Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

E a Indy?

Pra não falarem que esqueci da Indy, falemos da Indy.
 
Que, pelo menos nos treinos, viu a Ganassi sobrando. Não fosse o detalhe de que o circuito tem um muro, Wheldon provavelmente estaria na primeira fila com Dixon _ou, pensando melhor, teria parado em Coconut Grove.
 
Entre os brasileiro, Kanaan foi o que me pareceu mais constante nos treinos. Sem Franchitti por perto, é ele a principal aposta da Andretti-Green para o ano.
 
Quem leva o campeonato?
 
Difícil dizer. A Ganassi também começou 2007 voando, mas depois perdeu altitude. Mas, é claro, o título não vai fugir do trio Ganassi-Andretti-Penske.
 
A grande sacada da Indy é permitir mais de dois carros por equipe. Do contrário, lembraria a previsibilidade da F-1 em alguns momentos...

Escrito por Fábio Seixas às 18h13

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Assim não

Na Indy Lights (como é bacana este nome!), a vitória foi do britânico Dillon Battistini.
 
E os brasileiros se estranharam.
 
No fim da prova, Raphael Mattos começou a perder posições e teria endurecido o jogo exatamente com Bia Figueiredo.
 
"Ele começou a me bloquear, o pessoal se aproveitou e passou os dois", disse Bia, sétima colocada, uma posição à frente do mineiro.
 
Tudo está no condicional porque, afinal, não falei com ele. Fato é que houve algum quiprocó.

Escrito por Fábio Seixas às 18h07

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Lorenzofobia

De volta da Austrália e da Malásia, Tatiana Cunha, repórter da Folha, me contou que os jornalistas espanhóis da F-1 estão morrendo de medo de Jorge Lorenzo.
 
O garoto, acreditam, tem tudo para se tornar o novo herói espanhol, obscurecendo, portanto, Fernando Alonso _ainda mais com a Renault do jeito que está.
 
O temor dos jornalistas é perder espaço, prestígio e, principalmente, algumas boquinhas do "world tour".
 
Pois hoje a turma deve ter ficado mais preocupada. Em sua segunda corrida na MotoGP, Lorenzo cravou a segunda pole. Mais: seu companheiro é Valentino Rossi. Mais ainda: a corrida é em casa, Jerez.
 
Seu arquirival local, Pedrosa, é o segundo. Rossi é o quinto. O atual campeão, Stoner, sai em sétimo.
 
Para a prova, amanhã, às 10h (de Brasília), com Sportv, é o favorito.
                                                                                                       Marcelo del Pozo/Reuters
Lorenzo, não muito preocupado com a opinião dos jornalistas da F-1
 
Pelo que Lorenzo está mostrando, e pelo que vi no Qatar, é bom o pessoal do "Marca", do "As", do "El Mundo Deportivo" começar a estudar um pouco sobre as duas rodas... O garoto é muito, muito bom.

Escrito por Fábio Seixas às 17h49

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sábado, reunião, plantão, coluna

Sábado, reunião, plantão, coluna

Quem me desculpem aqueles que não aguentam mais o assunto, mas acho que há bandeiras que precisam ser levantadas. Do contrário, caem, ficam sujas, tornam-se trapos.
 
Está acontecendo isso com o automobilismo brasileiro. Está virando trapo.
 
Não a Stock, mantida pela força de uma emissora da TV e de laboratórios genéricos. Falo mais uma vez das categorias de Fórmula, do descaso da CBA, do fato de não haver nenhum brasileiro no grid da F-3 inglesa.
 
A seca já chegou lá. Daqui a pouco, assola a GP2. E assim, se nada for feito, não haverá brasileiro na F-1 dentro de alguns anos.
 
O texto está aqui, para assinantes da Folha e do UOL.

Escrito por Fábio Seixas às 17h34

Comentários () | Enviar por e-mail | Colunas na Folha | PermalinkPermalink #

Balestre, 1921-2008

Jean-Marie Balestre morreu.
 
