Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

Batida feia na França

Depois de Kubica provar a resistência dos carros de F-1, um venezuelano fez o mesmo hoje com a GP2.

 

Substituto de Sergio Jimenez na Racing Engineering, Ernesto Viso deu um pancão feio lá em Magny-Cours. Seu carro decolou num acidente na largada e aterrissou exatamente num muro de concreto, onde se espatifou.

 

Levado ao centro médico e de lá para um hospital das redondezas, ele está consciente e queixando-se apenas de dores nos braços.

 

A corrida teve de ser interrompida por 56 minutos, e a vitória acabou nas mãos de Giorgio Pantano, seguido por dois brasileiros: Lucas di Grassi e Bruno Senna.

 

Viso conta com apoio financeiro do governo Chávez para correr. Será que agora o Vaticano vai querer canonizar o presidente da Venezuela?

Escrito por Fábio Seixas às 14h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Show de Rossi

Entre o treino oficial da F-1 e ligações para a Telefonica na tentativa inútil de conectar meu computador na banda larga, não consegui assistir à corrida da MotoGP, na Holanda. Vi apenas alguns momentos, que não me dão muita base para comentários, pitacos e quetais.

 

Escrevo, então, com base no resultado e no que li em sites especializados.

 

Vitória de Rossi. Daquelas com a marca do italiano: saindo de trás, em 11o, e atacando quem aparecesse pela frente. Na quinta volta, ele já era o quinto colocado. Na oitava, terceiro. Na 12a, após cravar o melhor tempo da corrida por três voltas seguida, assumiu a vice-liderança, deixando Hopkins para trás.

 

Na 14a, enfim, Rossi alcançou o líder. Stoner, seu grande adversário pelo título. Foram oito voltas de perseguição e, então, o bote fatal. A liderança. Rossi ainda conseguiu abrir 1s909 até a linha de chegada. A vantagem do australiano na ponta do campeonato caiu para 21 pontos.

 

Barros foi sétimo. E vou ter que dar um jeito de assistir à essa corrida.

 

(Ainda na conexão discada, já que seis horas não são suficientes para a Telefonica resolver um problema técnico. Já tenho três números de protocolo aqui, que não sei bem para que servem.)

Escrito por Fábio Seixas às 14h15

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Massa, pole, favorito, favoritaço

Será que Magny-Cours, onde o Brasil nunca venceu, assistirá a uma vitória verde-e-amarela justamente na sua despedida da F-1?

 

As chances são gigantescas.

 

Com um desempenho muito, muito bom, buscando tempo quando precisava e sem precisar lançar mão de arroubos de agressividade, Massa conquistou a pole position para o GP da França. A sétima de sua carreira, a quarta na temporada, a primeira em solo francês.

 

Hamilton sai em segundo, a 0s070. E o fato de ter dividido as duas Ferrari merece aplausos e elogios. Porque mostra, mais uma vez, o quanto esse inglês é bom. Neste fim de semana, ele não tem o melhor carro. Mesmo assim, deixou Raikkonen para trás.

 

O finlandês sai em terceiro, a 0s223 do companheiro de equipe.

 

Alonso? Vem vivendo um fim de semana daqueles... Não chegou a brilhar em nenhum treino livre. E, na abertura do último bloco da classificação, enfrentou um problema de motor e teve de se recolher aos boxes. A McLaren ainda não confirmou, mas, sem poder queimar a gasolina que levava no tanque, talvez a melhor opção para o espanhol seja trocar logo esse motor e largar lá no fundão, com uma estratégia kamikaze.

 

De resto, treino classificatório correu sem grandes sustos, sem grandes notícias, tudo dentro do normal.

 

Na primeira degola, dançaram Sutil, Albers, Davidson, Sato, Wurz e Liuzzi. Será que acabou o gás da Super Aguri? Onde foi parar todo aquele desempenho das primeiras corridas?

 

O mais rápido, Hamilton, que pela manhã havia feito o melhor tempo no terceiro treino livre, mostrando que a McLaren não está morta. Sua marca na abertura da sessão oficial, 1min14s805, 0s067 melhor que Raikkonen, o segundo. Massa foi o terceiro, seguido por Alonso.

 

Barrichello, com um carro que não vai de jeito de nenhum, escapou por pouco. Mas ficou no segundo corte, junto com Button. Também ficaram Ralf, Webber, Speed e Coulthard.

 

Novamente, Hamilton foi o melhor, mas agora com Massa no cangote, a 0s027. A briga pela pole position começava a se definir.

 

No último bloco, Massa mostrou que tinha o inglês sob controle. Em outras palavras: quando precisou, foi lá e fez o que tinha de fazer. A pole.

 

É favorito, favoritaço à vitória amanhã. O que enterraria de vez qualquer esperança de Raikkonen dentro da Ferrari neste Mundial. Mas um alerta, que com certeza o brasileiro leva em mente: Hamilton larga bem e precisará ser, mais uma vez, controlado.

Escrito por Fábio Seixas às 09h11

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O velho som do modem

O Speedy tentou, tentou, tentou evitar que este post chegasse aqui. Mas consegui achar, no fundo da mochila, aquele velho cabo cinza, meio amarrotado. E aqui estou, com a boa e velha conexão discada, atualizando o blog. Havia tempo eu não ouvia aquele barulhinho do modem.

