Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

Mais notícias da terrinha

Dia desses escrevi sobre o circuito da Boavista, no Porto, que receberá no próximo fim de semana a sexta rodada do WTCC.
 
Pois Antonio Alfredo Costela Parras prontificou-se a matar a curiosidade deste blogueiro e saiu pelo circuito fazendo fotos. O resultado está aqui.
 
Antes, um trecho do e-mail do nosso correspondente em Portugal.
 
"As modificações das ruas já estão bastante adiantadas, estando quase tudo pronto, pois estão montando as arquibancadas e telões. O local é muito bonito, em volta do Parque da Cidade, a versão daqui do Central Park, mas à beira-mar (...) Como fanático por carros e corridas, não pude deixar de dar umas voltinhas pelo circuito com minha BMW. É interessante a sensação de dirigir a toda com os guard-rails logo ali, ao lado dos retrovisores."
 
 
 
 
 
 
O lugar é mesmo lindo. Ao Antonio, nossos agradecimentos e a convocação para mais fotos e histórias nos próximos dias.
 
E se eu ganhar na Megasena na quarta-feira, é pra lá que vou no próximo fim de semana antes de sumir, para alívio de vários de vocês.

Escrito por Fábio Seixas às 23h23

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Festa da velocidade

Um dos eventos mais sensacionais do calendário do esporte a motor acontece neste fim de semana: o Festival de Goodwood, na Inglaterra.
 
Não há nada parecido no planeta.
 
Promovido desde 1993, é uma grande festa, uma subida de montanha com carros históricos e/ou célebres comandados por pilotos igualmente históricos e/ou célebres. Cerca de 150 mil pessoas são esperadas por lá. 
 
E hoje, especialmente, os organizadores estão com o sorriso de orelha a orelha. Hamilton, ele mesmo, acaba de confirmar sua participação. O líder do Mundial pilotará o carro da McLaren do ano passado. Com sete GPs na F-1, ele já se encaixa nos dois pré-requisitos: é histórico e célebre.
 
Davidson, Button e Coulthard também estarão em Goodwood. O primeiro, ao volante do Williams-Honda FW11B, o carro de Mansell e Piquet em 87. Os outros dois, numa novidade: subirão e descerão a montanha de bicicleta. Com todo o respeito aos ciclistas, não, não tem comparação.
 
Entre os pilotos inscritos, Rowan Atkinson (sim, o Mr.Bean), que pilotará um Napier-Railton como esse aí da foto. 
 
 
Saca só o naipe de alguns outros inscritos no evento: Gil de Ferran (também o mesmo Williams de 87), Emerson Fittipaldi (com a Lotus 49B, da sua estréia na F-1, em 1970), Jochen Mass (Mercedes-Benz W196 e Dodge Charger), Stirling Moss (com a Mercedes-Benz 300SLR que pilotou para vencer a Mille Miglia de 1955, além do Ferguson-Climax Project 99 F1) e o baterista do Pink Floyd, Nick Mason (pilotará um Auto Union Type D). Confira a lista completa aqui.
 
Assim que as fotos começarem a chegar, eu publico no blog.
 
É meu fim de semana de plantão mesmo...

Escrito por Fábio Seixas às 15h28

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Schumacher já sabia!

Curiosa essa história de que o promotor de Modena aceitou denúncia criminal da Ferrari contra Nigel Stepney, ex-chefe dos mecânicos, hoje seu diretor de desenvolvimento, com passagens por Shadow, Lotus e Benetton.
 
Antes de mais nada, é bom destacar que o motivo não foi revelado. Tudo o que você ler por aí, além da notícia da denúncia, é chute. Fala-se em venda de segredos industriais _e é esse o meu palpite. Fala-se em sabotagem _acho difícil fazer algo assim, numa equipe com tanta gente, e passar despercebido.
 
Mas, enfim, há algo de podre no reino de Maranello, algo que até reforça um pouco o teor da coluna de hoje na Folha. A Ferrari planejou muito mal a transição para a vida sem Schumacher.
 
Schumacher que talvez já soubesse das intenções do inglês, a quem atropelou no GP da Espanha de 2000... Sim, esse, rolando no chão, é Nigel Stepney.
 
                                                                            Oliver Multhaup - 7.mai.2000/France Presse

Escrito por Fábio Seixas às 11h57

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Falta pouco para o fim de "60 Anni in 60 Simboli”. Hoje, chegamos a 2004. E a uma das ilustrações mais bacanas do livro.

 

 

Pois é. Seria o último título de Schumacher, o último de uma bateria de cinco consecutivos. E o derradeiro de uma seqüência de seis da Ferrari no Mundial de Construtores. Ambas, séries inéditas na história da F-1.

 

O alemão colocou a mão na taça com um segundo lugar em Spa-Francorchamps, 14a das 18 etapas daquela temporada. O ano foi arrasador. Em 18 etapas, 13 vitórias, 8 poles e 10 melhores voltas.