O ex-presidente da Federação Francesa de Automobilismo, da Fisa e da FIA tinha 86 anos e, até onde sei, morava no interior da França.
 
Controverso, sem papas na língua, de personalidade forte, fortíssima, Balestre comandou o esporte a motor mundial entre 1979 e 1993.
 
Por aqui, ficou célebre, no mau sentido, pelas rusgas com Senna. Em 1990, nas arquibancadas, ouvi Interlagos inteiro recepcionar o francês com um corinho não muito educado.

Escrito por Fábio Seixas às 14h07

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Joinha

O Mundial de Rali corre neste fim de semana na Argentina. E daí que Maradona foi hoje pra Córdoba, participar de uma promoção com a Citroën.
                                                                  Alejandro Pagni/France Presse
 
A pergunta é: onde iria parar Sébastien Loeb se o argentino realmente fosse seu navegador?

Escrito por Fábio Seixas às 17h54

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bicho bonito

O carro abaixo é um McLaren F1 LM. Atinge 362 km/h.
 
 
Foram produzidas apenas cinco unidades, em 1996. 
 
O valor de cada uma é estimado em US$ 4 milhões.
 
E, segundo a imprensa inglesa, é o "bicho" prometido por Ron Dennis a Lewis Hamilton caso o pupilo conquiste o Mundial este ano.
 
É o que chamo de motivação extra...

Escrito por Fábio Seixas às 13h31

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mais uma barbeiragem

Primeiro, o resumo do resumo: depois de voltar suas baterias contra a Linea, a Biland, os pilotos "rebeldes" e a Prefeitura de Guaratinguetá, a CBA decidiu nos últimos dias enfrentar a Prefeitura de São Paulo.
 
O motivo, o fato de o kartódromo de Interlagos ter sido alugado e usado pela Linea e pela Biland para a abertura do Paulista de Biland, no último fim de semana.
 
A CBA estrilou. E a Federação de Automobilismo de São Paulo, dócil cordeirinha, a seguiu. 
 
Ontem, a FASP anunciou em seu site que, em represália contra a SPTuris, órgão da prefeitura que administra Interlagos, abandonará o kartódromo em 2008.
 
Trecho da nota: "A empresa transformou a tradicional praça esportiva em um 'verdadeiro parque de diversões e local de provas piratas', como a realizada no último sábado, 22 de março. Sendo assim, a FASP decidiu transferir todos os eventos de seu calendário, antes marcados para o Kartódromo Ayrton Senna, para o Kartódromo Schincariol, em Itu, com a manutenção de todas as datas."
 
O contra-ataque veio hoje, em carta assinada por Roberto Seixas, que não é meu parente, mas que é o gestor do autódromo.
 
É uma aula. Entre outros pontos, a SPTuris esclarece que não realiza provas, que a Linea não é "pirata", como apregoa a CBA, e destaca os descontos que concede à mal-agradecida Fasp.
 

"A SPTuris, empresa responsável pela administração do Autódromo de Interlagos, esclarece que uma das principais preocupações desta gestão é transformar o espaço em um local atualizado, moderno e seguro por meio de diversas obras realizadas há três anos pela prefeitura e, principalmente, transformá-lo em um equipamento rentável e auto-sustentável.

 

Para tanto, realiza, além dos eventos automobilísticos, que têm a total prioridade desta administração, outros, que garantam subsídios próprios para a atualização e conservação de todo o espaço, que soma mais de um milhão de metros quadrados.

 

Tanto é verdade, que a FASP (Federação de Automobilismo de São Paulo), para a realização de provas tanto na pista oficial do autódromo  _10 por ano_, quanto no kartódromo Ayrton  Senna _3 por ano_  tem preços diferenciados, concedido pela SPTuris para que não haja inviabilização das categorias de base do automobilismo brasileiro (os valores cobrados são: R$ 8,75 mil para pista e R$ 1,65 mil para o kartódromo, ambos para 3 dias de prova). Para efeito de comparação, uma empresa para realizar um evento de período idêntico no autódromo, desembolsa R$ 69 mil. Uma etapa do campeonato nacional tem custo de R$ 43,8 mil.