 

Bom, o terceiro treino livre já é história, Hamilton foi o mais rápido. Daqui a pouco, o comentário sobre a definição do grid. Sinceramente, está difícil apostar em alguém. Acho que fica entre Hamilton e Massa.

Escrito por Fábio Seixas às 08h48

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Cursinho rápido de aerodinâmica

A melhor explicação sobre as modificações da Ferrari estão neste link, num trabalho bacana de computação gráfica da "Gazzetta dello Sport".
 
Além das asinhas à frente do cockpit, que, segundo vídeo, servem para direcionar melhor o fluxo de ar para o radiador, a F2007 traz um segundo elemento diferente na asa dianteira, mais alto e inclinado, aumentando a carga aerodinâmica, algo importante num circuito como Magny-Cours.
 
Há, ainda, um pequeno defletor no meio do conjunto da suspensão dianteira e novas asas traseiras. Vale a pena ver.

Escrito por Fábio Seixas às 15h56

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Cena rara

Hamilton explicou o problema que o deixou a pé por boa parte da primeira sessão. "O motor estava um pouco frio e o sistema de proteção entrou em ação, desligando tudo", disse o inglês.
 
Curioso que isso tenha acontecido justamente no dia em que resgatei o comentário de Mansell sobre os males da tecnologia na F-1.
 
Julgamentos e opiniões à parte, o "tilt" da McLaren gerou um cena rara para o personagem em questão...
                                                                                                         Fred Dufour/France Presse

Escrito por Fábio Seixas às 15h15

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Fala, Massa

Massa, aos repórteres brasileiros em Magny-Cours, questionado sobre o motivo da melhora da Ferrari:
 
"Talvez o trabalho que a gente tenha feito em Silverstone... Acho que talvez algumas coisas que a gente tenha entendido melhor e que funcionaram. Algumas coisas que não usamos nas últimas corridas porque seríamos muito lentos em reta... Também a pista, talvez favoreça o nosso carro. Eu virei meu melhor tempo com pneu novo. Então isso é um bom sinal para o treino oficial."
 
Em resumo, tudo encaixou.

Escrito por Fábio Seixas às 14h36

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Enquanto isso, na escolinha...

Na GP2, bom trabalho de Senna e Di Grassi, que conquistaram a segunda fila no grid, só atrás dos pilotos da iSport, Glock, o pole position, e Zuber.
 
Xandinho Negrão, o terceiro e último remanescente do grupo brasileiro que abriu a temporada, sai em 15o.
 
O que eles disseram, nos comunicados enviados por suas assessorias...
 
Bruno: “É a primeira vez que venho aqui. Estou contente pra caramba com esse resultado. Eu achava que poderia ir bem, porque Magny-Cours é uma pista rápida do jeito que gosto, mas não esperava tanto assim. Andei no limite o tempo todo e acho que não dava mesmo para fazer mais do que fiz”.

Lucas: “Fiquei metade do treino na frente, mas depois não conseguimos evoluir como os demais. O carro está bom. É questão de acertar alguns detalhes”.
 
Xandinho: “Sentimos o problema já nos treinos livres da manhã. Fomos obrigados a mexer na relação de marchas e o desempenho até que melhorou um pouco na tomada classificatória. Eu poderia ter virado mais rápido, mas cometi um erro no último setor com o segundo jogo de pneus novos. De qualquer forma, continuo tomando quatro décimos de motor do meu companheiro de equipe”.
 
A largada será às 11h de amanhã, horário de Brasília, com Sportv.

Escrito por Fábio Seixas às 13h40

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Novidade na Ferrari

Não deve ser só isso. Mas uma das novidades da Ferrari em Magny-Cours são essas asinhas à frente do cockpit...
                                                                                                         Fred Dufour/France Presse
 
Em entrevista aos repórteres brasileiros agora há pouco, Massa disse que o time já tinha algumas soluções aerodinâmicas na manga mas que não as usou em Montreal e Indianápolis porque "prejudicariam a velocidade em reta".
 
Acho que sabemos do que ele estava falando, certo?

Escrito por Fábio Seixas às 12h28

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ajuda local

Às vésperas do GP de Mônaco, o "Red Bulletin" lançou um concurso que provocou boas risadas no paddock e fora dele. O autor da melhor sugestão para o nome de uma vaquinha que vive nos arredores de Magny-Cours ganharia um pacote VIP para acompanhar o GP da França in loco.

 

Não consegui apurar qual foi o nome vencedor _se alguém achar em algum site por aí, me avise, por favor. 

 

Mas acho que descobri o segredo de Liuzzi e Speed para os tempos de hoje...

 

Escrito por Fábio Seixas às 10h40

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A volta do leão

Lembra do Pit Land Park, que a BMW e a Intel montaram em Montreal? Pois as duas empresas levarão o mini-parque para Silverstone.

 

O mais bacana é o piloto escalado para ficar dando zerinhos. Mansell. Que deixou a F-1, na sua última passagem por lá, por não caber no cockpit da McLaren. Mas que não deve ter problemas com a BMW. Ele está mais fininho, correu, e bem, na GP Masters. E, antes disso, em 2004, participou de uma exibição no centro de Londres, com um Jordan.


