barcelona

Escrito por Fábio Seixas às 12h41

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Senna vence

Bruno Senna venceu pela primeira vez na GP2.

 

Saindo em sexto no grid, “o sobrinho” aproveitou-se de confusões e mais confusões à sua frente e cruzou a linha de chegada com 5s3 de vantagem sobre Timo Glock, que tinha o carro muito mais equilibrado e veloz (era 1s3 mais rápido por volta no fim da corrida), mas que penou com uma estratégia mal planejada por sua equipe, a iSport.

 

Outro brasileiro completou o pódio, Lucas di Grassi, da ART.

 

Foi a terceira corrida de Bruno na GP2. Para não usar a palavra “fenômeno”, já que hoje não estou a fim de criar (mais) polêmica, digamos que sua trajetória é um “espanto”. Três anos atrás, quando caras como Di Grassi, Glock e Antonio Pizzonia já eram pilotos formados, ele não passava de um curioso, de alguém que carregava um sobrenome famoso e cuja experiência no volante resumia-se a animadas provas de kart, quando criança, na pista do tio em Tatuí.

 

Hoje, é um dos primeiros na fila para chegar à F-1. E vai chegar. E vai chegar porque é bom piloto, porque é bom de braço, porque é bom de cabeça, porque é bem assessorado.

 

Ah, sim... Acabei de receber um e-mail de um repórter italiano, que neste momento está lá na sala de imprensa de Barcelona. Manterei a identidade do meu amigo em sigilo. A frase dele: “Depois que o Senna ganhou, dei de cara com o Piquet Jr. Parecia que tinha engolido um sapo!”

Escrito por Fábio Seixas às 12h29

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Massa-2007: 4 GPs, 3 poles

Tudo parecia apontar para uma festa espanhola em Barcelona neste sábado. Ao volante da McLaren, Alonso tinha a pole position nas mãos até o derradeiro minuto do treino classificatório.

 

Tinha. Até Massa fechar sua última volta.

 

Sem cometer erros, fazendo um traçado limpo, redondinho, o brasileiro cravou 1min21s421, superou o bicampeão em 0s030 conquistou a pole para a corrida de amanhã. Mais importante: num circuito chato para ultrapassagens como é o espanhol, tornou-se o franco favorito à vitória.

 

A Alonso, restou o segundo lugar. Na segunda fila, outra Ferrari e outra McLaren, Raikkonen e Hamilton, nessa ordem.

 

É a sexta pole da carreira do brasileiro, a terceira consecutiva, a terceira em quatro GPs no ano. Números que começam a ganhar corpo, a surgir com destaque nas estatísticas. Com a conquista, Massa iguala o número de poles, veja só, de campeões como Alan Jones, Phil Hill e Emerson Fittipaldi.

 

Ao treino. O mesmos de sempre começaram na frente. Hamilton, que havia sido o mais veloz no treino livre da manhã, foi o melhor também no primeiro bloco da sessão oficial: 1min21s120. Massa foi o segundo colocado, 1min21s375. Depois, Alonso, Heidfeld, Kovalainen e Raikkonen.

 

Rodaram nessa primeira degola Speed, Albers, Sutil, Webber, Wurz e Ralf. Um Toro Rosso, dois Spyker, um Red Bull, um Williams e um Toyota. Curioso isso. Porque diz muito. Porque Speed é muito pior que Liuzzi, Webber é piorzinho que Coulthard, Wurz talvez esteja ficando pior que Nico e Ralf está muito atrás de Trulli. E ainda tem gente que insiste em dizer que braço não faz diferença.

 

Segundo bloco da classificação. Se ainda havia, Massa fez questão de pulverizar qualquer dúvida sobre a força da Ferrari. Cravou o melhor tempo, 1min20s597, novo recorde da pista. Depois, apareceram Hamilton, Raikkonen, Alonso, Heidfeld e Kubica. Coulthard, Trulli, Kovalainen e Fisichella, coadjuvantes, completaram o grupo final. Ficou feio pro Ralf, não?

 

Os condenados na degola, Liuzzi, Davidson, Button, Sato, Barrichello e Rosberg.

 

O terceiro bloco começou como sempre, aquela enrolação de voltas e mais voltas só queimando gasolina. Raikkonen e Hamilton brigaram um pouco para ver quem liderava o pelotão, e o inglês levou a melhor. De resto, nada.

