Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

Entreguem a faixa de campeão

Absoluto já há algum tempo no campeonato, Stoner foi absoluto, também, no treino em Brno.

 

Cravou a pole, com 0s280 de vantagem para Hayden. Pedrosa sai em terceiro.

 

Quase não teve graça. O australiano foi pra pista, fez seu tempo, voltou pros boxes, ficou esperando. Ninguém conseguiu superar a marca, mais uma pole pro bolso.

 

Rossi sai em sexto. Barros, em 13º.

 

Este título já é de Stoner, vamos pensar em 2008.

Escrito por Fábio Seixas às 12h27

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A caixinha de 30 anos

Dia desses, o Gordini me deixou na mão. Estava indo para o jornal, fim de manhã de uma segunda-feira, e o carrinho parou em plena alça de acesso da avenida do Estado para a ligação Leste-Oeste.

 

Se você não conhece São Paulo ou nunca passou por esse pedaço da cidade, saiba: não é exatamente um bom lugar para o carro quebrar.

 

Bom, liguei para um guincho e fiquei esperando o resgate. Nesse meio tempo, imaginei que o problema pudesse ser falta de gasolina. Parei um motoboy e contratei um freelance: 10 minutos depois, ele já estava de volta, tentando equilibrar um galão sobre o tanque da moto.

 

Enquanto me ajudava a abastecer e a molhar a carburador, o motoboy colocou o capacete no “batente” do viaduto. Daqui a pouco, ouvimos um xingamento distante... Com o vento, o capacete caiu, quase acertando um gari lá embaixo. Desculpas dadas, capacete arremessado pelo gari de volta ao andar de cima (quase acertando um outro carro que passava), descobri duas coisas.


A primeira, o problema não era gasolina. A segunda, eu não tinha R$ 5 pra reembolsar o motoboy. Que não esquentou e ainda me deixou um cartão de visitas: “Alan, motoboy e estudante de direito”. Se alguém estiver precisando de um, me avise, o rapaz é gente boa.

 

Enfim, o guincho chegou. E levou o Gordini à oficina dos Finotti, mestres com carros antigos. À tarde, Nenê Finotti me liga: “A tampa do distribuidor está rachada, você precisa comprar outra”.

 

E lá fui eu, pela Barão de Limeira e pela Duque de Caxias, atrás de uma tampa de distribuidor para o Gordini.

 

Todo esse prólogo foi para falar do meu achado. A Guimacastro.

 

Lojinha modesta na rua General Osório, quase esquina com a São João. Uma viagem no tempo. Nada de computador, nada de prateleiras de alumínio e luzes neon. Três senhores, um deles batucando uma máquina de escrever, aquele tec-tec gostoso. Um deles vem me atender. Explico o problema, mostro a peça. Ele pega um catálogo em alemão, páginas amareladas, encontra o modelo certo. Ouço um “espera um minutinho, meu filho”.

 

Ele some para os fundos da loja. Demora uns 5 minutos. Daqui a pouco, surge do corredor escuro, com um sorriso de satisfação e uma caixinha empoeirada na mão. Pega uma flanela sobre o balcão, limpa a caixa. “Aqui está.“

 

Sim. Um peça fabricada há mais de 30 anos, intacta, perfeita, zero quilômetro, dentro da caixa. O preço, R$ 15. “Vocês têm Visa Electron?”, perguntei, já sabendo da resposta.

 

Não, eles não tinham. Nem Redeshop. Nem cartão de crédito. Ainda bem. Que continuem assim, com um delicioso jeito de passado.

Escrito por Fábio Seixas às 09h35

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Turbulência à vista

Em seis dias, a McLaren irá duas vezes à Corte de Apelações da FIA.


A entidade anunciou agora pela manhã que o recurso da equipe contra a punição na Hungria será julgado no dia 19 de setembro. No dia 13, acontecerá o julgamento do apelo da Ferrari no caso da espionagem _representantes da McLaren presentes, claro.

 

Detalhe: entre uma audiência e outra acontece o GP da Bélgica, em Spa.

 

Previsão de dias turbulentos, muito turbulentos, e quentes, muito quentes, pela frente. Este campeonato está longe de acabar.

Escrito por Fábio Seixas às 08h48

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sexta, coluna

Sexta, coluna

Sabe quando tudo dá certo? Quando nada é capaz de te deter? Quando seu chefe te cumprimenta, seu time aplica goleada e a menina bonita te dá mole?

 

Hamilton sabe bem o que é isso. E é este o tema da coluna de hoje na Folha. Aqui, para assinantes do jornal e do UOL.

Escrito por Fábio Seixas às 08h34

Comentários () | Enviar por e-mail | Colunas na Folha | PermalinkPermalink #

O barquinho vai...

Você já tem planos para as próximas férias?