Eu estava lá e fiz uma entrevista com o inglês. Sem todo aquele aparato de assessoria de imprensa ao seu lado, foi direto e reto. Meteu o pau na tecnologia. E garantiu, apontando para mim: “Você pode largar como o Schumacher”. Eu? 

 

Bem, segue um trecho.

 

Folha - Ao contrário de muitos ex-campeões, você nunca aparece em autódromos. Como você acompanha a F-1 atual?

Nigel Mansell - Para ser sincero, eu assisto à largada, saio para fazer alguma coisa e depois volto para a chegada. Mas quase sempre sabemos quem vai ser o primeiro, certo? O Schumacher. Ele é fantástico. E não é ele que está estragando o esporte, como muita gente pensa. O problema também não está no regulamento esportivo. Está, sim, na tecnologia. No excesso de tecnologia.

 Folha - Mas a F-1 sempre foi um laboratório para isso.

Mansell - Não sou contra a tecnologia. Acho que algumas coisas têm lugar no esporte, outras não. Você já pilotou um F-1? Não? Pois com um pouco de treino, você faz uma largada igual à do Schumacher. O controle de tração nivela as largadas do melhor e do pior piloto do grid...

Folha - O que mais atrapalha?

Mansell - O câmbio automático. Não vou ficar comparando a turma da minha época com os pilotos atuais. Mas antigamente, quando eu errava uma marcha, alguém me ultrapassava. Quando o Ayrton errava, eu o passava. E era comum errar marchas, porque os homens são falíveis. Os computadores não. É uma pena, porque os torcedores perdem a chance de saber quem é quem. Também acho que deveria haver uma limitação de pit stops. Um por GP, para evitar essa chatice de ultrapassagens nos boxes.

Folha - Falando sobre pilotos brasileiros. O que você achava do Senna?

Mansell - Corri muito lado a lado com ele, tivemos disputas fantásticas. Quando eu estava em primeiro, sabia que ele era o segundo. E vice-versa. Achava que o Ayrton fosse à prova de balas.

Folha - E o Piquet?

Mansell - Tivemos sérios problemas, mas hoje dou risadas quando lembro de algumas coisas. São coisas já superadas.

Folha - Você tem alguma vontade de voltar a correr?

Mansell - Eu voltaria, sem nenhum problema, se não fosse essa rotina absurda de testes. Os pilotos testam todas as semanas, quase todos os dias. Isso eu não agüentaria mais. Mas sei que correria tranqüilamente um GP.

Escrito por Fábio Seixas às 10h02

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Magny-Cours, 2º treino livre

Foi o dia da confirmação. Da confirmação do crescimento da Ferrari após o fiasco das corridas na América do Norte.

 

O time italiano trabalhou sério. Era seriedade o que vi no rosto de Massa quando ele tirou a balaclava, na pesagem, e saiu caminhando rumo aos boxes após a segunda sessão de hoje. Nada de festa antecipada. Apenas seriedade.

 

O brasileiro terminou com o melhor tempo, algo que não acontecia desde a definição do grid na Espanha, naquele já distante 12 de maio.

 

O tempo de Massa, 1min15s453, apenas 0s035 melhor que Raikkonen. Os dois andaram no mesmo décimo de segundo o tempo todo.

 

E se Massa ficou na frente, não foi por falta de esforço do finlandês, que abusou, deu algumas belas rabeadas com sua Ferrari e acabou dando um longo e doloroso passeio pelo brita no final da sessão.

 

Em terceiro, Speed. Speed? É, guarde essa informação.

 

Em quarto, Hamilton, recuperando-se do tempo perdido no primeiro treino.

 

Em quinto, Liuzzi. Bom, lembra do Speed, em terceiro? Pois é, a Toro Rosso resolveu aparecer nos jornais e nas TVs nesta sexta-feira de céu nublado em Magny-Cours. Mas não se impressione, amanhã tudo volta ao normal.

 

Coulthard, da co-irmã Red Bull foi o sexto, seguido por Rosberg, em sétimo.

 

Ufa! Precisei chegar até aqui para falar do Alonso, apenas o oitavo colocado. O espanhol saiu várias vezes da pista, pilotou com a faca nos dentes, mas não saiu disso. A reunião na McLaren vai ser longa nesta tarde...

 

A conclusão? O treino oficial, amanhã, vai ser muito bom. E a corrida, melhor que as últimas, passeios de uma equipe só.

Escrito por Fábio Seixas às 09h43

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Magny-Cours, 1º treino livre

Pois é, não foi blefe. A Ferrari achou alguma coisa.

 

Sim, treino de sexta é treino de sexta, foi apenas a primeira sessão, a gente não sabe com quanto de gasolina cada um andou, teve gente que foi pra pista pensando na corrida e não na classificação, blablablá.

 

Mas o fato é que, mesmo com todas essas atenuantes, a Ferrari não estava conseguindo nas últimas sextas fazer o que fez nesta, no primeiro treino livre.

 

Raikkonen cravou o primeiro tempo, 1min15s382. Em segundo, Massa, a 0s065. Mas foi mais do que isso. A Ferrari dominou a sessão e em nenhum momento foi incomodada pela concorrência. Alonso foi o terceiro, a distantes sete décimos de segundo do finlandês. Em quarto, Rosberg, a 0s832, seguido por Coulthard.