 

O agito para valer só começou quando faltavam sete minutos para a bandeirada e todo mundo parou para colocar pneus novos.  Nessa altura do treino, Alonso era o mais rápido, seguido por Heidfeld, Kubica e Massa.

 

Foi quando Raikkonen resolveu surgir. Com 1min22s084, cravou todo mundo. Mas durou poucos segundos: Alonso virou 1min21s661 e tomou a ponta. Faltando três minutos, os monitores mostravam a seqüência Alonso-Raikkonen-Massa-Hamilton.

 

Massa, então, seguiu o colega e resolveu dar o bote. Escolheu, parece, momento mais apropriado para isso. E, seguro, confirmou que pode se tornar o “poleman” da temporada.

 

O que vai acontecer na corrida? Se ele se garantir na largada, vence. Simples assim. A prova de Barcelona é das mais previsíveis do calendário. Chata. Mas ainda melhor que uma missa papal.

Escrito por Fábio Seixas às 09h10

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Massa, o papa e a TV

Escrito por Fábio Seixas às 00h21

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Selvageria

Se fosse no Brasil, contaríamos aqui e meteríamos o pau.
 
Então, isonomia de tratamento...
 
O carro alugado pela Folha em Barcelona foi atacado em pleno estacionamento do autódromo da Catalunha. Quebraram o vidro do Zafira com um bloco de concreto que ainda danificou o painel e o freio de mão. Tudo indica que, em tempos de Alonsomania, estavam atrás da credencial do veículo: foi a única coisa que sumiu. Rádio, GPS... Tudo ficou no lugar.
 
 Ah, claro: ninguém viu nada, ninguém ouviu nada.

Escrito por Fábio Seixas às 20h31

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Era uma vez na América

Amanhã é "pole day" em Indianápolis. São três os brasileiros na disputa, sendo que dois deles já sentiram o gostinho de liderar o pelotão de 33 carros: Kanaan, em 2005, e Castro Neves, em 2003.
 
Hoje, véspera da decisão, Scott Dixon foi o mais veloz, seguido pro Dan Wheldon. Kanaan foi o terceiro. Castro Neves, o nono. Vitor Meira foi só o 15º.
 
Nossa heroína, Milka Duno, teve um dia ruim: um estampão, foi levada para o centro médico, mas já está liberada. As imagens abaixo são do site da IRL...
 

Escrito por Fábio Seixas às 18h43

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O mundo gira, a Lusitana roda...

O site da emissora que transmite a F-1 quando não há papa por aqui colocou no ar, hoje, um game.
 
O nome, "Ajude o Massa a ser campeão".
 
Barrichello, aquele que anos atrás era elevado à condição de favorito pela mesma emissora e que frequentava até o programa da Ana Maria Braga, onde chorava com os elogios da apresentadora e seu Louro José, aparece no tal game dirigindo uma tartaruga.

Escrito por Fábio Seixas às 17h52

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Escândalo?

Causou rebuliço na Espanha a condição imposta para a confimação da corrida nas ruas de Valência.
 
Se o PP vencer as eleições locais, o GP acontece. Se perder, nada de F-1. Palavra de Ecclestone.

Para muita, muita gente, é uma pressão política absurda, uma tentativa do tal partido de barganhar votos. 
 
Tanto que o  principal jornal espanhol, o "El País", colocou no seu site uma pesquisa sobre o tema, veja aqui. À pergunta "o que você pensa da decisão de Ecclestone de condicionar a realização da corrida à vitória do PP", seguiam-se quatro opções "muito boa", "boa", "ruim", "um escândalo".
 
Vitória da última alternativa, de lavada: 76%. "Muito boa" recebeu 15%. Para 7% dos leitores, a decisão é "ruim". Clicaram no "boa" 2% dos internautas.
 
E você, o que acha?

Escrito por Fábio Seixas às 16h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Projeto Cingapura

Para não dizer que não falei das flores, Cingapura, enfim, foi confirmada oficialmente no calendário do ano que vem.
 
A corrida acontecerá em outubro, provavelmente na mesma viagem do bloco China-Japão e antes do desembarque no Brasil.
 
O contrato foi assinado por cinco anos, com uma cláusula de renovação por outros cinco.
 