Que tal uma temporada no Kogo, o megaiate de Mansour Ojjeh que está no Mediterrâneo, com Hamilton e Sara aos beijos e abraços, à espera de Alonso?
 
 
Sim, o barquinho acima, com 72 metros de extensão, pode ser alugado. A diária, para passeios no Mediterrâneo, sai por € 420 mil, cerca de R$ 1,1 milhão. Mas você pode querer, sei lá, flanar pelo Caribe. Tudo bem, a diária fica só um pouquinho mais cara, exatos € 579.512, ou R$ 1,564 milhão.
 
Corra, antes que acabe. O link está aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 17h21

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mais um time B?

Coincidência ou não, começaram a pulular pela net, ontem, notícias sobre os planos da Prodrive para estrear em 2008.

 

Em suma, Richards estaria acertando com Dennis para correr como uma espécie de time B da McLaren. Um anúncio oficial, dizem, será feito em breve.

 

O curioso é a forma como isso seria feito. Com a tecnologia atual, a McLaren não precisaria mais produzir as peças em Woking e enviar para a parceira, em Milton Keynes. Tudo aconteceria via software.

 

O engenheiro da Prodrive receberia, sei lá, o pen drive com o desenho do defletor, carregaria no AutoCad, mandaria para a oficina de composite e, de lá, para as autoclaves. São três as autoclaves, hoje, na sede da Prodrive, que já produz componentes para algumas equipes da F-1.

 

Por caminhão, a McLaren só mandaria os chassis, no começo do ano, e os motores. Ah, sim... Mandaria também dois de seus pilotos, Pedro de la Rosa e Gary Paffett _talvez não de caminhão.

Pode até ser. Mas prefiro manter os olhos abertos para as situações da Spyker e da Super Aguri.

Escrito por Fábio Seixas às 08h31

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dormindo com o inimigo

Essa até que demorou para acontecer: segundo a “Auto Motor und Sport”, Ferrari, BMW, Renault e Honda começaram a questionar o fato de que a centralina eletrônica padrão para as próximas três temporadas da F-1 será produzida e distribuída pela McLaren Electronic Systems.

 

São dois os problemas.

 

O primeiro, de ordem técnica.

 

Essas equipes teriam enfrentado panes com o gerenciamento do motor e do controle de tração nos testes que já fizeram com as novas unidades.

 

Mas o maior problema é o segundo, de ordem ética.

 

As equipes não estão lá muito confortáveis em instalar em seus carros centrais eletrônicas produzidas por uma empresa acusada de espionagem industrial. Até porque não é só instalar o negócio e sair andando. Cada carro, cada motor, cada câmbio, cada controle de tração de cada equipe tem suas particularidades. Que terão que ser debatidas com a McLaren Electronic Systems, parte do McLaren Group, instalada em Woking, no prédio em que Dennis dá expediente.

 

“Como vou confiar numa empresa que está sendo acusada num escândalo de espionagem?”, pergunta Briatore à revista alemã. McLaren e FIA rechaçam as suspeitas. “A McLaren Electronic Systems é independente da equipe de F-1. As equipes sempre rejeitam novidades”, afirmou um porta-voz da entidade.

 

Pode até ser que o temor das equipe não se concretize. Mas por que complicar? Por que não eleger uma outra empresa qualquer, chinesa, indiana, norueguesa, americana, para fornecer a centralina? Para que arrumar rolo? Para que dar margem a suspeitas?

Escrito por Fábio Seixas às 11h13

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Uni-duni-tê

A Super Aguri, ou uma parte dela, estaria à venda, informaram sites mundo afora dia desses. Uma de suas principais patrocinadoras, SS United (que não imagino o que faça) resolveu dar calote, deixando Suzuki em maus lençóis.

 

Agora, surge a história, via comunicado oficial, de que a Spyker também está à venda. A montadora holandesa informa que “publicidade negativa sobre os valores de seus créditos a forçam a buscar fundos adicionais para garantir a liquidez da empresa e novos investimentos”.

 

Entre as alternativas para captar recursos está a venda da equipe de F-1.

 

Enquanto isso, nenhuma notícia sobre a estrutura que já deveria estar sendo montada por David Richards para que sua Prodrive estréie no Mundial em 2008, como anunciado.

 

É somar A e B. Para mim, não é coincidência.

Escrito por Fábio Seixas às 10h27

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Tsc, tsc, tsc

Depois de Massa dizer que tem uma boa convivência com Raikkonen e que isso é confortante, o “Motorsport Aktuell” publica hoje entrevista com o finlandês dizendo que a briga interna da McLaren é uma das esperanças da Ferrari na disputa pelo Mundial.

 

A outra, melhorar a confiabilidade da F2007.

 

A que ponto chegou a Ferrari...