 

Hamilton? Teve um problema no carro no início do treino, perdeu uma boa meia hora nos boxes e, quando voltou, não conseguiu mais do que o sexto tempo.

 

Kubica, de volta à ativa, foi o nono, duas posições atrás de Heidfeld. E Barrichello foi o 13o, uma à frente de Button.

 

Raikkonen e Massa vão manter esse desempenho? É a pergunta do dia.

 

Repito: a equipe achou alguma coisa no carro e melhorou. Pode até não ser suficiente para bater a McLaren no domingo, mas houve uma melhora e isso ficou claro.

Escrito por Fábio Seixas às 05h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sexta, coluna

A F-1 vai sair de Magny-Cours mas deve continuar correndo na França por muito e muito tempo. Minha aposta, em Paul Ricard.

 

Por quê? Esse é o tema da coluna de hoje na Folha, aqui, para assinantes do jornal e do UOL.

Escrito por Fábio Seixas às 05h29

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

How come? Como assim?

Mehmi Ahmadi, engenheiro iraniano da BMW impedido de entrar nos EUA para trabalhar na corrida de Indianápolis, está em Magny-Cours.
 
Até onde sei, o autódromo ainda não foi pelos ares.

Escrito por Fábio Seixas às 17h54

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Água fria

Alonso, Fisichella, Heidfeld, Montagny e Raikkonen foram os participantes da coletiva de hoje em Magny-Cours.

Separei dois momentos. Um de Alonso, outro de Raikkonen. Que mostram que o trabalho da Ferrari, semana passada, em Silverstone, talvez não tenha sido tão impressionante assim.
 
Pergunta: O fato de a F-1 voltar para a Europa faz alguma diferença para vocês?
Raikkonen: Espero que sim. Espero que isso provoque alguma mudança no resultado da corrida. Mas, como eu já disse, teste é uma coisa, corrida é outra, completamente diferente.
 
Pergunta: O quão preocupado você ficou com os tempos da Ferrari em Silverstone?
Alonso: Ah, nada. Nada mesmo. Nada.
                                                                                                Christian Lutz/Associated Press
Raikkonen e Alonso, lado a lado na entrevista coletiva e nas opiniões

Escrito por Fábio Seixas às 17h34

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ligue os pontos

1. Ecclestone não renovou o contrato da F-1 com Indianápolis.
 
2. Indianápolis está indo atrás de uma prova de MotoGP.
 
3. Ecclestone não irá a Magny-Cours.
 
4. Ecclestone está em Las Vegas.

Escrito por Fábio Seixas às 16h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Amém!

Quando você soube que Kubica saiu ileso do pancão em Montreal a expressão "milagre" veio à sua cabeça? Bom, veio à minha.
 
E talvez, tecnicamente, não tenhamos exagerado.
 
Referindo-se a uma alta fonte na Igreja Católica, a PAP, agência polonesa de notícias, informa hoje que Kubica pode ser chamado ao Vaticano para testemunhar no processo de canonização de João Paulo 2º.
 
O processo está sendo tocado pela diocese de Cracóvia, onde nasceram tanto o papa como o piloto, e por bispos em Roma.
 
"Não sei quem me salvou. Aliás, não sei nem se fui salvo por alguém ou por algo. O que importa é que estou em um pedaço só", afirmou Kubica, hoje, na chegada a Magny-Cours.
 
Seu capacete leva uma homenagem ao antigo sumo pontífice.

Escrito por Fábio Seixas às 11h53

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um GP molhado, enfim?

Ao que parece, Magny-Cours terá a chance de hospedar, na despedida, uma corrida emocionante, coisa rara por aquelas bandas.

meteorologia indica 60% de possibilidade de chuva forte no domingo na região de Nevers. Amanhã e sábado, o céu deve estar nublado.
 
Será? Parece muito bom para ser verdade...

Escrito por Fábio Seixas às 10h28

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Kubica volta

Kubica está de volta. Agora pela manhã, em Magny-Cours, ele passou pelo teste médico da FIA e foi liberado para correr. "Estou 100% em forma, ansioso pela corrida e satisfeito por só ter perdido Indianápolis", disse.

Ainda bem. Eu já havia mandado meus palpites para o bolão de que participo, cravando o polonês em quarto lugar.

Escrito por Fábio Seixas às 10h21

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Programe-se

E o Mundial retornou à Europa. Voltamos, portanto, ao "fuso padrão da F-1". Para quem ainda não decorou, segue a programação da categoria em Magny-Cours, horário de Brasília:
 

Sexta-feira

5h-6h30: 1o treino livre

9h-10h30: 2o treino livre

 

Sábado

6h-7h: 3o treino livre

9h-10h: Treino oficial

 

Domingo

9h: GP da França, 70 voltas

Escrito por Fábio Seixas às 10h14

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ah, o português (3)

Ligaram do banco.
 
Era a gerente-chefe da agência, cargo assim. Começou reclamando do tom do e-mail (ctrl c + ctrl v do primeiro post), dizendo que era muito irônico. "É melhor do que ser mal-educado", respondi.
 