 

Quem imaginaria que esse domínio acabaria no ano seguinte? Vendo esses números, 13 vitórias em 18 etapas, tem-se uma dimensão melhor do que foi a conquista de Alonso em 2005.

 

Uma façanha. Uma enorme façanha.

Escrito por Fábio Seixas às 09h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sexta, coluna

Túnel de vento, desentendimento com os pneus, o surgimento de uma dupla forte no time rival. Tudo isso é importante, sem dúvida, mas não é o fundamental.

 

Na coluna de hoje na Folha, uma análise sobre o erro crucial da Ferrari para esta temporada. O link está aqui, para assinantes do jornal e do UOL.

 

E já que eu toquei no assunto “desorganização”, deixa eu dar uma arrumada na casa. Para que a seção “Colunas na Folha” não fique com nenhum texto faltando, segue aqui a coluna do dia 8 de junho e aqui a de sexta passada, 15.

Escrito por Fábio Seixas às 08h52

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Hamilton 7x2 Nelsinho

A sugestão veio do Caio Juno, de Brasília, num comentário ao post anterior: uma comparação dos resultados de Hamilton e Nelsinho na GP2.
 
O brasileiro correu por lá em 2005 e 2006. O inglês, só no ano passado. Portanto, o único universo possível de pesquisa é a última temporada, quando correram juntos, dividiram freadas, disputaram as mesmas provas.
 
Cabe, ainda, a ressalva de que Hamilton estava na ART, a melhor equipe da GP2. Assim como cabe a ressalva de que Nelsinho já tinha um ano de experiência na categoria. Uma coisa equilibra a outra, acho.
 
Assisti a todas as corridas. Todas. E acho um despropósito a comparação. Na minha opinião, Hamilton é muito melhor. Mais equilibrado, mais sereno, mais paciente. Nelsinho, vira e mexe, batia em alguém na ânsia para concluir uma ultrapassagem ou para garantir sua posição.
 
Os números dos 9 principais quesitos de avaliação nas 21 etapas, porém, mostram um cenário um pouco mais equilibrado do que essa minha impressão. Ou não?
 
Bom, estatísticas, todos sabem, muitas vezes são perigosas. Cada um que interprete à sua maneira. E que comente aqui.
 
Sem mais, aos números:
 
Pontos
Hamilton: 114
Nelsinho: 102
vantagem: Hamilton
 
Vitórias
Hamilton: 5
Nelsinho: 4
vantagem: Hamilton
 
Poles
Hamilton: 1
Nelsinho: 6
vantagem: Nelsinho
 
Melhores voltas
Hamilton: 7
Nelsinho: 3
vantagem: Hamilton
 
Voltas na liderança
Hamilton: 136
Nelsinho: 145
vantagem: Nelsinho
 
Pódios
Hamilton: 14
Nelsinho: 8
vantagem: Hamilton
 
Corridas que liderou
Hamilton: 7
Nelsinho: 5
vantagem: Hamilton
 
Quilômetros percorridos
Hamilton: 3.054
Nelsinho: 2.987
vantagem: Hamilton
 
Quilômetros na liderança
Hamilton: 656
Nelsinho: 613
vantagem: Hamilton

Escrito por Fábio Seixas às 17h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Silverstone, dia 3

Massa foi a atração de hoje em Silverstone, que mais uma vez viveu um dia de chove-pára-chove-pára.
 
O brasileiro causou três bandeiras vermelhas durante o teste, a primeira por uma escapada logo pela manhã, e terminou com o melhor tempo, 1min20s805, 0s469 melhor que Rosberg, da Williams, o segundo. Alonso ficou em terceiro, a 0s479.
 
A Ferrari, é bom lembrar, testaria novos componentes aerodinâmicos. Mas é bom destacar, também, que Alonso enfrentou um vazamento de óleo e ficou trancado por uma hora e meia nos boxes até que a equipe resolvesse o problema. Não dá para tirar muitas conclusões, portanto.
 
Ao volante da Renault, Nelsinho foi o piloto que mais andou: 108 voltas. Terminou em quarto, um bom resultado.
 
F-1, agora, só para valer: em Magny-Cours, na semana que vem
 
Aos tempos:
 
1º. Massa, Ferrari, 1min20s805 (87 voltas)
2º. Rosberg, Williams, 1min21s274 (98 voltas)
3º. Alonso, McLaren, 1min21s284 (58 voltas)
4º. Piquet, Renault, 1min21s357 (108 voltas)
5º. Trulli, Toyota, 1min21s703 (70 voltas)
6º. Coulthard, Red Bull, 1min21s933 (69 voltas)
7º. Glock, BMW, 1min22s456 (80 voltas)
8º. Speed, Toro Rosso, 1min23s049 (65 voltas)
9º. Albers, Spyker, 1min23s374 (36 voltas)
10º. Van der Garde, Spyker, 1min25s865 (5 voltas)

Escrito por Fábio Seixas às 13h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Parem tudo! Hamilton errou!

