Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

Sábado, sol, treino, sono, coluna

Sábado, sol, treino, sono, coluna

Se disputar os nove GPs que restam neste ano e os 19 programados no pré-calendário de 2009, chegará ao fim do próximo Mundial com 287 largadas, 12% a mais que o velho recorde, uma marca que parecia inalcançável tempos atrás. É bastante.
 
Como? Por quê? E daí? Sendo útil. Barrichello não se consagrou como um grande vencedor, mas conquistou essa fama no paddock, de piloto proficiente, centrado, sem arroubos de estrelismo.
 
Este, um trecho da coluna de hoje na Folha, falando sobre a renovação de Barrichello com a Honda. O texto está aqui, para assinantes do jornal e do UOL.

Escrito por Fábio Seixas às 10h47

Comentários () | Enviar por e-mail | Colunas na Folha | PermalinkPermalink #

Hamilton, uma pole tranqüila

Em Hockenheim, a nona pole position da carreira de Hamilton, a terceira nesta temporada. Previsível. Desde os testes da semana passada, o inglês e seu MP4-23 formam o melhor conjunto no circuito alemão.
 
Massa até tentou. Foi bem, brigou, batalhou. Mas não deu. A primeira fila é um belo consolo, poderia ser pior, Kovalainen poderia estar à sua frente.
 
O terceiro líder do campeonato, Raikkonen, esteve apagado _como em todo o fim de semana. Sai apenas em sexto.
 
O treino aconteceu com pista seca, sol, temperatura de 24ºC.
 
No Q1, Hamilton era o mais rápido, mas Massa e Raikkonen decidiram ir à pista no final e superaram o inglês. O brasileiro, na frente, com 1min14s921, primeira marca do fim de semana abaixo de 1min15s.
 
O finzinho do primeiro bloco foi o melhor do ano. Dos 20 pilotos, 16 foram para a pista nos últimos instantes _só as duplas de McLaren e Ferrari, garantidas, ficaram nos boxes.
 
No entra-e-sai frenético da degola, dois brasileiros entraram e não saíram mais. Foram cortados Nakajima, Nelsinho, Barrichello, Sutil e Fisichella.
 
Nelsinho, reclamando ter sido atrapalhado por Vettel, socou o volante. Barrichello daqui a pouco deve falar, comentando sobre um carro ineficiente _no que tem razão.
 
De qualquer forma, ficou feio para os dois, que viram seus companheiros avançarem ao Q2.
 
Que foi menos tumultuado. Sonolento, até. Foram cortados Glock, Heidfeld, Rosberg, Button e Bourdais.
 
Hamilton cravou 1min14s603, melhor volta do fim de semana, seguido por Massa, Kovalainen, Alonso e Raikkonen. Avançaram ao Q3, ainda, Kubica, Trulli, Coulthard, Vettel (garoto bom...) e Webber.
 
(No intervalo entre um bloco e outro, a TV mostrou uma imagem aérea de Hockneheim, mostrando que a floresta ainda não tomou totalmente as retas sepultadas por Tilke. Uma pena, o que fizeram lá.)
 
Na primeira rodada de voltas rápidas, Massa foi o mais rápido, com 1min16s323, à frente de Alonso, Hamilton e Kubica. Foi a hora, então, de todo mundo ir aos boxes, colocar pneus novos e ir pro tudo ou nada.
 
Massa fez 1min15s859. Hamilton foi 0s193 mais rápido e cravou 1min15s666. Infernal, esse inglês.

Escrito por Fábio Seixas às 10h17

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Não colou

Barrichello está negando o contrato (o áudio da entrevista dele está no Tazio).
 
Compreensível, o comunicado formal ainda não saiu e ele é gato escaldado. Mas não colou.
 
Brawn foi claro.

Escrito por Fábio Seixas às 15h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Barrichello, mais um ano

Ross Brawn concedeu uma entrevista exclusiva ao site oficial da F-1.

Lá no fim perguntam a ele se a Honda manterá os mesmo pilotos em 2009. A resposta é curta, mas diz tudo: "Sim".
 
Será a 17ª temporada de Barrichello na categoria, portanto. Parabéns.