 

Nesta semana, a FASP acusou a SPTuris de realizar 'provas piratas' em seu espaço e ainda transformar o local em 'parque de diversões', fatos que não procedem de nenhuma maneira.

 

A administradora do Autódromo José Carlos Pace não realiza provas, apenas loca espaços a toda e qualquer empresa, desde que a mesma apresente documentação legal, de acordo com a Constituição Federal e as leis em vigor no município,  sendo ou não filiadas às associações de classe.

 

O evento citado pela entidade federal, prova de kart realizada em 22 de março pela Liga Nacional de Esportes Automotores _Linea Brasil_ estava totalmente em conformidade com a legislação vigente e possuía ainda Agravo de Instrumento, que garantia sua realização, concedido em 13 de março deste ano, pela 14ª Vara Cível da Comarca do Rio de Janeiro. 

 

Por fim, a São Paulo Turismo não se opõe, de forma alguma, ao retorno das provas da federação ao kartódromo."

 

É, ficou feio pra CBA e pra FASP. De novo.

 

Agora, eu faço uma pergunta a esses dirigentes...

 

Se a SPTuris do kartódromo é a mesma SPTuris do autódromo, por que a federação não boicota também o autódromo?

Escrito por Fábio Seixas às 21h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

As 705 palavras de Massa

Massa falou. Falou bastante. Desabafou.
 
Em um verdadeiro manifesto de 705 palavras, publicado em seu site oficial, o brasileiro reconheceu que "a vida está mais difícil" sem o controle de tração, mas negou que isso tenha tido influência na rodada em Sepang.
 
"Mesmo tendo tempo para nos acostumarmos com a pilotagem sem ajuda eletrônica desde o final da temporada passada, as primeiras duas corridas de 2008 mostraram que isso pode provocar mais incidentes, rodadas e saídas de pista. A vida está mais difícil que antes. Manter o traçado e andar o tempo todo no limite e num ritmo consistente ficou mais complicado, mas não acho que tenha sido o motivo da minha escapada no último domingo. Tive uma quebra na Austrália e na Malásia tive problemas que não estão ligados ao controle de tração. Os carros estão definitivamente mais sensíveis, mas me sinto à vontade sem as ajudas eletrônicas e não tenho problemas com isso. Só teremos problemas de verdade sob condições de pouca aderência, mas não em situações como as que tivemos até agora", escreveu.
 
Disse ainda que seu início de temporada não está sendo como queria e afirmou que é "meio chato" disputar o Q3 com o combustível da largada.

A íntegra do texto está aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 16h11

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Quase nada

Começou a pré-temporada da Stock. São dois dias de testes.
 
Dois dias para experimentar novos pneus, o novo diferencial, para novos pilotos conhecerem suas novas equipes.
 
DOIS DIAS, isso mesmo!
 
Depois, é largar para a abertura do campeonato, em Interlagos.
 
Essa Stock... Tsc, tsc, tsc...

Escrito por Fábio Seixas às 12h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Menino da porteira

Outro dia postei aqui sobre o bom relacionamento entre Vijay Mallya, dono da Force Índia, e Eddie Jordan, fundador da equipe.

 

Mas isso já é passado.

 

A “Motorsport Aktuell” publica nesta semana uma história sensacional.

 

Jordan ainda é dono de terras em torno da fábrica que construiu, em Silverstone, e tentou vendê-las a Mallya. Não se sabe se o indiano fez jogo duro ou se o irlandês pediu alto demais. O fato é que não chegaram a um acordo.

 

Há um “detalhe” importante nesse rolo: para chegar à fábrica, é preciso atravessar um terreno de Jordan.

 

O irlandês não titubeou. Aproveitou a viagem da cúpula da equipe à Austrália e à Malásia e bloqueou a passagem com barreiras de concreto.

 

Ainda não há solução para o impasse.