Isso mesmo. Acredite se quiser, Hamilton errou.
 
Lembra daquele kart leiloado pelo Ebay numa ação beneficente e que alcançou R$ 160 mil na terceira batida do martelo?

Pois bem... Hoje, num evento da Vodafone em Londres, o inglês daria umas voltinhas antes de entregá-lo ao comprador. Daria. Porque exagerou na dose e bateu de traseira contra barreiras plásticas, danificando o kart.
 
"Deu uma bela amassada aqui atrás", disse, meio avexado, aos repórteres que cobriam a cerimônia.
 
Alonso deve ter deixado escapar um sorriso quando soube da notícia.

Escrito por Fábio Seixas às 11h41

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Playground barulhento

Por ocasião do GP do Canadá, há duas semanas, BMW e Intel montaram, em pleno centro de Montréal, o "Pit Land Park".
 
Entre as atrações, uma pequena pista para exibições de carros e motos, simuladores e uma área para os fãs tocarem e conhecem peças da F-1.
 
A matéria da ESPN americana é meio boba, mas mostra um pouco do que aconteceu por lá e que, infelizmente, por n motivos, nunca acontecerá por aqui.
 

Escrito por Fábio Seixas às 10h44

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Vara curta

Outro dia me peguei tentando imaginar qual seria a capa da “Autosport” desta semana. Se, depois de Montréal, a revista inglesa lançou um “Rumo ao título”, com a foto de Hamilton, o que poderia vir agora, após a segunda vitória?

 

A resposta está abaixo, provocação pura para cima de Alonso. Hamilton, poucos metros à frente do espanhol em Indianápolis e o título “Toma essa!”

Escrito por Fábio Seixas às 08h31

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Salvos pelo hidrogênio?

Duas semanas atrás escrevi uma coluna sobre a incongruência da F-1 e outras categorias num planeta que clama pelo corte nas emissões de CO2.
 
Foi meu recorde de e-mails recebidos desde que assumi o espaço, há quase três anos, muitos raivosos, outros tantos elogiosos.
 
Pois hoje fico sabendo que o tema ganhou reportagem na "Nature" desta semana. Na matéria, de quatro páginas, o editor Andreas Trabesinger conversa com Max Mosley atrás de soluções para o impasse.
 
Não chegam a conclusão nenhuma.

Mas o bacana da reportagem é esse carrinho aí embaixo...
 
 
Esse aí é o Fórmula Zero, um kart produzido por uma pequena fábrica holandesa, de mesmo nome. A novidade: é movido por células combustíveis de hidrogênio, não poluentes. O site da empresa está aqui
 
Seus criadores já arrumaram um patrocínio da Shell e esperam lançar um campeonato no ano que vem ou, no mais tardar, em 2009. Convenceram, também, a FIA a criar um recorde para os carrinhos, uma maneira de incentivar disputas entre universidade européias e, assim, envolver terceiros no trabalho de pesquisa. A marca atual é de 60 km/h, alcançada no ano passado.
 
A meta deles é, em 2015, correr com um monoposto nos moldes da F-1. O plano da empresa pode ser resumido no diagrama abaixo.
 
Uma luz no fim do túnel? Talvez, apesar de ainda ser um fiapinho de luz.
 
Mas que o carrinho é bonito, é.

Escrito por Fábio Seixas às 18h53

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Silverstone, dia 2

Em Silverstone, hoje, chove, pára, chove, pára.
 
E, com apenas 48 voltas, o mais rápido do dia foi Trulli, repetindo o que seu companheiro de Toyota, Ralf, fizera no dia anterior.
 
Mas as "estrelas" do dia foram Webber e seu RB3. De um total de seis bandeiras vermelhas acionadas durante o dia, o australiano e seu carro foram os responsáveis pela metade, duas delas por vazamento de óleo.
 
No duelo McLaren x Ferrari, a vice-líder do Mundial foi melhor, com Raikkonen em segundo, 0s470 mais veloz que De la Rosa _ué, cadê o Alonso?
 
E, apesar de a assessoria de Nelsinho Piquet ter anunciado que o brasileiro testaria hoje, apenas Kovalainen andou. Talvez, culpa da chuva, que piorou à tarde e atrapalhou todo o resto da programação.
 
Aos tempos: 
 
1º. Trulli, Toyota, 1min21s420 (48 voltas)
2º. Raikkonen, Ferrari, 1min21s548 (62 voltas)
3º. Wurz, Williams 1min21s904 (64 voltas)
4º. De la Rosa, McLaren, 1min22s018 (58 voltas)
5º. Kovalainen, Renault, 1min22s119 (53 voltas)
6º. Liuzzi, Toro Rosso, 1min22s365 (52 voltas)
7º. Webber, Red Bull, 1min22s447 (33 voltas)
8º. Glock, BMW, 1min22s481 (84 voltas)
9º. Sutil, Spyker, 1min23s284 (72 voltas)

Escrito por Fábio Seixas às 15h16

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Grazie, Flavio!