O governo cingapuriano (é assim mesmo, fui pesquisar), responsável por 60% das despesas, estima que o evento custe US$ 98,8 milhões, mesma estimativa da entrada de recursos no país com a corrida. Empate, portanto.
 
O melhor de tudo, deve ser uma corrida noturna, a primeira da história da F-1. "Se conseguirmos preencher os pré-requisitos de segurança, será fantástico", disse um certo S.Iwaran, ministro de Negócios e Indústria do país.
 
A pista terá 5,2 km e passará por lugares belíssimos, já mostrados aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 14h51

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Cidadela

Para completar sua coleção, os motorhomes que faltaram ontem.
 
Pelo visto, fecharam a torneirinha neste ano. Com exceção da Ferrari, todas as equipes apareceram com os mesmos motorhomes da última temporada.
 
 
 
 
 
 
 
Os cliques são da Tatiana Cunha, enviada da Folha a Barcelona.

Escrito por Fábio Seixas às 14h11

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Agulha no palheiro

Pelos resultados de hoje, sim, parece que encontraram.

Escrito por Fábio Seixas às 13h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O espanhol dá o troco

Lembro bem que, no ano passado, a F-1 frustrou os torcedores que encheram as arquibancadas de Barcelona na sexta-feira. Pouquíssima gente andou, fruto de um regulamento errado, que punia quem tivesse um motor estourado logo no primeiro dia de ensaios.

 

Isso não existe mais. Agora, a regra do motor inquebrável só vale para sábado e cada sessão de sexta dura 90 minutos. E, se ainda havia alguma dúvida sobre a validade da mudança, foi pro espaço com este segundo treino livre. Todo mundo andou muito. Muito. O público agradece.

 

Davidson foi quem mais andou, 49 voltas, pouco mais de 228 quilômetros. Em uma hora e meia, me parece bastante. Kubica deu 43 voltas. Trulli, 42. Sato, Heidfeld e Barrichello, 40. E por aí vai.

 

O mais rápido, motivo de satisfação pessoal, imagino, Alonso: 1min21s397. Fisichella ficou em segundo, a 0s297. Kovalainen, que rodou na última volta, quando tentava bater o companheiro, ficou com o terceiro tempo.

 

Os pilotos da Ferrari, observados de perto por Schumacher _nesta segunda sessão, já de uniforme_, claramente treinaram pensando na corrida. Massa foi o quarto e Raikkonen ficou em sexto. Entre os dois, Hamilton.

 

Daqui a pouco começo a postar aqui algumas fotos quentinhas lá de Barcelona. Até.

Escrito por Fábio Seixas às 09h41

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Alonso a 300 km/h

O UOL colocou no ar uma tradução de uma bela matéria do “El País”: o relato de um repórter que deu uma volta em Goodwood como carona de Alonso. O carro, uma Mercedes-Benz SLR McLaren.

 

Um pequeno trecho:

 

Os pneus cantam, nota-se que o carro está forçado, anda acima de suas possibilidades de aderência, e para muitos outros pilotos a situação poderia ser de emergência e acabar num acidente.

Alonso não se abala.

O controla com suas mãos prodigiosas, com ligeiros movimentos do volante e com os pedais.

 

Vale a pena ler. A íntegra está aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 09h20

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Hamilton, 1º na casa de Alonso

Na casa de Alonso, Hamilton caprichou na dose de sua já conhecida petulância juvenil. A exemplo do que fez nas últimas largadas, não quis saber onde estava e mandou ver no acelerador. Fechou na ponta a primeira sessão de treinos livres.

 

Seu tempo, 1min21s880. O recorde do novo traçado, cravado na semana passada por Coulthard, é 1min21s066. Bom piloto _estou me referindo ao inglês, pelamordedeus não confundam.

 

Embora ontem, na entrevista coletiva, Alonso tenha lançado mão do discurso de “somos-amigos-companheiros-e-só-queremos-ajudar-a-equipe”, o fato é que ele parece não ter engolido bem o resultado: no finalzinho do treino, fez de tudo para superar o inglês, mas fritou feio os pneus na última volta e perdeu a chance de terminar na frente. Ficou em segundo, a 0s388.

 

Raikkonen ficou em terceiro, seguido por Kubica e por Massa. E a Super Aguri mais uma vez fez seu marketing, colocando Davidson em sexto.