Escrito por Fábio Seixas às 10h19

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

3 fatos, 3 não-fatos e 1 possível fato

Massa errou duas vezes, é fato.
Massa não pontuou em dois GPs, é fato.
Massa, prematuramente, pode ter começado a se complicar no Mundial, é fato.

Massa é mau piloto, não é fato.
Massa foi sacaneado pela Ferrari em Sepang, não é fato.
Massa já será mandado embora da escuderia, não é fato.
 
Massa não se adaptou ao fim do controle de tração, pode ser fato. 

Escrito por Fábio Seixas às 19h58

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bem-vindo de volta

Cristiano da Matta, que os mais antigos sabem ser um dos heróis deste blog, está de volta!
 
O mineiro testou um Pontiac na semana passada no Texas e será companheiro de Jimmy Vasser numa prova de GrandAm, em maio, em Laguna Seca.
 
É difícil mensurar o que isso significa.
 
Aconteceu em agosto de 2006. Eu estava em Budapeste, com a F-1, quando chegou a notícia da quase-morte de Da Matta. Sim, porque ele quase morreu. E isso chocou profundamente todos os que um dia já tiveram alguma relação com Da Matta.
 
Nesses meus anos de estrada, não houve melhor entrevistado do que o mineiro. Sempre sincero, às vezes à raia do constrangimento. Sempre divertido, mesmo que na lama. Sempre didático, mostrando um pouco do seu vasto conhecimento sobre a profissão de piloto, repertório que herdou de Toninho e que lapidou em monopostos na Europa e nos EUA.
 
Naquela tarde em Hungaroring, uma grande turma se reuniu no motorhome da Toyota para rezar. Às favas com as diferenças, as antipatias, as cores do uniforme. Todos ali, de mãos dadas, cada um com sua crença, queriam o mesmo: que Cristiano saísse daquela.
 
Não, ele não precisaria voltar a pilotar. Sobreviver já seria bom demais.
 
E, da quase-morte, Cristiano voltou à vida. Dez dias após o acidente, saiu do coma induzido. Pouco a pouco, começou a falar, a se lembrar das coisas, a reagir a estímulos. Voltou pra casa, voltou pros pais, pros irmãos, pra namorada, pro violão.
 
E como foi sensacional quando quatro meses depois, em dezembro de 2006, de férias em Guarda do Embaú, cruzei com Cristiano!
 
"A equipe tinha me chamado para os boxes, mas eu não estava desacelerando. Estava rápido, porque tinha umas coisas de freio pra testar. E vi aquele bichão na minha frente, andando todo posudo, mas não tive tempo de desviar. Não deu", disse, no encontro, ocasião que mereceu um post em edição extraordinária.
 
O último passo para voltar ao que considera uma vida normal, ele deu agora, dizendo sentir um alívio tremendo.
 
Bem-vindo de volta, Cristiano.
 
Bem-vindo de volta à vida que você sempre quis ter.

Escrito por Fábio Seixas às 17h43

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

E lá vai mais um Pit Stop

E lá vai mais um Pit Stop

Está aqui o Pit Stop de hoje, com muita conversa com os internautas sobre o GP da Malásia.
 
Curioso constatar que a grande maioria das perguntas não girou em torno da prova, mas foi em cima do desempenho de Massa na corrida.
 
O que eu achei? Muita coisa. Clique e veja.
 

Escrito por Fábio Seixas às 17h25

Comentários () | Enviar por e-mail | Pit Stop em vídeo | PermalinkPermalink #

A caminho dos boxes

Dia corrido. Bem corrido.
 
Saindo agora pro UOL, para mais um Pit Stop com Bate-Papo.
 
As instruções estão três posts abaixo. Conversamos lá, a partir das 14h30.

Escrito por Fábio Seixas às 12h50

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bateu saudade

Mais uma das F1 Girls...

Escrito por Fábio Seixas às 21h45

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Chororô de resultados

As reclamações de Coulthard deram resultado.
 
Pouca gente notou, mas a Red Bull mudou o posicionamento dos espelhinhos...