Finalmente apareceu alguém que concorda comigo.
 
Em entrevista para o jornal "As", da Espanha, Briatore foi taxativo.
 
"Fernando vai ser campeão neste ano, tenho 100% de certeza. Ele sabe o que é preciso fazer. No ano passado, houve um momento em que parecia que ele perderia o título. Todo mundo achava isso. Mas, trabalhando juntos, conseguimos vencer. Para vencer, ele precisa fazer a mesma coisa que fez nas últimas quatro corridas: se concentrar no carro, não deixando que vozes de fora o atrapalhem. Fernando, acima de tudo, é um campeão. Como todos, ele vem enfrentando algumas dificuldades para se adaptar a uma nova equipe, para trocar dos pneus Michelin para os Bridgestone, enquanto Hamilton já conhecia a equipe e os pneus, parecidos com os da GP2. Fernando tem experiência e, se a McLaren continuar à frente da Ferrari, ele vai ganhar o campeonato."
 
Agradeço. E assino embaixo.

Escrito por Fábio Seixas às 12h09

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A volta de Schumacher

Um dos boatos da semana aposta que Schumacher testará o carro da Ferrari a pedido da direção da equipe.
 
Seria uma atitude inteligente da Ferrari.
 
E, para Schumacher, não custaria muito, imagino. Uma coisa é disputar uma temporada completa, outra é dar umas voltinhas por Fiorano para ajudar a equipe. Mas, enfim, até agora está na esfera da boataria. Não há confirmação.
 
O que foi confirmado hoje é que o alemão participará da próxima edição da ROC, Race of Champions, no dia 16 de dezembro. O evento, que tem mais de espetáculo do que de esporte, deixará neste ano o Stade de France, em Paris, para acontecer no novo Wembley, em Londres.
 
Além dele, já confirmaram presença os britânicos Jenson Button, Andy Priaulx, David Coulthard e Colin McRae.

Escrito por Fábio Seixas às 11h55

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

Havia alguns dias eu não postava aqui ilustrações de "60 Anni in 60 Simboli", o livreto lançado pela Ferrari em janeiro para comemorar seus 60 anos.

 

Já estava na hora de retomar. Até porque falta pouco, muito pouco, para acabar. Já estamos em 2003...

 

 

As homenagens, óbvias, para os títulos na F-1: Pilotos e Construtores. E para Gianni Agnelli, patriarca da Fiat, morto em janeiro daquele ano.

 

Era o início do fim da época de ouro da escuderia. Schumacher garantiu seu sexto título, superando Fangio, mas a disputa já não foi aquela baba de 2002: até Suzuka, Raikkonen tinha chances (puramente matemáticas, é verdade, mas ainda assim chances).

 

A Ferrari também levou a taça para Maranello, mas não foi aquele rolo compressor de antes. Em 2002, a escuderia venceu 15 das 17 etapas. Em 2003, foram "apenas" 8 em 16.

Escrito por Fábio Seixas às 09h10

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Arrumando a casa

Arrumando a casa

Na semana passada e ontem esqueci de linkar o Pit Stop à seção “Pit Stop em Vídeo”, aí, no menu à direita.

 

Poderia republicar os posts, mas aí os comentários se perderiam.

 

Para que a coleção fique completa por lá, portanto, repito aqui os links para os dois últimos programas.

 

Aqui, o Pit Stop levado ao ar no dia 12 de junho.

 

E, aqui, o Pit Stop de ontem.

 

Pronto, casa em ordem. Por enquanto.

Escrito por Fábio Seixas às 08h28

Comentários () | Enviar por e-mail | Pit Stop em vídeo | PermalinkPermalink #

Rescaldo de Indianápolis

Só hoje arrumei tempo de postar as últimas fotos da Eloisa Lopez lá por Indianápolis.
 
As três primeiras são do "cercadinho" onde acontecem as entrevistas às emissoras de TV e rádio após as coletivas à imprensa escrita.
 
As três últimas, de algumas das grid girls do GP dos EUA. Como minha mulher vive acessando o blog, deixo os comentários para vocês.
 
 
 
 
 
 

Escrito por Fábio Seixas às 19h36

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um diálogo provável

Nenhuma agência internacional fez fotos da abertura dos testes coletivos da F-1, hoje, em Silverstone.
 
Se conheço um pouco do meio, imagino que, em todas as agências, a conversa tenha sido mais ou menos assim:
 
Fotógrafo inglês: Vamos acompanhar os testes em Silverstone?
Chefe: Vamos, claro. Faça um orçamento.
 
Duas horas depois...
 
Fotógrafo inglês: Aqui está.
Chefe: Hummm... Ok. Em qual desses dias Lewis vai testar?
Fotógrafo inglês (já imaginando o que vem pela frente): Ele não vai testar.
Chefe: Então não vamos.