 

Barrichello foi o 18o, oito posições atrás de Button.

 

Mas o mais importante, o que pode ficar na história, aconteceu às 10h56 locais, 5h56 de Brasília.

 

Foi quando Schumacher surgiu nos boxes da Ferrari. “Civil” (camisa branca, sem a marca da escuderia), o heptacampeão cumprimentou a turma, colocou um fone de ouvido e sumiu. Só saberemos mais tarde, mas talvez tenha começado, ali, uma nova fase da carreira do alemão.

 

Já disse isso outras vezes, mas repito: Schumacher não sabe brincar, se entra em algo é para deixar sua marca.

 

Às 9h tem mais carro na pista, até lá.

Escrito por Fábio Seixas às 05h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sexta, coluna

Já está no ar a coluna desta semana. Que, em tempos de Alonsomania, conta a história do primeiro (anti-)herói espanhol na F-1, o esquecido Alfonso Antonio Vicente Eduardo Ángel Blas Francisco de Borja Cabeza de Vaca y Leighton.

 

Amanhã, sua morte completa 50 anos.

 

O texto está aqui, exclusivo para assinantes da Folha e do UOL.

Escrito por Fábio Seixas às 05h25

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O mascote

Ex-dirigente (fracassado) da Ferrari e da Jaguar, ex-dono (quebrado) de uma companhia aérea, o ex-piloto (sensacional) Lauda classificou de "besteira" o rumor de que a presença de Schumacher em Barcelona indica que o alemão já atua como "consultor" em Maranello.
 
"Tenho certeza de que ele acompanhará tudo de perto. Mas essas histórias de que ele já é consultor ou assistente são besteiras. Não sei quais são os acertos lá dentro, mas por enquanto ele está apenas saciando a curiosidade, já que é um apaixonado pelo automobilismo. Hoje, ele está mais para um mascote da Ferrari do que para quaquer outra coisa."
 
Dor de cotovelo do austríaco? É, também acho...

Escrito por Fábio Seixas às 19h35

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Programe-se

Antes tarde do que nunca, segue a programação do GP da Espanha, no horário de Brasília, para você programar o despertador:
 
Sexta-feira
5h-6h30, 1º treino livre
9h-10h30, 2º treino livre
 
Sábado
6h-7h, 3º treino livre
9h, treino oficial
 
Domingo
9h, largada

Escrito por Fábio Seixas às 19h06

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Falha humana"

Em Barcelona, apenas dois jornalistas brasileiros, Tatiana Cunha, da Folha, e Luis Fernando Ramos, da "Racing", compareceram hoje ao caminhão da Honda para a entrevista de Barrichello à imprensa do país.
 
O que ela nos conta de lá:
 
Depois de afirmar que a Honda teria um carro "praticamente novo" para o GP do Canadá, dia 10 de junho, Barrichello agora adiou o projeto para a corrida da França, em 1º de julho. "Temos que fazer alguns trabalhos mais demorados no carro e não vai dar tempo. Claro que teremos muitas mudanças no Canadá, mas 'carro novo' só na França", disse.
 
Segundo ele, a causa de tantos problemas em seu Honda foi a má interpretação dos resultados do túnel de vento. "No começo do ano a gente estava confuso com as informações dos dois túneis, o grande e o pequeno, mas agora estamos fazendo uma leitura melhor", afirmou. "Foi falha humana, não do túnel."

Escrito por Fábio Seixas às 18h40

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Por coincidência, a Espanha é tema da seção 60 anni de hoje.
 
Foi lá, em 1996, que Schumacher conquistou a primeira vitória com a Ferrari. Era sua sétima corrida pela escuderia, e o triunfo teve tons épicos, como relatado por José Henrique Mariante, então enviado especial a Barcelona, hoje meu chefe:
 