À esquerda, o antes: Melbourne. À direita, o depois: Sepang.

As fotos são do F1 Technical.

Escrito por Fábio Seixas às 21h31

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pit Stop + Bate-papo

A exemplo do que fizemos na semana passada, o Pit Stop de amanhã será interativo: um bate-papo com vocês sobre o GP da Malásia.
 
O programa começa às 14h30, aqui. As instruções para participar do chat estão aqui. Vamos lá, quero perguntas polêmicas!

Escrito por Fábio Seixas às 21h12

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A(s) foto(s)

A(s) foto(s)

Ah, o gosto da vingança...
 
É isso o que toda a turma de vermelho, na foto abaixo, deve ter pensado no momento registrado por Roland Weirauch, da agência Efe.
 
 
E peço licença para colocar mais uma imagem neste post, também uma sacada de Weirauch: o detalhe de Raikkonen, na tal foto da comemoração... 
 
 
Alegria, entusiasmo, gáudio, goivo, júbilo, regozijo? Não exatamente...

Escrito por Fábio Seixas às 17h12

Comentários () | Enviar por e-mail | A foto | PermalinkPermalink #

A materialização da crise

Começou hoje, no circuito de Oulton Park, mais uma temporada da F-3 inglesa.

 

Segue o resultado da primeira corrida:

 

1º. Oliver Turvey (GBR/Carlin Motorsport)

2º. Max Chilton (GBR/Hitech Racing)

3º. Atte Mustonen (FIN/Raikkonen Robertson)

4º. Michael Devaney (IRL/Ultimate Motorsport)

5º. Esteban Guerrieri (ARG/Ultimate Motorsport)

6º. Marcus Ericsson (SUE/Fortec Motorsport)

7º. Sergio Perez (MEX/T-Sport )

8º. Sebastian Hohenthal (SUE/Fortec Motorsport)

9º. Henry Arundel (GBR/Raikkonen Robertson)

10º. Sam Abay (AUS/Carlin Motorsport)

11º. John Martin (AUS/Raikkonen Robertson)

12º. Andy Meyrick (GBR/Carlin Motorsport)

13º. Alistair Jackson (GBR/Raikkonen Robertson)

12º. Ricardo Teixeira (ANG/ltimate Motorsport)

15º. Jay Bridger (GBR/Fluid Motorsport)

16º. Philip Major (CAN/Fortec Motorsport)

17º. Hywel Lloyd (GBR/CF Racing)

18º. Niall Quinn (IRL/Team Loctite)

19º. Kristjan Einar (ISL/Carlin Motorsport)

20º. Steven Guerrero (COL/T-Sport)

21º. Stefan Wilson (GBR/Fluid Motorsport)

22º. Craig Reiff (ALE/Nexa Racing)

 

Não se classificaram

Jaime Alguersuari (ESP/Carlin Motorsport)

Brendon Hartley (NZL/Carlin Motorsport)

Salman Al-Khalifa (BAH/T-Sport)

Walter Grubmuller (AUT/Hitech Racing)

 

Sentiu falta de algo?

 

Sim. Não há um piloto brasileiro inscrito para a temporada de uma das mais importantes categorias-escola do automobilismo mundial.

 

Não há um brasileiro na F-3 que já teve reinados de Emerson, Piquet, Serra, Senna, Gugelmin, Barrichello, Gil, Haberfeld, Pizzonia e Nelsinho.

 

Mas tem piloto do Bahrein, do México, de Angola, da Colômbia, da Islândia... Países com muito menos tradição no cenário do automobilismo.

 

Tradição que, por aqui, corre risco. Tradição que, por si só, não leva a resultados.

 

A F-3 inglesa mostra hoje, na prática, aquilo que estamos alertando há tempos: diante da incompetência da CBA em organizar uma categoria-escola de monopostos no Brasil, a fonte vai secar.

 

Já está secando, aliás. Hoje, há pouquíssimos pilotos do Brasil na trilha do automobilismo de ponta. Daqui a pouco tempo, não haverá ninguém. Ninguém.