Escrito por Fábio Seixas às 18h02

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Silverstone, dia 1

O quê?
 
Ralf Schumacher terminou na frente o primeiro dia de testes em Silverstone?
 
Não valeu. Esperemos amanhã.
 
Para registro histórico, aos tempos:
 
1º. R. Schumacher, Toyota, 1min22s794
2º. De la Rosa, McLaren, 1min22s915
3º. Webber, Red Bull, 1min23s329
4º. Kovalainen, Renault, 1min23s510
5º. Badoer, Ferrari, 1min23s768
6º. Heidfeld, BMW, 1min23s841
7º. Liuzzi, Toro Rosso, 1min24s125
8º. Nakajima, Williams, 1min24s665
9º. Van de Garde, Spyker, 1min25s391
10º. Valles, Spyker, 1min25s394

Escrito por Fábio Seixas às 15h58

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pit Stop no ar

Está no ar, neste link, o Pit Stop desta terça-feira.
 
No programa, um longo papo sobre o GP dos EUA, os resultados dos testes de hoje em Silverstone, Le Mans, Stock, WTCC...
 
E antes que vocês inundem minha caixa de e-mails, Graham Hill foi o único piloto a vencer Indianápolis, Mônaco e Le Mans, o "Grand Slam" ou  "Tríplice Coroa" do automobilismo.

Escrito por Fábio Seixas às 15h09

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

De volta ao batente

Já na Europa, as 11 equipes da F-1 voltaram a testar hoje. Nove optaram por Silverstone, que receberá a nona etapa do campeonato, daqui a três domingos _a meteorologia, porém, prevê chuva nesta semana por lá. Honda e Super Aguri preferiram trabalhar em Jerez de la Frontera.
 
Abaixo, as escalas iniciais dos times para a semana na Inglaterra (sujeitas a mudanças de acordo com o humor dos engenheiros, claro):
 
McLaren
Hoje: De la Rosa
Amanhã e quinta: Alonso
 
Ferrari
Hoje: Badoer
Amanhã: Raikkonen
Quinta: Massa
 
Renault
Hoje: Kovalainen
Amanhã e quinta: Fisichella
 
BMW
Hoje: Heidfeld
Amanhã e quinta: Glock
 
Toyota
Hoje: Ralf
Amanhã e quinta: Trulli
 
Red Bull
Hoje e amanhã: Webber
Quinta: Coulthard

Williams
Hoje: Nakajima
Amanhã: Rosberg
Quinta: Wurz
 
Toro Rosso
Hoje e amanhã: Liuzzi
Quinta: Speed
 
Spyker
Hoje: Van der Garde e Valles
Amanhã: Sutil
Quinta: Albers

Escrito por Fábio Seixas às 11h21

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dou-lhe três

Acabou agora há pouco o leilão do kart de Hamilton no Ebay.
 
Sabe quanto pagaram pelo brinquedinho usado pelo inglês num evento da Vodafone? A bagatela de £42.100, cerca de R$ 160 mil.
 
Está prestigiado, o moleque?

Escrito por Fábio Seixas às 10h51

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O fim do túnel

O site GrandPrix, que já citei aqui como um dos mais bem informados sobre os bastidores da F-1, levanta hoje uma tese interessante para o declínio da Ferrari nas últimas corridas do Mundial.
 
O problema estaria no túnel de vento. Inaugurado em 1998 e projetado pelo badalado arquiteto italiano Renzo Piano, o equipamento teria apresentado defeito há cerca de um mês. Mais especificamente, a esteira, feita de aço e que circula a 290 km/h, teria quebrado, inviabilizando o desenvolvimento de novas peças. O reparo ainda não foi concluído.
 
Pode parecer exagero, mas não é. A maior parte das equipe, hoje, trabalha com dois túneis de vento. Pelo menos um deles está funcionando sempre. Um dia sem o equipamento é prejuízo na certa, na pista.
 
A Ferrari estaria tentando se virar com modelos virtuais, em tecnologia CFD, um caminho que já vinha trilhando e que se tornou, de uma hora pra outra, sua única opção. Opção, porém, que ainda não supera o trabalho no túnel de vento.
 
Se non è vero, è ben trovato.

Escrito por Fábio Seixas às 10h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Que tal um Pit Stop hoje?

A segunda vitória de Hamilton e o novo panorama do Mundial de F-1 são os temas principais do Pit Stop de hoje, a partir das 14h30, aqui.
 
Mas o cardápio também tem Stock Car, WTCC e, claro, Le Mans.
 
Mande suas perguntas, críticas e sugestões para uolnewsformula1@uol.com.br

Escrito por Fábio Seixas às 10h18

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Haja fôlego

A IRL correrá domingo no Iowa, abrindo uma maratona de cinco corridas em cinco fins de semana.
 
Será a estréia do circuito oval de Newton, com 1,4 km de extensão, no campeonato.
 
Mas o motivo deste post é o nome da prova, que acabo de descobrir porque recebi um release da assessoria de imprensa da categoria: Iowa Corn Indy 250 presented by Ethanol.
 