Escrito por Fábio Seixas às 13h06

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Hockenheim, 1º dia

Em Hockenheim, Hamilton mostrou que os bons tempos nos testes da semana passada eram bem reais.
 
O inglês dominou a sexta-feira.
 
Pela manhã, com pista úmida, fez aquilo que pilotos dominantes costumam fazer: ficou na dele e, nos instantes finais, foi pro treino e cravou todo mundo com facilidade.
 
Na segunda sessão, até ensaiou um duelo com Massa. Mas novamente, quando quis, voou na pista. Terminou o dia com 0s697 de vantagem para o brasileiro. Uma eternidade.
 
Raikkonen foi o terceiro nesta segunda sessão, seguido por Kovalainen, Webber e Alonso. Barrichello foi o 14º, uma posição à frente de Nelsinho.
 
Posso ter ficado impressionado, mas não me parece que a Ferrari tenha escondido o jogo. Acho que será (mais um) final de semana difícil para a escuderia. Desta vez, não por erros dela, mas por méritos da concorrência.

Escrito por Fábio Seixas às 10h58

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bonequinha de luxo

Leio no Blue Bus que um grupo religioso britânico, Christian Voice, está indignado com a Mattel, que pretende lançar em breve a Barbie abaixo.
 

 
 
O visual, segundo o "The Sun", sugere uma sadomasoquista. 
 
Ok, o Christian Voice pode ter ficado bravo, mas sei de alguém na Inglaterra que vai adorar a novidade... 

Escrito por Fábio Seixas às 19h18

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ouça o trio

Massa, sobre Raikkonen: "Se ele não é 100% frio, ele é 99%, porque não liga para muitas coisas, tanto na parte profissional como no dia-a-dia."
 
Barrichello, sobre os problemas do carro nos testes da semana passada: "Isso fez que repensássemos não só o acerto, como também os burrinhos do carro, tirando eu, os outros burrinhos."
 
Nelsinho, sobre o futuro: "Vou estar na F-1 no ano que vem, não tenho dúvida disso. Acho que não podem me julgar só pelo começo do campeonato."

Os áudios das entrevistas dos três brasileiros, nesta quinta-feira, em Hockenheim, estão no Tazio.

Escrito por Fábio Seixas às 15h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O motorista de Hockenheim

Hockenheim... Do que lembro de Hockenheim?
 
Lembro do motorista da van que levava e trazia os jornalistas do estacionamento ao paddock. Ainda deve ser o mesmo. Um chato. Um megachato. Talvez o maior chato do planeta.
 
Lembro daquele GP de 2000. Como esquecer? Na véspera, Barrichello estava arrasado com a posição no grid. No domingo, viveu a maior alegria da vida.

E não houve como não ficar contagiado. Você está lá, cobrindo um negócio há anos, e de repente vê uma vitória épica como aquela. O esporte tem dessas coisas que arrepiam.
 
Naquele domingo, tive de encher cinco páginas de jornal.
 
O título na capa, "A chuva, o show, o choro. Enfim Barrichello." No pé, uma frase do piloto, um desabafo: "Eu me sinto muito mais leve. Hoje posso falar que a morte do Senna me fez muito mal. Foi um peso que carreguei e que foi embora. Agora ele está voando por algum lugar. Não está mais em mim."
 
Não bastassem os textos para o jornal, ainda tínhamos _Flavio Gomes e eu_ que gravar todo o material para a Rádio Bandeirantes. Em resumo: quando acabamos o trabalho na sala de imprensa do circuito, uma enorme tenda armada no paddock, o relógio marcava 2h da segunda-feira.
 
A sala estava gelada, com o ar condicionado no máximo, a ponto de umedecer os papéis sobre a mesa. Mas só quando apertei o "enter" para enviar o último texto percebi o frio.
 
Na saída, adivinhem? Sim, o motorista da van estava lá nos esperando. Sim, ele é chato. Mas gente boa.
 
Segue a programação para o GP deste fim de semana, no horário de Brasília:
 
Sexta-feira, 18.jul
5h-6h30: 1º treino Livre
9h-10h30: 2º treino Livre

Sábado, 19.jul
6h-7h: 3º treino livre
9h-10h: treino oficial

Domingo, 20.jul
9h: GP da Alemanha (67 voltas, 306,458 km)

Escrito por Fábio Seixas às 13h58

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mais um passo

Vettel foi confimado pela Red Bull para 2009. O anúncio acaba de sair em Hockenheim, com os "é a realização de um sonho" e "acreditamos no seu potencial" de sempre.
 