Contou que os e-mails chegam aos gerentes pela intranet. Tentou me explicar o que era intranet, mas eu disse que sabia do que se tratava. E falou que a intranet do banco não permite acentos, o que já, em si só, um fato absurdo.
 
"Mas e a concordância verbal?", questionei. Não houve resposta.
 
Falou que o lema dos gerentes é "atender para depois vender". Eu retruquei dizendo que as coisas andavam invertidas por lá.
 
Bom, não troquei de banco _pura preguiça burocrática, admito. Mas me trocaram de gerente. Espero melhor sorte.
 
Ah, sim... Não soube me explicar o "áááá".

Escrito por Fábio Seixas às 17h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bernie nas livrarias

Leio no site da "Autosport" que a biografia autorizada de Ecclestone será lançada no outono inglês _nossa primavera aqui.
 

Não bastasse o fato de ser oficial, a autora do livro é Susan Watkins, mulher de Sid, o histórico médico da F-1. Os Ecclestone e os Watkins são muito chegados, diz a revista.
 
Sei não, posso mudar de idéia, mas estou inclinado a não ler. E se eu ler, será por mera obrigação profissional.
 
Ecclestone é o tipo de personagem cuja biografia não-autorizada seria muito, mas muito mais saborosa do que um livro escrito por uma amiga pessoal.

Escrito por Fábio Seixas às 17h09

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Prost, Alonso e a síndrome do ex-filho único

O sujeito era bicampeão do mundo e estava feliz e contente na McLaren até que um moleque apareceu para atazanar sua vida.

 

Aconteceu em 1984, com Lauda, quando da chegada de Prost. Aconteceu em 1988, com Prost, quando da chegada de Senna.

 

Não por coincidência, o francês declarou, em um evento da TAG-Heuer, que entende o drama que Alonso vem enfrentando hoje.

 

“Sempre que aparece um piloto jovem disputando com outro que já está vencendo há algum tempo, toda a atenção da mídia e todo o apoio da torcida vão para o garoto. Sempre foi assim. Foi o que aconteceu comigo, contra o Lauda. Foi o que aconteceu com o Ayrton, contra mim. É apenas um sentimento, mas é difícil lidar com isso. Senti isso na pele. Mesmo que não seja verdade que a equipe esteja favorecendo Lewis, e tenho certeza de que não está, é duro para o Alonso deixar de pensar nisso. Você acha que é filho único, e de repente aparece outro e você pensa que gostam mais dele do que de você.”

 

Direto ao ponto, o francês. Acho que foi a declaração mais sensata que já li sobre o que está acontecendo por lá.

Escrito por Fábio Seixas às 09h57

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A volta de Brawn

Até que enfim uma notícia com fundamento nesta semana até agora morna, que pouco lembra as vésperas de um GP.

 

A imprensa alemã informa hoje que Brawn será anunciado em breve como novo chefe da Ferrari, ocupando a vaga de Todt, cada vez mais um executivo dentro do grupo, também encarregado da Maserati. Schumacher seria uma espécie de braço-direito do inglês na nova estrutura.

 

Isso, sim, faz todo o sentido. A conferir.

Escrito por Fábio Seixas às 09h29

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Falta um

O post sobre o desfile dos carros da Corrida Maluca fez sucesso ontem. E pesquisando a internet, encontrei duas estrelas que faltavam, o Cupê Mal-assombrado, dos Irmãos Assombrados, e o Carro Tronco, de Rufus, o Lenhador.

 

Ainda assim, falta um. Qual é? Será que ele não apareceu? Pelo menos neste vídeo ele não está.

 

 

 

Ah, sim: no post anterior, Fábio, Túlio, Janus e Marcelo foram 100% precisos e ganharam uma empadinha. Entendam-se, agora, para dividir o prêmio.

Escrito por Fábio Seixas às 09h09

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

F-1 e pipoca

Explosão de popularidade é isso.
 
Com os ingressos de Silverstone esgotados, as salas de cinema serão a solução para os neo-fãs de Hamilton Inglaterra afora.
 
Trinta salas do tipo "multiplex", espalhadas pela ilha, exibirão a corrida do dia 8 ao vivo. Ao todo, serão 7.000 lugares, ao preço de £15 cada, cerca de R$ 60. Caro? Muita gente não acha. Já há filas nas bilheterias.
 
Ah, sim, haverá um atrativo extra: a transmissão não será interrompida por comerciais, prática da ITV, emissora que transmite a F-1 por lá.
 
Não, nunca vi um GP numa tela de cinema. Mas que deve ser bacana, deve...

Escrito por Fábio Seixas às 23h06

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Hamilton é mais completo, diz Streit

Hamilton é mais completo, diz Streit

Foi muito legal e esclarecedor o papo com Roberto Streit no Pit Stop de hoje. A começar pela pronúncia do seu sobrenome. Fala-se "estraite" e não "estreite", como eu imaginava e como ele ficou conhecido no meio.
 
"Meu avô fica bravo", explicou, antes de o programa começar. Bom, longe de mim querer deixar alguém aborrecido...
 