Michael Schumacher obteve ontem uma vitória avassaladora no GP da Espanha, a sétima etapa do Mundial de 1996 da F-1.
Sob um verdadeiro temporal, dizimou os adversários para alcançar a 20ª vitória de sua carreira, a primeira pela Ferrari.
Seu desempenho ofuscou a conquista ferrarista. A escuderia não vencia desde o GP do Canadá do ano passado, há quase um ano.
Em condições normais, o carro vermelho não levaria o piloto à vitória. Em condições adversas, foi Schumacher que venceu. Só ele.
Na largada, perdeu diversas posições: o crônico problema de embreagem, que o persegue desde o GP de San Marino.
A partir da metade da corrida, percebeu um barulho diferente no V10 _desconfiava, após a prova, que o motor trabalhava com apenas oito ou nove cilindros, tirando-lhe cerca de 10 km/h nas retas.
Mesmo assim, considerou o desempenho de seu carro ''perfeito'' e, diante das câmeras, cumprimentou seus mecânicos, um a um.
O diretor esportivo da Ferrari, Jean Todt, mereceu um banho de champanhe no pódio. Em troca, o francês deu um beijo no alemão, como se este fosse um filho.
Na entrevista coletiva, com o macacão encharcado pela chuva, tremia de frio, o que não lhe impediu de manter a empáfia. Vencer com a Ferrari? ''Não foi a minha primeira vitória. Foi a 20ª.''
Sobre a chuva, reconheceu ter se surpreendido com o bom comportamento de seu carro. ''Mas preferia pista seca. Estava perigoso.''
A ponto de defender a largada, nesses casos, com carro-madrinha. ''O safety car foi criado para isso. Não entendo por que não o utilizaram hoje (ontem).'' 
Era o caso.
 
 
Sim, era o caso. E era também o início do mais bem-sucedido casamento entre piloto e equipe da história da F-1.

Escrito por Fábio Seixas às 18h30

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A bronca de Kimi

"Quem pilota o carro sou eu. Vou fazer o que os engenheiros mandarem."
 
De Raikkonen, irritadinho em Barcelona com as perguntas sobre eventuais palpites de Schumacher nos boxes da Ferrari

Escrito por Fábio Seixas às 14h55

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Arranha-céus

Abaixo, fotos de alguns dos motorhomes no paddock, by Tatiana Cunha, enviada especial da Folha a Barcelona.
 
O da Ferrari é mesmo um prédio. Rolou até uma festinha de inauguração. Os demais são os do ano passado, o que não os torna menos impressionantes.
 
Melhor do que falar, é mostrar.
 
 
 
 
 
 

Escrito por Fábio Seixas às 13h35

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Novidades no paddock

Primeiro GP na Europa é sempre a mesma coisa: frisson no paddock com os novos motorhomes.

Conversei agora há pouco com gente lá em Barcelona e a maior novidade, parece, é da Ferrari.
 
A escuderia sempre teve estruturas modestas em relação às rivais. Mas, neste ano, decidiu agir: entre outros atrativos, o novo motorhome vermelho conta com uma sala de imprensa, que receberá seu primeiro grande evento amanhã: uma entrevista coletiva de Schumacher, em seu primeiro GP "civil".
 
Assim que eu receber fotos dos monstrengos do paddock, posto aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 12h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dobradinha espanhola!

E Valência vai mesmo receber a F-1, como informou ontem o Nivardo Melo, nosso correspondente em Salamanca.
 
O acordo foi anunciado por Ecclestone, com validade até 2014. O nome da prova, GP da Europa _que já aconteceu em Brands Hatch, Nurburgring, Donington e Jerez de la Frontera.
 
A assinatura do contrato está condicionada à vitória do situacionista Partido Popular na eleições locais, marcadas para o fim do mês. Mas Bernie não dá ponto sem nó: se ele se prestou a aparecer em público para fazer um anúncio desses, é porque a eleição já está nas mãos do tal PP.
 
Como Barcelona tem contato até 2011, a Espanha receberá dois GPs por pelo menos quatro anos. "Isso mostra o quanto o automobilismo está progredindo na Espanha", já disse Alonso, na entrevista coletiva de hoje.
 
Ah, uma bala para quem adivinhar o nome do projetista do circuito. Projetista em circuito de rua? Pois é... Os protegidos de Bernie têm suas vantagens.
                                                                                                               
                                                                                                               Victor Fraile/Reuters
A "Ciudad de las Artes y las Ciencias", em Valência, por onde a F-1 deve passar

Escrito por Fábio Seixas às 11h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Se meu F-1 falasse...

"Essa Renault nasceu ruim", disse Fisichella à "Gazzetta dello Sport" _leia texto da Folha Online aqui.
 