Demais, não?
 
Aliás, vamos abrir uma enquete aqui. Qual é o nome mais bizarro (ou mais longo) de corrida nos EUA de que você se lembra?
 
Em 2002 (fui pesquisar), aconteceu a fantástica Bombardier ATV Cooper World Indy 200 at Phoenix International Raceway... Alguém supera esse?

Escrito por Fábio Seixas às 16h23

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Cego em tiroteio

Toda segunda-feira pós-GP, a Ferrari coloca no ar, no seu site de mídia, um comunicado analisando a corrida da véspera.
 
No texto de hoje, Luca Baldisserri e Stefano Domenicali, engenheiro de pista e diretor esportivo, respectivamente, colocam a culpa pela queda da escuderia no mau desempenho nos treinos oficiais. E culpam um certo desentendimento com os pneus macios por esse mau desempenho.
 
"Há uma pequena correlação com os novos compostos macios, então estamos investigando nessa direção, esse vem sendo nosso principal ponto no desenvolvimento do carro. Não acho que as alterações que fizemos nos carros após os três primeiros GPs, em aerodinâmica, em mecânica e no motor, tenham influenciado nisso. Todo mundo usa os mesmo pneus, então a aderência está lá, essa é a diferença para nós. Este é o ponto principal, e toda a fábrica está concentrada em tentar entender o que está acontecendo", diz Baldisserri.
 
Nesta semana, a equipe testará em Silverstone um "pacote aerodinâmico completamente diferente", completa o engenheiro.

Domenicali termina com um apelo. "Não podemos ter nenhuma reação exagerada. Temos, sim, que trabalhar em todas as partes do carro, como um time. Éramos mais rápidos antes, a McLaren é mais rápida agora. A mensagem que quero passar é que esse é o momento de reagir, mas não podemos desistir diante das dificuldades. A temporada é muito longa."
 
Das próximas cinco corridas, a Bridgestone só não levará os pneus macios para Magny-Cours e Istambul.
 
O que me parece, lendo essas declarações?
 
Que a Ferrari está perdidinha, perdidinha...

Escrito por Fábio Seixas às 14h20

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A foto

A foto

Ok, plasticamente não é uma foto das mais diferentes. Mas, veja bem, esse carro venceu as 24 Horas de Le Mans! Acho que merece uma deferência.
 
 
O piloto no volante, o alemão Marco Werner. O carro, o Audi R10. O autor da foto, Daniel Joubert, da Reuters.

Escrito por Fábio Seixas às 11h50

Comentários () | Enviar por e-mail | A foto | PermalinkPermalink #

O brinquedinho de Hamilton

O que você acha do brinquedinho aí embaixo?

 

 

É o kart que Hamilton usou em Barcelona, num evento pré-GP promovido pela Vodafone. Está à venda no E-bay e a renda será destinada a um instituto inglês que cuida de bebês.

 

Até agora, já foram dados 63 lances, o último deles de US$ 39.727, mais ou menos R$ 80.000. Vai valer muito mais no fim do ano, posso imaginar.

 

Ah, sim... No site, o líder do Mundial tenta vender seu peixe. “É novo em folha, único dono, cuidadoso. É muito rápido, exatamente como eu gosto. Se quer um dia chegar à F-1... Esse é pra você!”

 

O leilão virtual acaba amanhã e pode ser acompanhado aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 08h17

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A fila não anda

Pouca gente escreveu sobre a presença de Piquet-pai em Indianápolis.

 

Foi mais do que uma visita de cortesia. Principalmente porque o tricampeão não é dado a visitas de cortesia. Piquet, como homem de negócios, ganhou mais dinheiro do que como piloto de F-1. E era esse o Piquet do fim de semana: o homem de negócios, o empresário do filho, não o ex-piloto.

 

Sim, ele estava lá para conversar com Briatore sobre o futuro de Nelsinho. O problema é que, agora, Kovalainen resolveu andar. E Fisichella talvez ainda não esteja no ponto de abate.

 

Por isso faz sentido a tal história de que o italiano teria oferecido o brasileiro à Williams, que dispensaria Wurz. Mas o austríaco acaba de vir de um pódio, em Montreal. E é bom acertador de carros. Deve receber uma segunda chance.

 

Mau momento para a visita. Nelsinho e Nelsão, acho, terão de esperar (mais).

Escrito por Fábio Seixas às 07h38

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Inimigos se abraçam?

Antes de Indianápolis, Alonso falou um monte, Hamilton falou um monte, mas acho que aquele abraço dos dois a caminho do pódio disse mais.

 

Se você não gosta de alguém, se você está irritado porque aquele cara disse alguma coisa, você não vai abraçar o sujeito e caminhar assim, lado a lado, até um pódio assistido pelo mundo todo.