Streit, que lidera o Japonês de F-3, falou muito sobre sua experiência do outro lado do mundo e sobre um quarteto da F-1 que conhece bem. Em suas andanças pela Europa, ele correu com Hamilton, Kubica, Sutil e Rosberg.
 
O primeiro, ele avalia, é mais completo. O segundo, mais agressivo.
 
Enfim, assista. O link está aqui, exclusivo para assinantes do UOL.

Escrito por Fábio Seixas às 19h19

Comentários () | Enviar por e-mail | Pit Stop em vídeo | PermalinkPermalink #

Ah, o português (2)

O Beto Traballi salvou a minha vida financeira. A partir de agora, acho que vou entender melhor as mensagens que minha gerente de banco manda para mim. Vou poder, quiçá, participar de bate-papos na internet e até mesmo me comunicar melhor no msn. A redenção, enfim. Tornar-me-ei um homem moderno!
 
Conheçam, amigos, a dica do Beto. Ou melhor, "KOnheXXam... mIguxXxUxXx... A dICAH Du bETu......"
 
Não entendeu nada? Clique aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 17h27

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Goodwood maluca

Eis que, misteriosamente, minha caixa de e-mails foi invadida com imagens do fim de semana em Goodwood.

 

Há muita coisa séria, e nos próximos dias prometo postar algumas dessas fotos por aqui. Mas, hoje, um pouco de descontração: dá só uma olhada nas belezinhas que desfilaram por lá.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lançado mais um desafio, valendo uma empadinha na já tão aguardada festa de um ano do blog, em setembro... Um a um, de cima pra baixo, você sabe identificar os personagens que subiram o morro de Goodwood?

Escrito por Fábio Seixas às 10h03

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pit Stop japonês

Hoje tem Pit Stop, no UOL News.

 

Com bancada cheia. Roberto Streit, líder da F-3 japonesa, é o convidado desta terça-feira. Na pauta, além das aventuras do carioca do outro lado do mundo, bate-papos sobre MotoGP, IRL e, claro, os palpites para o GP da França.

 

Quer participar com seus pitacos sobre tudo e com perguntas ao Streit? Mande seu e-mail para uolnewsformula1@uol.com.br

 

O programa hoje começa um pouquinho mais tarde, às 14h45. O link para assistir ao vivo é este aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 09h31

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

60 anni

E chegamos ao penúltimo capítulo de “60 Anni in 60 Simboli”. Que chega até a ser engraçado. Afinal, como fez por todo o livro, a Ferrari voltou a ignorar a F-1 numa temporada em que se deu mal nas pistas.

 

A homenagem foi para o “15.000 Red Miles Tour”, evento que a escuderia armou na China. A história e a imagem, de qualquer forma, são bacanas.

 

 

 

Por dois meses, de 29 de agosto a 29 de outubro de 2005, duas Ferrari Scagliettis rodaram 15 mil milhas (24.135 km) pelo território chinês. Além de mecânicos e engenheiros, a caravana era composta por uma equipe de relações-públicas e por mais de 50 jornalistas convidados pela marca.

 

O objetivo, óbvio: conquistar os neomagnatas do neocapitalismo de lá.

Escrito por Fábio Seixas às 08h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ah, o português...

Tenho uma mesma conta em uma mesma agência de um mesmo banco há 14 anos, ali na praça Oswaldo Cruz, no começo da Paulista.
 
Pouquíssimas vezes precisei recorrer à gerência. A última delas aconteceu dia desses. O motivo, um cheque devolvido por problema na assinatura. Não entendi porque devolveram, assinei como sempre assino, mas isso não vem ao caso nem é a motivação deste post.

O fato é que, por meio do site do glorioso banco, mandei um e-mail pro(a) gerente, que não sei quem é. Recebi a seguinte resposta, ipsis litteris:
 
"ok,mas nao fui em que recusei o seu cheque, existe tres gerentes na ag. que recebe o cheque e e vistado nesse dia nao fui eu.ááá"
 
Algumas perguntas:
 
1. Custa escrever direito? Usar acentos, maiúsculas e minúsculas, como eu usei no e-mail que enviei, seria um bom começo... 
2. O que significa o "ááá" no final da mensagem? Um grito de desespero? Uma saudação? Um xingamento? Um urro de prazer?
3. Concordância nem pensar, não é?
4. Como o banco coloca alguém assim para cuidar do meu dinheiro? Na mesma linha: como essa pessoa chegou a gerente?
5. Devo encerrar minha conta imediatamente?

Escrito por Fábio Seixas às 16h29

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

No misto, Montoya

Montoya conseguiu ontem sua primeira vitória na Nextel Cup, a primeira divisão da Nascar. Foi, vejam só, a 16ª das 36 etapas da temporada!
 
Não vi. Mas, saindo em 32º, o colombiano só pode ter feito uma bela prova.
 
O site da "Autosport" descreve seu resultado como fruto da combinação de três fatores: "boa estratégia, algumas boas e limpas ultrapassagens e um pé direito pesado". Montoya em sua essência, portanto.
 
E não é coincidência que a vitória tenha vindo numa pista como Sonoma.

Preciso explicar mais alguma coisa?

Escrito por Fábio Seixas às 14h35

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O otimismo de Massa

A julgar pelo discurso de Massa, hoje, na "Gazzetta dello Sport", os tifosi podem colocar a champanhe para gelar.
 