Sorte dele que o carro não fala...

Escrito por Fábio Seixas às 18h36

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Martelo eletrônico

Começa amanhã, nesta seção do site da Ferrari, um leilão online de peças de carros que correram as últimas temporadas da F-1.
 
São cinco lotes, que têm desde aerofólio traseiro até caixa de câmbio. O leilão vai até o dia 21.
 
Se der, faço um lance de R$ 10 pelo lote que tem essa asinha aqui...
 
 
E se eu fosse a Honda, compraria tudo e colocaria já no carro.

Escrito por Fábio Seixas às 16h30

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Valência e Paris

Este site aqui, espanhol, traz com mais informações a notícia sobre o circuito de rua em Valência. A fonte é a mesma, a rede Cope de rádio.
 
Confesso, porém, que fiquei mais interessado na história que vem imediatamente abaixo... Dá uma olhada lá. 

Escrito por Fábio Seixas às 15h51

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O bom e velho rádio

O Sportv não mostrará o final da corrida da Espanha, é o que acaba de informar a assessoria de imprensa da Globo.

Ou seja, nada de imagem ao vivo para o Brasil. Apenas o tal VT dos melhores momentos após a missa papal.

Não sei se, pela internet, é possível ver alguma coisa. Se alguém tiver alguma dica, manifeste-se.

E, assim, mais uma vez os torcedores serão salvos pelo bom, velho e confiável rádio. São quatro as opções no dial, com profissionais falando direto de Barcelona: Bandeirantes, BandNews FM, CBN e Jovem Pan.

Escrito por Fábio Seixas às 14h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dobradinha espanhola?

Nivardo Melo, que mora em Valência, conta que a Rádio Cope cravou o acerto com Bernie Ecclestone para que a cidade recebe uma corrida de rua a partir de 2008. O anúncio oficial, segundo o Nivardo ouviu na emissora, será feito amanhã.

 

Furo jornalístico da Cope? Ou “barriga”, jargão para informação errada? Amanhã saberemos.

 

Mas se algo faz sentido, é o fato de que Bernie, assim, privilegiaria o país do bicampeão mundial com dois GPs _não por coincidência, no ano em que Schumacher parou, a Alemanha perdeu uma de suas etapas.

Escrito por Fábio Seixas às 10h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Moleza

Segundo John Howett, chefe da Toyota, o estilo de Ralf Schumacher não casa com os pneus que a Bridgestone vêm produzindo neste ano.

 

Na minha opinião, um problema de facílima solução. Já que não dá para trocar a marca de pneus...

Escrito por Fábio Seixas às 09h49

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Nem na janelinha

Procurei a assessoria de imprensa da Globo para esclarecer as dúvidas sobre a transmissão do GP da Espanha.
 
A corrida começa às 9h (horário de Brasília) deste domingo, e, no ano passado, levou uma hora e 26 minutos. O "problema" é que a emissora anuncia para as 10h o início da transmissão da última missa do papa nesta visita ao Brasil.
 
A resposta oficial da Globo: a transmissão da corrida será interrompida às 10h e, após a missa, será exibido o VT com os melhores momentos das últimas voltas. Não, diferentemente do que foi dito antes, não haverá janelinha com a transmissão simultânea do GP.
 
Continuo curioso para ver o que irão fazer caso Massa esteja na liderança...

Escrito por Fábio Seixas às 00h40

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pimentinha

Sebastian Vettel, 19, o fedelho da foto abaixo, já é protagonista de uma acirrada disputa no mercado da F-1.

Primeiro, olhe para o macacão. De um lado da briga está a BMW, que promoveu sua estréia como piloto das sextas-feiras no ano passado _foi o responsável pelos testes em sete GPs, contando Austrália e Malásia neste ano. O time, porém, decidiu que não usará mais seus serviços, já que o regulamento eliminou o terceiro carro. Ou seja, Vettel estava tirando tempo de pista de Heidfeld e Kubica. O alemãozinho, claro, ficou chateado e saiu por aí dizendo que a nova regra prejudica a formação de jovens pilotos, no que ele tem razão.

Agora, atente para a marca no boné. Pois é... Do outro lado está a Red Bull, que tem um contrato de patrocínio pessoal com o rapaz. Segundo Mateschitz, o todo-poderoso dono da empresa, Vettel está apenas emprestado à BMW e correrá por uma de suas equipes em 2009.

