Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

Acabamento

Ecclestone é um vencedor, um empreendedor, um sujeito que saiu de uma revenda de motos usadas para se tornar o dono da F-1, um dos homens mais ricos do mundo. Uma trajetória admirável, sem dúvida.
 
Mas é preciso entender como ele trabalha. E nem sempre é da maneira mais delicada e agradável. Pressão, por exemplo, é um dos seus expedientes preferidos.
 
Foi assim com a entrevista que deu outro dia sobre Interlagos. Está sendo assim em relação à Coreia do Sul. Embora, diante das câmeras, ele diga que está tranquilo quanto à prova de 24 de outubro (belíssimo dia), não tenho dúvidas de que é ele o responsável por plantar notinhas aqui e ali sobre o risco de cancelamento do GP.
 
O primeiro recado é para acalmar e segurar os patrocinadores. O segundo, para pressionar os promotores sul-coreanos. Cravo e ferradura.
 
Pois neste sábado coube à Red Bull dar as primeiras voltas no circuito. Foram 14, com Chandhok, emprestado pela Hispania, ao volante. Pelas fotos, dá para ver que ainda há serviço a ser feito. O circuito ainda não tem zebras. Mas os relatos de quem esteve lá são de que os trabalhos estão na fase de acabamento.
 
Chandhok no circuito da Coreia do Sul (Red Bull)
 
Chandhok no circuito da Coreia do Sul (Red Bull)
 
Normal. A correria de última hora não é inédita. Lembro do primeiro GP no Bahrein, em 2004. Quando chegamos ao circuito, ainda estavam pintando os prédios e o túnel de acesso ao paddock.
 
O GP sul-coreano vai acontecer na data marcada. E Ecclestone estará lá, todo pimpão e sorridente.

Escrito por Fábio Seixas às 11h40

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Descontrole

O aerofólio dianteiro de Vettel faz tcham, depois faz tchum. E cataplof.

Na hora do acidente, na transmissão do GP, eu disse que a dinâmica do acidente era estranha e que a punição era um absurdo. Escrevi no blog. E parece que foi isso mesmo: ele perdeu a dianteira do carro e acertou Button _como poderia ter acertado os pneus, lá do outro lado.
 
A questão agora é: a asa fez isso por que é flexível demais ou é tudo culpa do ar sujo que veio do carro da frente?  Acho que as duas coisas, com culpa maior para a primeira.
 
Agradecimentos ao Pedro Henrique Conde Aguiar, de Brasília, o primeiro a me mandar o vídeo da câmera on-board.

Escrito por Fábio Seixas às 13h58

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sexta, coluna

Acontece que algo saiu muitíssimo errado. E é isso que deve ser atacado. Se a segurança é um item importante no esporte a motor, deveria ser elevada à enésima potência quando há crianças envolvidas. Limitação nos motores, barreiras para amortecimento dos choques, macacões ainda mais resistentes...
O esporte a motor não precisa de outros Peters.
Ou precisa. Vivos.

Peter Lenz, 13, morto no domingo (Divulgação)

A coluna Motor voltou nesta sexta às páginas da Folha. O assunto, a morte do garoto Peter Lenz, no domingo, em Indianápolis.
 
O texto completo está aqui, para assinantes da Folha e do UOL. Na Folha Digital, pág. D15.
 
Um enorme obrigado a todos vocês que sentiram falta da coluna nas últimas semanas e que escreveram (ou não) perguntando sobre o retorno. Taí, estamos de volta. 

Escrito por Fábio Seixas às 13h37

Comentários () | Enviar por e-mail | Colunas na Folha | PermalinkPermalink #

Triatletas

Bruno e Di Grassi vão disputar o Triatlo de Mônaco, no domingo.
 
Button correu um triatlo dias desses. Gripado.
 
Webber organiza e pratica corridas de aventura e, numa dessas, quebrou a perna ao ser atropelado e quase perdeu os primeiros GPs de 2009.
 
Por curiosidade, busquei o grid do GP da Bélgica de 30 anos atrás. Jones, Reutemann, Andretti, Rosberg, Watson. Esses caras ficariam cansados só de assistir a um triatlo.
 
O que não quer dizer que eram melhores ou piores. É apenas um retrato de como a F-1 mudou loucamente.
 
Sinal dos tempos.

Escrito por Fábio Seixas às 19h01

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Boa notícia

Os promotores da F-1 em Austin divulgaram hoje croquis do circuito projetado por Tilke para receber a categoria a partir de 2012.
 
Segundo o comunicado, o arquiteto se inspirou em alguns traçados famosos para desenhar a nova pista.
 
Das curvas 3 a 6, ele se baseou no complexo entre a Maggotts e a Becketts, em Silverstone. O trecho entre as curvas 12 e 15 foi inspirado no estádio de Hockenheim. E entre a 16 e a 18, o alemão tentou repetir as condições da curva 8 de Istambul.
 