 

Mais: Julio Gomes, que está lá em Indianápolis acompanhando a F-1, me disse que o clima entre os dois, no cercadinho das entrevistas para TVs e rádios era divertidíssimo. Houve um momento em que, para expulsar Hamilton de uma rodinha de jornalistas americanos, o espanhol deu um “totó” na canela do companheiro, que saiu rindo. Tudo na mais completa camaradagem.

 

Em primeiro lugar, vocês perceberam que não dei muita trela para a guerra de declarações entre os dois nos últimos dias. Sei como as imprensas britânica e espanhola trabalham na F-1. São passionais ao extremo e certamente elevaram o tom de muitas e muitas frases ditas por seus pilotos.

 

Mas tem mais. A lavada, mais uma, da McLaren sobre a Ferrari definitivamente melhorou o ambiente no time. Alonso sabe que faltam dez etapas para o fim da temporada e que, agora, precisa se preocupar apenas com um, não com três pilotos. E isso parece ter feito bem a ele.

Escrito por Fábio Seixas às 17h03

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Domingão do Turismo

Na Stock, vitória de Antonio Jorge Neto, com o carro do ano passado, seguido pelo companheiro de equipe, Cacá Bueno, e por Marcos Gomes.

 

A preocupação ficou por conta de David Muffato, que bateu forte no guard-rail na saída do S do Senna e foi transferido para o hospital após um primeiro atendimento bastante longo, ainda na área de escape. Mas segundo os relatos de gente da equipe, está bem, lúcido e só sentindo dores nas costelas.

 

No TC2000, Cacá foi terceiro. A vitória ficou com Marcelo Buglioti, que largou na pole e ganhou com tranqüilidade pilotando um Astra _de verdade, não uma bolha.

 

Ah, sim... No WTCC, em Brno (alguém um dia me ensina a pronunciar esse troço?), Farfus foi quarto colocado na primeira prova, ficou em segundo na corrida seguinte e, assim, deixou a República Tcheca na liderança do Mundial.

 

Por motivos óbvios, assisti apenas a trechos da Stock e do WTCC. Alguém aqui foi a Interlagos ou assistiu às corridas pela TV? Conte tudo!

Escrito por Fábio Seixas às 16h34

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mais pitacos pós-GP

Com a oitava posição, Vettel superou o feito de Button em Interlagos-2001 e tornou-se o mais jovem piloto a pontuar na F-1. O alemão completa 20 anos no dia 3. O inglês, naquela ocasião, tinha 20 anos e 2 meses. Bacana, como eu disse num post anterior, mas não superestimemos a façanha. Até porque vocês vêem GP após GP o que o Button se tornou...

 

Kovalainen chegou à América do Norte com a corda do pescoço. E volta para a Europa vendo a corda rondando Fisichella. Depois de Hamilton, foi ele o grande beneficiado pela excursão da F-1 pelo Novo Continente.

 

Nico fazia uma corrida muito boa, com estratégia de apenas uma parada, mas ficou na mão por culpa do motor. Uma pena. Ele é bom piloto e, num carro médio como o da Williams, vem fazendo mais do que o possível.

 

E o Sato? Tem piloto mais cheio de altos e baixos que o japonês?

 

Peguei-me agora pesquisando no Marlboro Guide para tirar uma dúvida. A F-1 já teve algum campeão estreante? Tirando o caso óbvio de Giuseppe Farina, detentor do primeiro título, em 1950, não. E acho que mais gente pelo mundo deve estar buscando essa informação. O que já diz muita coisa.

Escrito por Fábio Seixas às 16h19

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Toalha no chão?

“A gente vê o campeonato se distanciando, mas é importante continuar trabalhando duro e esperando erros da equipe rival”.


De Massa, na entrevista coletiva pós-GP.

 

Até agora, nem uma coisa nem outra vêm dando resultado.

Escrito por Fábio Seixas às 15h16

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Hamilton e o tchan

Como largaram, chegaram.

 

Hamilton, Alonso, Massa e Raikkonen, os quatro primeiros no grid de largada, foram também os quatro primeiros na chegada, 73 voltas depois.

 

Mas a prova foi mais do que isso.

 

A prova teve Ralf fazendo lambança logo na largada e levando consigo Coulthard e Barrichello. É, o alemão tem uma espécie de bloqueio com Indianápolis. Algo que, acho, nunca será resolvido. Porque, de F-1, ele não corre lá no speedway. E talvez nem em Magny-Cours, daqui a duas semanas.

 

Teve ainda Raikkonen com uma estratégia diferente, largando com os pneus mais duros, salvando os moles para o último trecho da prova, quando grudou em Massa. A ultrapassagem, porém, não veio. E esse será um dos assuntos no paddock no fim de tarde, pode esperar.

 

Teve Alonso tentando almoçar Hamilton antes do segundo pit, mas estranhamente indo antes para os boxes. Tivesse ficado mais na pista, o espanhol venceria a prova. Não foi o caso.