“Ele está emprestado por quatro anos. A BMW diz que Sebastian é piloto deles, eu digo que ele é nosso. Há contratos a serem cumpridos, e ele voltará para a gente em 2009”, disse o austríaco à revista "Motorspot Aktuell".

 

Vai feder, pode apostar. A combinação piloto-alemão-jovem-rápido é tudo o que boa parte do establishment da F-1 quer, para não desmontar toda uma estrutura erguida nos anos Schumacher.

Escrito por Fábio Seixas às 16h49

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Pit Stop" no ar

Se você não assistiu ao vivo, está aqui o link para o “Pit Stop” desta semana, um bate-papo com Rodrigo Sperafico, líder da Stock Car.

 

O paranense fala de Stock, claro, mas também dá seus pitacos sobre MotoGP, WTCC e F-1.

 

Sobre a liderança, é sincero: “Não imaginava”. Sobre o intervalo de quase um mês até a prova de Campo Grande: “É péssimo pra todo mundo”. Sobre a família de pilotos: “Começou com meu pai, em 73. Somos em nove”.

 

Bom, tem muito mais. Assista. E comente.

Escrito por Fábio Seixas às 15h45

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bancada cheia no "Pit Stop"

Hora de sair de casa e ir para o UOL. Às 14h30 tem "Pit Stop", com a participação especial de Rodrigo Sperafico, vencedor da etapa de Curitiba da Stock Car, no domingo, e líder do campeonato.
 
O link para assistir ao programa ao vivo está aqui. Para fazer perguntas ao Rodrigo, o e-mail é o já célebre uolnewsformula1@uol.com.br
 
Até lá. 

Escrito por Fábio Seixas às 11h27

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Fechado para obras

Recebo, via organização do GP Brasil, um cronograma das obras previstas em Interlagos para a corrida de outubro.
 
"A Prefeitura de São Paulo definiu o cronograma de obras que serão realizadas este ano no autódromo de Interlagos. Estão programadas alterações de grande impacto, como o recapeamento da pista e a construção de arquibancadas fixas em frente à reta dos boxes", diz o e-mail.

A previsão é que as obras comecem em 18 de junho e terminem em 17 de setembro. Três meses, portanto.
 
E a dúvida que alguns internautas levantaram sobre as arquibancadas no Setor G está sanada: por lá, apenas as velhas e balançantes estruturas tubulares.

Escrito por Fábio Seixas às 11h20

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Youtube do dia

Há exatos 25 anos, em 8 de maio de 1982, nos treinos para o GP da Bélgica, em Zolder, morria Gilles Villeneuve.
 
Canadense, 32 anos, piloto da Ferrari desde 1977, ele lutava desesperadamente pela pole position quando acertou em cheio o March de Jochen Mass _veja reportagem da TV italiana. Deixou a F-1, a família e a Scuderia para se tornar uma das maiores lendas do esporte a motor.
 
Cada um, acho, tem uma imagem de Villeneuve. Para mim, a cena abaixo, em Zandvoort, resume o que era o piloto _antes, na mesma prova, ele já havia ultrapassado Alan Jones por fora na Tarzan, veja aqui.
 
 
Com a suspensão detonada, Villeneuve não conseguiu continuar na prova. Tudo bem. O show já estava dado. Ele era canadense, não desistia nunca.

Escrito por Fábio Seixas às 10h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Em 1995, a F-1 vivia resquícios do choque da morte de Senna, a Benetton sobrava com Schumacher e a Ferrari ainda sofria para se acertar. Conseguiu, naquele ano, apenas uma vitória: Alesi, no Canadá, a única na carreira do francês _Barrichello ficou em segundo.
 
A homenagem do livreto, portanto, mais uma vez vai para um lançamento da fábrica, a F50, revelada ao mundo no Salão de Genebra.
 

Escrito por Fábio Seixas às 09h58

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Preparando o "Pit Stop"

Rodrigo Sperafico, vencedor da etapa da Curitiba da Stock Car, domingo, será o convidado especial do "Pit Stop", amanhã, no UOL News.
 
Paranaense, 27 anos, com passagem por categorias como F-3000 e Super Nissan, Sperafico é outro que trocou os monopostos pela Stock. Com a vitória de ontem, ele lidera o campeonato.
 