"Fiquei muito feliz com os testes em Silverstone. No momento em que sentei no carro, percebi uma grande evolução em relação às últimas corridas. Estou bem otimista para os próximos GPs. Na minha opinião, conseguiremos ficar à frente da McLaren, nosso objetivo até o fim do ano. Percebemos o que não estava funcionando, a solução não é fácil, mas o campeonato não está terminado."
 
Será?
 
Acho difícil uma baita recuperação tão rápido assim. "Baita" porque foi essa a desvantagem para a McLaren em Mônaco, Montreal e Indianápolis. "Tão rápido" porque foram apenas três dias de testes.
 
Blefe, bravata ou jogo aberto , a dúvida começa a ser respondida na sexta-feira.

Escrito por Fábio Seixas às 14h04

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A foto

A foto

Você não viu a corrida da IRL ontem? Tudo bem. A imagem eleita do fim de semana sintetiza o que foi a etapa de Iowa.
 
Scott Sharp (carro nº 8) consegue evitar a confusão entre Danica Patrick (7), Ed Carpenter (20) e Sam Hornish Jr. (6). O autor do clique, o neto de John Gaps: John Gaps III, para a Associated Press.
 

Escrito por Fábio Seixas às 13h39

Comentários () | Enviar por e-mail | A foto | PermalinkPermalink #

Fim da linha

A FSM, equipe de Fisichella na GP2, acaba de oficializar o que todo mundo já sabia havia algumas semanas.

Antonio Pizzonia foi demitido da equipe e já não correrá em Magny-Cours. Mas seu substituto não será o venezuelano Ernesto Viso, como muita gente imaginava. O norte-irlandês Adam Carroll ficará com a vaga.
 
"A equipe gostaria de agradecer Antonio por sua contribuição e especialmente pelo seu trabalho com o acerto e desenvolvimento do carro na pré-temporada", diz o comunicado frio e seco do time.
 
Bem-vindo à Stock, Antonio.

Escrito por Fábio Seixas às 12h50

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Meninos do Brasil

Em corridas de duas importantes categorias-escola, no fim de semana, um brasileiro se deu bem, outros nem tanto.
 
Na F-3 inglesa, Alberto Valério foi terceiro colocado em Monza, seu quarto pódio no ano. Na segunda prova do dia, chegou a ocupar a segunda posição, cravou o novo recorde da pista, mas teve de entrar nos boxes para trocar o bico e terminou uma volta atrás dos líderes. O outro brasileiro na categoria, Mário Ermírio de Moraes, foi nono e 14º.
 
Já na F-BMW alemã, Pedro Bianchini (foto) enfim estreou. Afastado das pistas desde o acidente em Oschersleben, em março, o garoto de 15 anos largou em sétimo, ontem, na pista de rua de Norisring, mas levou um toque na suspensão traseira e teve de abandonar. Hoje, saiu em 12º, terminou em 14º.
                                                                                                                               Divulgação
 
Valério, Moraes, Bianchini... Últimos exemplares de uma raça em extinção: jovens pilotos brasileiros tentando a sorte na Europa. Porque, agora, somos um país que só se preocupa em construir autódromos. Para a Stock Car e para corridas de caminhão, talvez, porque é apenas isso que resta por aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 20h52

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O país dos autódromos

Depois de Itupeva, Cabreúva, Taubaté e Guarulhos, outra cidade paulista revelou seus planos para construir um autódromo: São Bernardo do Campo. A dica foi do bom Blog F1 Grand Prix.
 
Como todos os outros projetos, não será uma mera pistinha de corrida. Claro que não! Está pensando o quê? Que mora num país modesto?
 
O plano é de um megacomplexo, às margens da rodovia dos Imigrantes, próximo à represa Billings. Segundo o texto publicado no portal da prefeitura, "vai abrigar um centro de exposições e convenções, parque temático, autódromo, shopping automotivo, museu do automóvel, pista de golf, espaço náutico, além um complexo hoteleiro". Uau! Brasil-sil-sil!
 
A papelada foi mostrada para a ministra do Turismo, Marta Suplicy, na última terça. Junto, claro, foi a conta. A obra consumiria US$ 300 milhões, "verba dos governos municipal, estadual, federal e iniciativa privada".
 
Logo na largada, um erro. Mais um, nesse esporte nacional que é errar valores de orçamentos: US$ 300 milhões soa exagerado.
 
Foi exatamente esse o preço do autódromo de Xangai, um arroubo de ostentação, um exagero a olhos vistos, um desperdício sem nome.
 
Ou seja, o plano na região do ABC é mais um que não vai existir.
 
Um dos piores filmes de todos os tempos, não sei se vocês conhecem, é "The Swimmer", com Burt Lancaster. O ator vive um publicitário que de repente tem um impulso qualquer e sai cruzando sua cidade,  Connecticut, pulando de piscina em piscina. "Somos um país próspero, cheio de piscinas", parece ser o mote americanóide-bobo da película.
 
 
Pois lembrei desse lixo hoje. Tivessem saído do papel todos os autódromos anunciados nos últimos dez anos, acho que poderíamos cruzar o Estado de São Paulo, quiçá o país, pulando de pista em pista.
 