No caso de Vettel, porém, dá para acreditar. Do garoto de voz esganiçada que surgiu na F-1 em 2006, assombrando muita gente nos treinos das sextas-feiras, Vettel se tornou uma das estrelas da próxima geração.
 
É piloto para brigar por títulos daqui a 2 ou 3 anos. Mas na Red Bull? Essa é minha dúvida. E deve ser a dele também. 

Escrito por Fábio Seixas às 09h34

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bigornas do dia

O Toni Vasconcelos, de Santos, deve ter enfrentado muito pó para achar os exemplos de "bigorna" que mandou abaixo. O fato é que ele fez uma pesquisa bacana, mandou bala no scanner e mandou três fotos para o blog.
 
As legendas são dele...
 
"Jack Brabham na temporada de 1955 com um Cooper T40-Bristol S6, na corrida da Inglaterra. Uma quilha já bem legal..."
 
"Leslie Marr, piloto inglês que correu apenas 2 GPs, pilotando um Connaught B - Alta S4, no GP inglês de 55. Esse tem uma 'bigornaça', que apesar da precariedade da foto, dá para notar..."
 
"Essa não é de bigorna não...É que este Gordini 32 S8, tem uma frente de 'tubarão martelo' que é engraçada mesmo... O carro da foto tem como piloto o francês Jean Lucas, que só correu esta prova, o GP da Itália de 1955"

Escrito por Fábio Seixas às 15h30

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pit Stop, edição 63

Pit Stop, edição 63

Abaixo, o Pit Stop desta semana.
 
O cardápio, vocês já sabem...
 

Escrito por Fábio Seixas às 17h53

Comentários () | Enviar por e-mail | Pit Stop em vídeo | PermalinkPermalink #

Pit Stop recheado

Hoje tem "Pit Stop", no UOL.
 
Em pauta, a MotoGP em Sachsenring e Laguna Seca, a Indy em Nashville e Mid-Ohio e a F-1 e a GP2 em Hockenheim.
 
O programa começa às 14h30, aqui. Para participar com perguntas ou comentários, o e-mail é uolnewsformula1@uol.com.br

Escrito por Fábio Seixas às 13h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Novidade velha

É incrível, e me deixa negativamente chocado, a rotina da imprensa _a da internet, em especial_ de apresentar assuntos velhos como sendo novos.
 
Eu estava em Monza, em 2006, quando Schumacher anunciou a aposentadoria. E um dos textos que mandei de lá, naquele 10 de setembro, começava assim:
 
"Responsável por aposentar Nelson Piquet da F-1, em 1991, Michael Schumacher atribuiu a outro brasileiro, Felipe Massa, papel fundamental na sua decisão de abandonar as pistas.

O alemão disse que resolveu seu futuro em julho porque não queria atrapalhar a carreira do companheiro de time. Segundo ele, Massa precisava de uma definição para planejar o que faria nos próximos Mundiais.

'Não havia sentido em querer ficar e prejudicar a carreira de um jovem talentoso como o Felipe. Eu já sabia do Kimi há algum tempo, mas quanto ao Felipe, o futuro dele precisava de uma resposta na época de Indianápolis. Não tinha razão para arrastar a decisão, até porque o considero uma grande pessoa e um piloto de talento.'"
 
Pois Schumacher voltou a falar isso, em uma entrevista ao suíço "Blick". 
 
"Schumacher diz que se aposentou por causa de Massa". Com uma variação ou outra, essa é a manchete de sei lá quantos sites pelo mundo, hoje, 674 dias depois daquele GP da Itália.
 
Só no TotalF1, que reúne notícias de portais de F-1 mundo afora, encontrei oito sites em inglês apresentando a história como novidade. E é claro que isso se transforma numa bola de neve e que a velharia vira "novidade" em progressão geométrica. 
 
Será que ninguém lembrava do que o alemão falou há quase dois anos? Ou será que fizeram vistas grossas porque, afinal, é um título que rende audiência?