O traçado terá 5,47 km, em sentindo anti-horário. E o que mais me chamou a atenção foi o aclive de 40 metros, logo após a largada, em direção ao hairpin da curva 1.
 
 
No Twitter, Chico Rosa elogiou o traçado. E se o Chico falou, quem sou eu para discordar. Parece que, desta vez, Tilke acertou a mão... 
 
PS: O mapa em tamanho beeem maior está aqui.

Escrito por Fábio Seixas às 13h10

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pit Stop #154

O Pit Stop de hoje falou de F-1, Indy, MotoGP. No Naftalina, os 25 anos da morte de Stefan Beloff.

Lá vai...

Escrito por Fábio Seixas às 14h15

Comentários () | Enviar por e-mail | Pit Stop em vídeo | PermalinkPermalink #

A foto

O que Hamilton estava pensando nessa hora?

Hamilton, no pódio de Spa (Geert Vanden Wijngaert/Associated Press)
 
Meu palpite: "Putz... E quase que tudo foi pro saco naquela brita..."
 
O clique do fim de semana é de Geert Vanden Wijngaert, da Associated Press.

Escrito por Fábio Seixas às 16h06

Comentários () | Enviar por e-mail | A foto | PermalinkPermalink #

Pílulas do dia seguinte

Pimenta nos olhos dos outros é refresco. Não paro de pensar no tal ditado desde as voltas finais do GP da Bélgica. Mais precisamente, desde o diálogo entre o engenheiro e Hamilton. Após o piloto dizer que já estava bem molhado e que era melhor trocar os pneus, ouviu um "vamos esperar". Nem bem o engenheiro acabou de falar, Hamilton escapou da pista, deu uma enorme volta pela brita e só não perdeu a corrida ali porque tinha aberto um boa vantagem para Webber. Falar é fácil...;
 
Barrichello pediu desculpas para Alonso. Mas fez uma ressalva: "A pista estava muito molhada, nem toda a experiência do mundo seria capaz de parar o carro". Dá, sim, para fazer um paralelo com a situação de Vettel. Ele não tem culpa se os F-1 atuais são desenhados para dificultar as ultrapassagens. Depois que o carro perde pressão aerodinâmica, ninguém mais consegue segurar;
 
Isto posto, é claro que Vettel precisa controlar o ímpeto. Porque, se não teve culpa no choque com Button, depois fez lambanças seguidas. E a tendência é piorar, porque ele já percebeu que o título está escapando e já deve ter batido o desespero;
 
Alonso diz que não desistiu das chances de título. Compreensível, nenhum piloto deve jogar a toalha enquanto houver possibilidades matemáticas. Mas, com o abandono, já são 41 pontos entre ele e a liderança, agora com Hamilton. Mais realista, Massa acha que o campeonato "ficou mais difícil" para a Ferrari. Estou mais com o brasileiro nesta;
 
Agora vem o julgamento da Ferrari. Dia 8. E cada vez mais tenho a convicção de que não vai dar em nada;
 
Ah, sim: após ler os comentários ao post anterior, mandei uma nova carta para Jean Todt, com um adendo. Aceitamos também revezar com Suzuka e Monza;
 
Em Chicago, no sábado, Franchitti venceu em mais um show de estratégia do dono da casa, Ganassi. Power cruzou apenas em 16º e viu sua vantagem para o escocês despencar de 59 para 23 pontos, faltando ainda três etapas. É bom abrir o olho;
 
Na MotoGP, em Indianápolis, deu Pedrosa, seguido por Spies e Lorenzo. Rossi ficou em quarto. O espanhol da Yamaha ainda tem enorme folga na tabela, 68 pontos, e não deve perder este título. Mas a nota triste, tristíssima, fica para a morte de um garoto de 13 anos da categoria United States Grand Prix Racers Union, numa prova preliminar. Deveria ser proibido morrer com tão pouca idade. 

Escrito por Fábio Seixas às 08h33

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Hamilton, num GP nervoso

"Ilmo. Sr. Jean Todt,
 
Venho por meio desta propor que, a partir de 2011, todas as etapas do Mundial aconteçam num esquema de revezamento entre Spa-Francorchamps e Interlagos.
 
Os fatos estão aí, não preciso explicar mais nada.
 
Atenciosamente,
 
Fábio Seixas"
 
 
Não tem jeito: circuito bom sempre produz corrida boa. Tem sido assim também no Brasil nos últimos anos. Foi assim em Spa, hoje. Uma corrida nervosa.
 
Vitória de Hamilton, a 14ª na carreira, a terceira neste ano. Webber foi o segundo, com Kubica em terceiro.
 
Na largada, Webber engasgou, provavelmente um problema com a embreagem.
 
Hamilton agradeceu, passou, levou Kubica e mais um monte de gente consigo. Webber? Caiu para sétimo.
 
E quando a gente começava a tentar a entender o que estava acontecendo com as posições, veio a chuva e transformou a pista num sabão.
 