No cardápio, além da Stock, claro, MotoGP, WTCC e F-1.
 
Participe! Mande sua pergunta, seu comentário, sua crítica, sua observação para o e-mail uolnewsformula1@uol.com.br

Escrito por Fábio Seixas às 16h38

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Brasileiro na ponta

Com razão, Fernando Kesnault puxou minha orelha num comentário ali embaixo. O motivo, o WTCC.
 
Com um quinto e um segundo lugares na rodada dupla do fim de semana, em Zandvoort, Augusto Farfus assumiu a liderança isolada do principal campeonato de Turismo do mundo.
 
Tem agora 28 pontos, seis a mais que Jorg Müller, seu companheiro de BMW. Se vingar, será o mais importante título conquistado pelo Brasil desde que Tony Kanaan levou a IRL, em 2004. 

Escrito por Fábio Seixas às 15h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mais sobre os ingressos

Recebo por e-mail uma resposta da assessoria de imprensa do GP Brasil às dúvidas levantadas aqui sobre os ingressos. À Marilia Frias, obrigado.
 
Os principais trechos:
 
"Os preços dos ingressos ainda não foram divulgados pois este ano foi introduzida a cobrança de ISS sobre o valor dos mesmos e agora existe a obrigação legal de obter autorização da Secretaria Municipal de Finanças antes do início das vendas. A autorização deve sair nos próximos 15 dias e os preços serão divulgados imediatamente.
 
Os organizadores do GP Brasil não têm como proibir que uma agência de viagem 'adivinhe' o preço dos ingressos _colocando uma boa margem de segurança em cima dos valores do ano anterior_ e comece a aceitar reservas.

Lembramos ainda que a organização sempre se preocupou em comercializar os ingressos com a máxima antecedência possível, visando o conforto e a tranqüilidade do público. Em função do fato acima descrito, o início das vendas está previsto, conforme informado, para o começo de junho. Na ocasião, todas as informações serão divulgadas no site oficial do evento
, que também enviará, por seu boletim, aviso sobre o início das vendas para quem se cadastrar. A organização orienta que o público aguarde as informações oficiais para não ser lesado."

Escrito por Fábio Seixas às 12h26

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Tinta fresca

Em busca de alguns milésimos de segundo, a Toro Rosso anunciou que mudará a maneira como estampa as marcas nos seus carros. A partir de Barcelona, não usará mais adesivos. Passará a pintar as carenagens.
 
"A pintura não só deixa o carro com menos arrasto, como também significa menos peso. E do ponto de vista estético, fica mais bonito", disse Laurent Mekies, engenheiro-chefe. "Eficiência aerodinâmica não se limita a defletores e aletas. Temos que pensar em cada detalhe para melhorar nosso produto."
 
Não tenho essa estatística em mãos, mas pela observação de anos e anos caminhando pelos boxes posso dizer que a Toro Rosso será exceção.
 
A grande maioria das equipes, arrisco a cravar que todas as outras, usam adesivos _e têm até funcionários especializados nisso, que vão embora dos circuitos antes mesmo de os GPs começarem.

Escrito por Fábio Seixas às 12h10

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bateria recarregada

Chega a ser estranho ficar dois dias longe do computador. Foi o que fiz, e quem está acostumado às postagens diárias por aqui deve ter percebido.

Rio de Janeiro. Fim de semana por lá. Desintoxicação total. Chopp, praia, sol e bolinho de bacalhau. Não vi a moto, não vi a Stock, só fiquei sabendo dos resultados. Escrevo, portanto, em cima dos resultados, dos números nus e crus.
 
Na MotoGP, a vitória de Stoner, a terceira em quatro corridas, já desenha a batalha pelo título. Será o australiano o desafiante de Rossi (que, sim, não levou o título no ano passado, mas é quem carrega a coroa pelos serviços prestados nos últimos campeonatos).
 
Na Stock, mais até do que a vitória de Rodrigo Sperafico, a classificação da prova indica que a temporada será das mais emboladas. Se não se cuidarem já, muitos pilotos de tradição na categoria ficarão fora do playoff, no fim do ano.
 
Baterias recarregadas, iniciemos, pois, uma semana atribulada.

Escrito por Fábio Seixas às 11h34

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.