Escrito por Fábio Seixas às 12h29

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Blog moderninho

Carregue este blog no seu celular! 
qrcode
Não me pergunte como, mas me falaram que esse troço funciona...

Escrito por Fábio Seixas às 19h48

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Será que vai?

Falando em autódromo, recebo e-mail de Robson Moraes informando sobre o projeto de uma pista em Rondonópolis, no Mato Grosso. Tem até uma foto da maquete.
 
 
Segundo ele, o local já foi escolhido e o terreno vai começar a ser preparado. O projeto prevê uma pista de 3,515 km, com 40 boxes e arquibancadas para 60 mil pessoas. Ao Robson, um muito obrigado.

Oxalá saia do papel. Já escrevi isso aqui sobre outros projetos de autódromos Brasil afora: enquanto o primeiro metro de asfalto não for colocado, não acredito.

Escrito por Fábio Seixas às 14h04

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Fim da linha

O repórter Sérgio Rangel conta na edição de hoje da Folha uma história que joga a pá de cal no automobilismo carioca.
 
No último dia 30, a CBA assinou acordo com o COB, a Prefeitura do Rio e o Ministério do Esporte que prevê o seguinte...
 
Se o Rio conquistar o direito de receber a Olimpíada de 2016, um novo autódromo será construído em Deodoro, uma zona militar. Se o Rio perder a disputa, fica com Jacarepaguá mesmo.
 
A primeira hipótese não vai acontecer, pode esquecer. E, mesmo se acontecesse, duvido que o tal autódromo saísse do papel. 
 
O presidente da federação carioca, pelo visto, acha a mesma coisa.
 
"Estou pressentindo que assinaram um papel e estão tratando o fato como definitivo. Vamos devagar com o andor. Acho que as coisas não funcionam bem assim. A área é muito boa, mas ainda não vimos muitas coisas. Não fomos apresentado ao projeto, não sabemos se o local tem infra-estrutura para receber um autódromo. Não vou sair detonando [esta notícia]", disse Djalma de Faria Neves à Folha.
 
O Rio, portanto, deve ficar com Jacarepaguá mesmo. Um resto de circuito espremido entre elefantes brancos erguidos para o Pan. Naquilo lá não dá para fazer automobilismo.
 
Há, ainda, um "detalhe".
 
A escolha da cidade-sede de 2016 será só em outubro do ano que vem. Até lá, não será tomada nenhuma decisão. 
 
Serão pelo menos mais 14 meses de abandono em Jacarepaguá e de nenhum tijolo em Deodoro. Pelo menos.

Escrito por Fábio Seixas às 12h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A foto

A foto

"Ai".
 
Foi isso que pensei quando vi a foto abaixo pela primeira vez. Sorte do Pedrosa que a barreira era inflável. Já pensou se fosse um muro?
 
 
O clique é de Andreas Beil, da Associated Press.

Escrito por Fábio Seixas às 12h36

Comentários () | Enviar por e-mail | A foto | PermalinkPermalink #

Chove chuva

A chuva foi a tônica das duas principais categorias do motor neste fim de semana.
 
Na Indy, deu Dixon.
 
A corrida em Nashville foi interrompida a 29 voltas do fim e o neozeolandês, mais uma vez, estava no lugar certo na hora certa. Quando todo mundo entrou para trocar pneus e reabastecer, apostando que a chuva não viria, a Ganassi manteve seus pilotos na pista. Logo depois, veio a água, veio o safety car, e Dixon ganhou a quarta no ano.
 
Uma sacada estratégica? Que nada. Houve um problema no rádio, e Dixon não ouviu a equipe o chamando aos pits. Campeões também precisam de sorte.
 
Na MotoGP, deu Stoner.
 
Com pista molhada o tempo todo em Sachsenring, Pedrosa levou um tombaço, Stoner se manteve na pista e venceu pela quarta vez na temporada _já é o piloto com mais vitórias no ano.
 
Rossi agradeceu. Segundo colocado, superou Pedrosa na classificação e voltou à liderança, com 187 pontos, 16 a mais que o espanhol. Stoner já tem 167. Ou seja, o bote para alcançar a vice-liderança já está armado.

Escrito por Fábio Seixas às 09h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.