Mas, não, não me espanta que haja gente tentando nos convencer desses projetos mirabolantes. Esses "consórcios da iniciativa privada" que vira-e-mexe inventam megacomplexos por aí certamente têm seus interesses em lançar projetos fantasmas. Certamente ganham algum com isso, de alguma forma que não imagino qual seja.
 
O que me espanta é que tem gente que acredita.

Escrito por Fábio Seixas às 17h36

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Batidas e pisadas de bola

"A cada volta bate um."
 
Pois é, peguei-me lançando essa, na redação da Folha, no começo da prova da IRL em Iowa, a célebre Iowa Corn Indy 250 presented by Ethanol.
 
Sim, um exagero. Mas não tanto. Na 150ª das 250 voltas, apenas 9 dos 19 que largaram ainda estavam na pista. Ok, Dixon e Wheldon também estavam, mas, respectivamente, 77 e 105 voltas atrás dos líderes. Eram virtuais, portanto.
 
Vitória de Franchitti, com Andretti em segundo e Sharp em terceiro. O escocês vem se firmando prova a prova como o maior candidato ao título, e a prova de hoje pode ter sido vital: seus principais concorrentes na tabela abandonaram.
 
Entre os brasileiros, Meira chegou a liderar, mas despencou, como de hábito, e deixou a prova com problemas mecânicos. Kanaan bateu e também abandonou. Helinho teve que trocar o bico e terminou quatro voltas atrás.
 
Destaque para mais uma pisada de bola da Bandeirantes. Os caras promovem a corrida a semana toda na TV, colocam anúncio nos jornais e depois cortam para o futebol faltando menos de 15 voltas para o final?? Toda hora isso.
 
Atrasos são intrínsecos no automobilismo, principalmente numa categoria como a IRL, mais ainda em corridas em circuitos ovais, sujeitas a bandeiras amarelas.
 
Se é para não completar a transmissão, que não a iniciem. Se não bancam seu produto, que o deixem para outra emissora. Se não estão preparados para transmitir automobilismo, que não o façam. 
 
Porque fica feio. E está se tornando folclórico. No mau sentido. 

Escrito por Fábio Seixas às 15h23

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Enquanto isso, lá longe

Batalhador lá do outro lado do mundo, João Paulo Oliveira conseguiu um belíssimo resultado hoje em Sepang, na Malásia.
 
Largando em 14º na quarta etapa do Campeonato Japonês de Super GT, o brasileiro alcançou a liderança depois de 15 voltas. E foi assim, líder, que entregou o Nissan Fairlady Z para seu parceiro, Seiji Ara, na 33ª volta.

O japonês manteve a ponta e, com o resultado, a dupla subiu para a oitava posição na tabela, faltando cinco etapas para o fim do campeonato.
 
Um campeonato que tem nomes conhecidos, que já correram ou já flertaram com a F-1, como Ralph Firman, Toranosuke Takagi, Andre Lotterer, Naoki Hattori e a anta sueca, Bjorn Wirdheim.
 
E falando em Japão, outro batalhador por aquelas plagas ocupará a bancada do Pit Stop, na próxima terça-feira.
 
Roberto Streit, líder da F-3 japonesa e que está de passagem por aqui, será uma das atrações do programa. Se você quiser aproveitar o domingão para já mandar sua pergunta e/ou seu comentário, o e-mail é uolnewsformula1@uol.com.br

Escrito por Fábio Seixas às 14h26

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Passeio de domingo

Ufa!
 
Começaram a chegar as primeiras fotos lá de Goodwood. Bom, sejamos honestos: até agora só chegaram fotos de Hamilton. Emerson, Mass, Gil, Moss, Mason, Button, Coulthard, Davidson? Esquece.
 
Enfim... Choveu por lá (grande novidade!), o que tirou um pouco do brilho do evento, mas de qualquer forma é curioso ver uma imagem como essa: um carro de 2006, guiado pelo protótipo de piloto moderno, num cenário de corrida antiga, com a pista cercada por blocos de feno.
                                                                                                           Max Nash/France Presse
 
Chegando mais imagens, posto aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 13h09

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um bom conjunto, e uma mão na taça

Na pista úmida de Donington, a quinta vitória de Stoner na temporada. Pouco a pouco, a taça, que estava dividida, começa a ir para as mãos do australiano. Porque, por melhor que seja, Rossi não consegue, só no braço, superar as deficiências do conjunto Yamaha-Michelin.

 

Nas mãos de um piloto que tem cara de moleque e que de repente ficou inspirado, o duo Ducati-Bridgestone vem se mostrando sólido, muito sólido.

 

Pole, Edwards terminou em segundo, 11s7 atrás do vencedor. Vermeulen, que largou em 12o, veio almoçando todo mundo, ultrapassou o italiano no finalzinho e completou o pódio.

 

Barros,com uma ultrapassagem sobre Pedrosa na última volta, terminou em sétimo. É o oitavo no campeonato, resultado muito bom.

 

Lá na frente, Stoner, com 165 pontos. Rossi tem 139. Faltam dez etapas. Se Rossi virar, tornará mais difícil ainda a busca por adjetivos para qualificá-lo.

Escrito por Fábio Seixas às 09h06

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.