 

A crise passou da fase do alerta para virar realidade. Uma séria e triste realidade.

Escrito por Fábio Seixas às 11h35

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mico e sensação estranha

Das entrevistas em Sepang, a mais divertida foi a de Barrichello.
 
Bem-humorado, o brasileiro disse que "pagou um mico" ao escolher os pneus duros para o início da corrida.
 
Massa não teve um dia bom. Foi mal também fora do carro.
 
Disse que rodou após uma "sensação estranha". Não entendi. Nem ele, pelo jeito. A Ferrari, em Sepang, deixou claro que foi um erro de pilotagem, não do equipamento. 
 
Os áudios das entrevistas estão no Tazio. 
 
E o Nelsinho? A exemplo do que fez em Melbourne, foi embora do circuito sem falar com os jornalistas...

Escrito por Fábio Seixas às 19h14

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Raikkonen, vitória e cenário lindo à frente

Não acordou para ver a corrida?  Não perdeu muito.
 
Mas perdeu alguma coisa.
 
Perdeu, principalmente, as 18 primeiras voltas. O resto foi uma chatice.
 
Até a 18ª volta, Massa e Raikkonen disputavam a liderança.
 
Disputavam naquelas, sem ataques. Mas disputavam: o brasileiro manteve a ponta na largada, mas não conseguia disparar; Raikkonen continuava sempre ali, a menos de 1s5.
 
E então o finlandês deu o bote, um sensacional e lindo bote. Massa parou na 17ª volta. Raikkonen, na 18ª. E, nesse meio tempo, voou.
 
À la Schumacher, cravou duas voltas voadoras, melhores que a marca da pole position. Parou, trocou pneus, reabasteceu e voltou à pista líder.
 
Se você foi dormir depois disso, perdeu Massa, 13 voltas depois, dando adeus a corrida. Sozinho, rodou na curva 7, foi pra brita, atolou.
 
Ah, sim: a Ferrari ainda viu outro motor indo pelos ares. O de Vettel, na 41ª volta. Tsc, tsc, tsc...
 
Vitória para Raikkonen, seguido por Kubica e Kovalainen.
 
Nelsinho fez uma corrida sem erros e pelo menos viu a bandeirada. Foi 11º. Está bom demais, terminou um GP, é um degrauzinho a mais na carreira.
 
Barrichello, acreditem, se enrolou nos boxes de novo. Ultrapassou o limite de velocidade nos boxes no segundo pit e tomou um drive through. Terminou em 13º. 
 
Uma vitória, como escrevi sobre Hamilton na semana passada, que vale muito. Porque Raikkonen chegará à terceira etapa do campeonato, Bahrein, com vantagem de  11 pontos a 0 sobre o companheiro na tabela.
 
Para uma situação como a da Ferrari, que promete usar o campeonato como critério para definir prioridades, Raikkonen não poderia querer nada muito melhor.
 
E Massa não poderia imaginar cenário muito pior.

Escrito por Fábio Seixas às 05h36

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O último palpite

Está acordado em plena madrugada, segurando o sono e esperando o palpite, né?
 
Então vamos lá, contemplando pista seca. Porque, no molhado, sem controle de tração, pode dar qualquer coisa.
 
Dá Massa, com Raikkonen em segundo e Kubica em terceiro.
 
E estou curiosíssimo pra ver Hamilton largando lá atrás...
 
Pronto, agora é com vocês. Mas palpite após a largada não vale!
 
Feliz páscoa e feliz prova! Volto depois da bandeirada.

Escrito por Fábio Seixas às 03h17

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Acredite: sol em Sepang!

Acabo de falar com a Malásia.

Adivinhem? Pois é, o domingo amanheceu com sol. SOL! Sol, calor, céu claro.
 
Só deve chover depois da corrida. Cadê as tempestades prometidas para todos os dias?
 
Demissão sumária para todos os meteorologistas malaios!

Escrito por Fábio Seixas às 00h32

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.