 

Teve Vettel, marcando um ponto na corrida de estréia, o que é bacana, mas não pode ser superestimado _em 2004, no Canadá, Glock também pontuou no primeiro GP, o que não serviu para muita coisa.

 

Lembra daquele velho comercial de barbeador, do “o primeiro faz tchan, o segundo faz tchun e tchantchan-tchantchan”? Pois foi nisso que pensei.

 

Em Mônaco, a McLaren fez “tchan”. Mas todo mundo pensou que era um caso clássico de casamento fortuito carro-circuito.

 

Mas veio Montreal, e o “tchun”. A ficha caiu. A F-1 descobriu que a McLaren tem um carro melhor que o da Ferrari.

 

Hoje, o “tchuntchun-tchuntchun”. A McLaren está bem, mas bem à frente da rival. E a distância só faz aumentar.

 

No ano passado, Schumacher deixou Indianápolis a 19 pontos de Alonso _mesma desvantagem de Massa para o líder Hamilton, hoje_ e foi buscar. Levou a disputa do título até Interlagos. Mas a Ferrari estava progredindo, lembre-se. Hoje, faz curva inversa.

 

O que escrever mais sobre Hamilton? Difícil. Melhor reproduzir os seus agradecimentos após a prova. “Agradeço à minha família, a Deus e à equipe”. Parecem-me escolhas inteligentes.

 

Na luta pelo título, 45-45 entre Hamilton e Alonso. Pela história, pela tradição, pela estrutura, eu concedo 10% para a Ferrari. Por enquanto.

Escrito por Fábio Seixas às 15h03

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Último palpite

Chegou a hora de dar munição para vocês me atacarem depois da corrida. Chegou o post mais aguardado, mais polêmico, mais chutado deste blog. Chegou o já famoso “Último palpite”.

 

Que, hoje, vai insistir em Alonso. Acho que o espanhol leva na primeira curva, com Hamilton em segundo e Massa completando o pódio.

 

Pronto. Achincalhem. Zoem. Provoquem. Ou reconheçam. Mas comentem.

 

E boa prova!

Escrito por Fábio Seixas às 12h15

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Atenção à largada!

Atenção à primeira curva de Indianápolis, logo mais.

 

O quê? Você não lembra do que aconteceu lá no ano passado?

 

Uma imagem para refrescar sua memória...

 

 

Esse, vendo o mundo de cabeça pra baixo, é Heidfeld. Tudo começou com Montoya. Naquela que seria sua última largada na F-1, o colombiano tocou Raikkonen, iniciando uma reação em cadeia. Além dos dois, não completaram a primeira volta Heidfeld (acho que disso você já havia lembrado), Klien, Webber, Speed e Montagny. Um strike em alta velocidade, enfim.


Se já não o fez, tenho certeza de que Ron Dennis contará essa historinha para sua atual dupla, Alonso e Hamilton, antes da largada.

Escrito por Fábio Seixas às 11h01

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Audi amplia seu reinado em Le Mans

Com Marco Werner no volante do R10 na última hora, a Audi venceu mais uma em Le Mans. Completam o trio outro alemão, Frank Biela (sempre vou escrever que esse sobrenome, para um piloto, é fantástico), e o italiano Emanuele Pirro.

 

Foi a sétima vitória da marca alemã nas últimas oito edições da prova mais charmosa e tradicional do Turismo. E a segunda vitória de um motor diesel _a do ano passado, do mesmo R10, foi inédita, um marco histórico.

 

Mas não foi o passeio que a Audi esperava.

 

Na 17a hora, pouco depois das 7h30, Rinaldo Capello destruiu o R10 que dividia com Allan McNish e Tom Kristensen, que largou como o grande favorito e que vinha liderando a prova até aquele momento. O dinamarquês perdeu, ali, a chance de uma oitava vitória em Le Mans. Deve ter ficado muito feliz com o colega italiano, imagino.

 

E se não foi um passeio, a Audi ainda descobriu que ganhará uma adversária complicada nos próximos anos. Em seu retorno à prova, a Peugeot fez um belo trabalho e foi segunda colocada com Pedro Lamy, Sebastien Bourdais e Stephane Sarrazin a dez voltas dos vencedores.

 

Em terceiro, outro carro francês, um Pescarollo Judd pilotado por Emmanuel Collard, Jean-Christophe Boullion e Romain Dumas.

A última hora da prova foi dramática, com chuva forte e safety car até os últimos dez minutos, quando a bandeira verde foi acionada para uma chegada mais emocionante. Para desespero dos franceses, o Peugeot que ficou segundo colocado teve de entrar nos boxes para reparos e lá ficou por 20 minutos. Mas Bourdais conseguiu voltar à pista e cruzar, emocionado, a linha de chegada.

 

O Aston Martin de Christian Fittipaldi terminou em 17o no geral, em 10o na categoria GT1. O Peugeot de Jacques Villeneuve deixou a prova na 23a hora, com um problema de motor.

 

O resultado oficial da corrida, em .pdf, está aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 10h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.