Escrito por Fábio Seixas às 10h02

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A Stock das Arábias

Campeonato de automobilismo, para mim, é como pista nova: só acredito vendo.
 
Pois hoje vi. Depois de meses lendo comunicados cheios de promessas, enfim recebi fotos da tal Speedcar, cuja primeira temporada começa em novembro em países da Ásia e do Oriente Médio. O plano é ter 24 carros no grid.
 
A categoria foi oficialmente lançada em Dubai, com o indiano Karthikeyan e o indonésio Soeprapto fazendo demonstrações. Os grandes nomes, até agora, são Alesi, Herbert, Johansson, Katayama e Morbidelli, que já assinaram contrato.
 
A filosofia é antiga: aproveitar o público carente nas férias da F-1... Quem está por trás do negócio? Sim, ele. Ecclestone. Ou seja, vai sair MESMO.
 
O carro? Chassis tubular, motor V8, 6 litros, 620 cavalos, quatro marchas, em H.
 
Achei meio feio, principalmente a traseira.
                                                                       Fotos Paul Velasco/Reuters
 
 
 
A temporada começa em 3 de novembro, no Bahrein.

Escrito por Fábio Seixas às 19h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pit Stop no ar

Pit Stop no ar

Já está no ar o Pit Stop desta terça-feira.
 
A F-1 está de férias, mas não faltou assunto: a "escapadinha" de Hamilton com a filha do chefe, o troca-troca de pilotos, a barbeiragem da Honda com o túnel de vento e por aí vai.
 
Vicente Toledo Jr. e eu também conversamos sobre IRL, MotoGP, Stock Car...
 
O link para assistir está aqui, para assinantes do UOL.

Escrito por Fábio Seixas às 15h30

Comentários () | Enviar por e-mail | Pit Stop em vídeo | PermalinkPermalink #

Harakiri

Que beleza!

 

Estamos em agosto. Já se foram 11 das 17 etapas da temporada. Quem fez, fez. Quem não fez, perdeu o ano.

 

Pois bem. Só agora, vejam que gracinha, a Honda descobriu que seu milionário túnel de vento estava descalibrado. Ou seja, todas as peças que passaram por lá nos últimos meses saíram erradas.

 

A descoberta foi de Loic Bigois, ex-Williams, e John Owen, ex-BMW, contratados em meio ao Stepneygate. E a notícia foi dada ao mundo por Barrichello, na coluna que escreve para o seu site.

 

Na semana da corrida da Hungria fui até a fábrica, na Inglaterra, visitar os dois dos novos aerodinamicistas que irão trabalhar conosco: Loic Bigois, que veio da Williams, e John Owen, da BMW. As duas equipes com resultados expressivos neste ano. Tivemos uma conversa longa e minha impressão foi ótima. Ouvi deles exatamente o que esperava ouvir e eles acreditam que o nosso túnel de vento está com a calibragem errada e daí todos os desenvolvimentos deste ano não terem resultados efetivos.”

 

Um ano jogado no lixo, portanto. Uma vergonha. Imagino que o executivos no Japão devam estar dando pulos de felicidade...

Escrito por Fábio Seixas às 09h56

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Futurologia?

A dica é do Márcio, em comentário no post sobre o Montoya: chegará em breve às livrarias do Reino Unido mais um livro sobre Hamilton. Até aí, nenhuma novidade. Como eu disse, é “mais um” _sim, já existem outros.

 

 

O busílis está no seguinte trecho da sinopse do livro, na Amazon: “Lançado na F-1 de maneira descompromissada e repentina por Ron Dennis, Hamilton foi coroado campeão no Japão, em outubro, logo na sua temporada de estréia, em 2007”.

 

Futurologia? Provocação? Deslize? Bobeira?

 

Curioso, pelo menos, é.

Escrito por Fábio Seixas às 09h34

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pancadaria no Pit Stop

As pancadas de Franchitti e de Montoya (diferentes, mas pancadas mesmo assim) serão alguns dos temas do “Pit Stop” de hoje, ao vivo, às 14h30, aqui.

 

Para participar com perguntas, sugestões, críticas, ofertas de dinheiro, escreva para uolnewsformula1@uol.com.br

Escrito por Fábio Seixas às 09h16

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O dia da Divina

Hoje, 13 de agosto, é aniversário de Divina Galica. Uma das cinco mulheres que tentaram correr na F-1.
 
Inglesa, Divina sempre foi uma esportista nata. Aos 20 anos, esquiadora, disputou a Olimpíada de Inverno de Innsbruck, na Áustria. Repetiu a dose em Grenoble, na França, e em Sapporo, no Japão. Sustentou, por algum tempo, o recorde de velocidade downhill: 201,125 km/h.
 