No fim da volta, na Bus Stop, uma cena dantesca: todos os primeiros colocados cortaram a chicane. Um pouco mais atrás, Barrichello também não segurou o carro e encheu a Ferrari de Alonso. Pior para o brasileiro, que abandonou seu 300º GP.
 
Safety car, e a turma de trás foi para os boxes. Alonso apostou nos intermediários e se deu mal. Quando a prova foi reiniciada, na 4ª volta, o asfalto já estava seco e ele teve de fazer nova parada, retornando para os slicks. Enquanto isso, na La Source, Vettel passava Kubica.
 
Na quinta volta, o top 10 era Hamilton, Button, Vettel, Kubica, Webber, Massa, Sutil, Hulkenberg, Liuzzi e Rosberg.
 
E a chuva? Pois é. O quebra-cabeças estava esparramado na mesa. Pouco depois de o engenheiro de Hamilton informar, via rádio, que não havia previsão de chuvas, seu colega falou para Button que choveria em 20 minutos. Isso é Spa.
 
Alheio a tudo isso, pensando apenas em acelerar e recuperar o tempo perdido, Alonso voava e passava quem aparecesse à sua frente. Na 10ª volta, já era o 14º colocado. Outro que pilotava em ritmo alucinante era Schumacher. Na 11ª, aproveitou-se de uma manobra de Petrov sobre Rosberg, colocou lado a lado e, cheio de vontade, não só passou quando ainda arrancou um pedaço da asa do companheiro.
 
Outro que babava no carro era Vettel. Ele tentava superar Button, que sofria com um problema na asa dianteira. Na 17ª volta, após algumas tentativas, o alemão colocou de lado, tentando ultrapassar. Perdeu o controle e acertou em cheio a lateral do inglês.
 
De novo, Vettel? De batida em batida, o Mundial está escapando pelos jovens e nervosos dedos do garoto
 
Instantes depois, veio a mensgagem de drive through para o alemão. Punição da qual discordo.
 
Ele causou um acidente tentando ultrapassar! Colocou para a direita, perdeu pressão aerodinâmica e virou passageiro do carro. Bateu no Button, mas poderia ter acertado a barreira de pneus, lá do outro lado da pista. Acidentes acontecem, paciência.
 
Punir um piloto que perdeu pressão aerodinâmica no momento de uma ultrapassagem é um despropósito.
 
É assim que a FIA quer incentivar as ultrapassagens? É esse o conceito que a FIA tem de disputa entre carros? Vettel pode ter sido afoito, sim, mas o maior culpado no choque é o Regulamento Técnico que a FIA teima em não mudar. Lamentável...
 
Na 23ª volta, Webber abriu os pits entre a turma do pelotão da frente. Kubica e Massa pararam na volta seguinte. Na 25ª, Hamilton parou.
 
Na 26ª, Vettel voltou a ser notícia. Teve um pneu furado numa disputa com Liuzzi e, distante dos boxes, perdeu tempo precioso até conseguir colocar pneus novos. Quando voltou à pista, era só o 19º.
 
O top 10 na 30ª volta, Hamilton, Kubica, Webber, Massa, Sutil, Schumacher, Rosberg, Kobayashi, Alonso e Petrov.
 
E começou, então, o papo sobre chuva nas últimas voltas.
 
Motivo de enorme preocupação para Hamilton. Tanto que ele começou a pisar fundo, cravando por quatro voltas consecutivas o melhor tempo da prova.
 
A dez voltas para o fim, a chuva veio.
 
E daí, os engenheiros de Hamilton, Kubica, Webber e Massa erraram feio. Mantiveram seus pilotos na pista. Já Sutil e todo mundo que vinha atrás pararam para colocar os pneus intermediários.
 
Um risco desnecessário. Hamilton escapou, foi pra brita, quase perdeu a corrida ali. Mas conseguiu voltar e só então ele e os outros três passaram pelos boxes. Ficou barato para os engenheiros.
 
Na 38ª volta, a chuva apertou. Vettel parou, colocou os pneus de chuva. Segundos depois, Alonso não segurou a Ferrari, rodou na Malmedy e acertou a barreira de pneus.
 
Safety car.
 
A relargada veio na 41ª  volta. A turma se comportou bem e não houve alterações nas primeiras posições.
 
O top 10 na linha de chegada, Hamilton, Webber, Kubica, Massa, Sutil, Rosberg, Schumacher, Kobayashi, Petrov e Alguersuari.
 
Com o resultado, Hamilton assume a liderança do campeonato, com 182 pontos. Webber tem 179. Vettel aparece com 151 e Button tem 147. Alonso é o quinto, com 141.
 
A disputa pelo título caminha para uma polarização Hamilton x Webber.

Escrito por Fábio Seixas às 10h36

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O último palpite

Em Spa, começam a cair umas gotinhas.

É imprevisível, mas vamos lá. 

Meu chute: Hamilton, Kubica e Button. E o seu?

Escrito por Fábio Seixas às 08h32

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.