No anos 70, então, decidiu enveredar para o automobilismo. Correu de kart, Turismo, caminhões, F-Renault, F-Vauxhall, F-2 e, por três vezes, tentou se classificar para corridas de F-1.
 
A primeira tentativa, em Brands Hatch-76, pela Surtees. Foi a 28ª, mas só largavam 26. A curiosidade é que outra mulher, Lella Lombardi, também tentou se classificar e não conseguiu _fez o 30º e último tempo.
 
Dois anos depois, a convite de lorde Hesketh, tentou novamente a F-1, nas duas primeiras etapas do campeonato: Argentina e Brasil. Também não deu em nada.
 
Um detalhe curioso são os números dos carros que Divina usou na F-1. Na Surtees, o 13, deixado de lado pela maioria dos pilotos e abandonado na categoria há tempos. Na Hesketh, ela pilotava o carro 24.
 
Hoje completando 61, Divina trabalha na iRacing, empresa americana que cria simuladores de corridas. É da iRacing sucessos como o Nascar Racing 2003 e o Grand Prix Legends.
 
Depois dela, só Desiré Wilson, em 80, e Giovanna Amati, em 92, tentaram a F-1. Não sei o que a Red Bull está esperando para chamar a Danica. Na contabilidade marketing + resultado na pista, ela daria lavada em Webber.
 
Ou não?

Escrito por Fábio Seixas às 18h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A foto

A foto

Dizem, e eu concordo, que um dos problemas intrínsecos do automobilismo é não ver o rosto do pilotos. Os capacetes privam os espectadores de acompanhar as expressões de luta, de alívio, de raiva, de tristeza dos seus heróis.
 
A foto abaixo, de Ed Reinke, da Associated Press, desmistifica um pouco isso. Ou você não consegue imaginar a cara do Tony após a segunda vitória seguida?
 

Escrito por Fábio Seixas às 11h22

Comentários () | Enviar por e-mail | A foto | PermalinkPermalink #

Viva o OWG!

Aleluia, irmãos! O OWG chegou para nos salvar!
 
Você não sabe o que é isso? Sem problemas. Até 10 minutos atrás, eu também nunca tinha ouvido falar nisso.
 
OWG é a sigla para Overtaking Working Group. Ou Grupo de Trabalho sobre Ultrapassagens. Segundo a "Autosport", um grupo formado por engenheiros de várias equipes que está debruçado há meses sobre propostas com o objetivo de trazer as ultrapassagens de volta à F-1.
 
Em junho e julho, projetos de novos difusores foram estudados em túneis de vento. Uma opção se sobressaiu. E o martelo foi batido numa reunião em Budapeste.
 
O tal difusor deve ser implantado a partir de 2009. E a partir de 2010, a idéia é abolir defletores, asinhas e outros balangandãs. Ufa!
 
Entre os cabeças do grupo, Paddy Lowe, da McLaren, Pat Symonds, da Renault, e Rory Byrne, agora consultor da Ferrari.
 
Que merecerão estátuas na place de la Concorde caso sejam bem-sucedidos. Eu colaboro com a vaquinha.

Escrito por Fábio Seixas às 11h04

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Perguntinha

Será que um ainda guarda a foto do outro no celular?
                                                                          Fernando Bustamante/AP
 
Alonso e Hamilton, na apresentação do MP4-22, em Valencia, no dia 15 de janeiro: carro novo, macacões limpos, uma linda amizade que começava...

Escrito por Fábio Seixas às 14h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Vitória e barbeiragem

Será?
 
Kanaan, pelo menos, está tentando. Ontem, em Kentucky, o baiano venceu pela quarta vez na temporada e pelo segundo fim de semana seguido. Mantém-se em terceiro no campeonato, mas agora a 52 pontos de Franchitti, o líder _entre os dois, Dixon. Restam três provas para o fim do campeonato: Sonoma, Detroit e Chicago.
 
Será?
 
Bom, pelo menos Kanaan está em posição confortável, assumiu o papel de franco-atirador: "Gosto disso. A pressão não está em mim. É claro que é muito difícil conquistar este campeonato, mas o melhor que posso fazer é continuar ganhando corridas. De agora em diante, sou um caçador".
 
A prova foi razoavelmente tranqüila. Kanaan teve um quiprocó com Castro Neves, retardatário, Hornish e Danica rodaram, Wheldon bateu e Franchitti perdeu a chance de lutar pela vitória ao escorregar numa curva e perder seis posições.
 
Ah, sim... O líder do campeonato parece disposto a roubar de Jim Clark o título de escocês voador. Depois de decolar em Michigan, repetiu a dose em Kentucky. Com as diferenças de que a rampa de lançamento desta vez foi Kosuke Matsuura e de que, veja só, a corrida já estava encerrada.
 
Barbeiragem das bravas.

Escrito por Fábio Seixas às 13h37

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.