Fábio Seixas

Automobilismo e pitacos sobre tudo o mais

 

Homem-Tocha

A Renault tem um novo chefe de equipe. Paul Seaby.
 
Quem?
 
Se você acompanha F-1 há algum tempo, deve ter ficado apreensivo e torcido por ele, mesmo sem saber seu nome.
 
Seaby era o mecânico no centro do incêndio durante um acidente num pit stop de Verstappen, no GP da Alemanha de 1994...
 
 
Taí um cara que melhorou de vida.

Escrito por Fábio Seixas às 14h06

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A F-1 de 2012 começa hoje

Em 2012 a Renault vai chamar Lotus, a Lotus vai chamar Caterham e a Virgin será apenas Marussia.

Os chefes de equipe chegaram a um acordo e agora é questão de formalidade para a decisão ser aprovada pela Comissão de F-1 da FIA, hoje, e pelo Conselho Mundial, no dia 7.

Haverá outros assuntos em pauta na reunião da Comissão, hoje, em Genebra.

Entre eles, uma proposta para que os pilotos acumulem "pontos na carteira" a cada infração cometida, o que pode levar a multas e suspensões.

Em princípio, gosto da ideia. Só espero que não iniba ainda mais as disputas em pista. 

Outro ponto a ser debatido, com a participação da Pirelli, é uma forma de dar mais emoção ao Q3. Em suma, a ideia é acabar com aquela história de pilotos pouparem pneus e não participarem do último bloco da classificação.

Sim, algo precisa ser feito.

Os integrantes da comissão também vão analisar uma proposta para criar uma grupo permanente de comissários convidados. Cinco ex-pilotos se revezariam no posto de terceiro comissário de prova na tentativa de deixar os julgamentos mais padronizados.

Também aprovo.

Outras sugestões serão analisadas. Vamos acompanhar.  A F-1 de 2012 começa hoje.

Escrito por Fábio Seixas às 09h38

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sexta, coluna

As seis vitórias de 2008 vêm acompanhadas de uma enorme ressalva. Raikkonen já não queria nada na F-1.
Desde Irvine, a Ferrari não via um piloto há tanto tempo por lá sem vencer.
A lembrança não é nenhum demérito. O encantamento, as esperanças e as comparações anteriores é que eram pra lá de exagerados.
 
A coluna de hoje fala sobre Massa e seus três anos sem vitória na F-1.

A íntegra está aqui, para assinantes da Folha e do UOL. Na Folha Digital e na Folha analógica, você encontra a coluna Motor lá na pág. D7.

Escrito por Fábio Seixas às 09h23

Comentários () | Enviar por e-mail | Colunas na Folha | PermalinkPermalink #

F-1 sem mimimi (10)

A contribuição de hoje é 100% nacional e vem do Lucas Schuskel.

"Fábio, lendo seu blog resolvi deixar a preguiça de lado e decidi que encontraria umas fotos de família pra contribuir com a série 'F-1 sem mimimi'. As fotos são de 84, em Jacarepaguá. Eu nasci em novembro daquele ano, portanto não sou eu nas fotos. Os sortudos ao lado da Lotus preta são meus primos Fabio e Julião, junto com meu pai, ainda magro na época."

Sensacional. Hoje, se duas crianças tentarem chegar perto assim de um carro em Interlagos, soam sirenes, seguranças descem de helicóptero e as arremessam lá na avenida Jurubatuba.

É. A F-1 sem mimimi era muito mais legal...

Escrito por Fábio Seixas às 11h51

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pit Stop #206

O Pit Stop de hoje fala sobre o GP da Índia e de como a corrida resumiu esta temporada de 2011.

Fala, também, sobre a rixa Massa x Hamilton, sobre MotoGP, Stock... E sobre o tricampeonato de Piquet, há 24 anos.
 
Lá vai...

Escrito por Fábio Seixas às 11h26

Comentários () | Enviar por e-mail | Pit Stop em vídeo | PermalinkPermalink #

100 mil comentários

"Chamar Massa p/conversa?? Esta é a primeira vez que Massa é quem provoca o toque entre os dois. Ainda assim acho que se Massa não fechasse a porta em cima do Hamilton, não acredito que Hamilton contornasse a curva limpo, pois vinha por dentro sem fazer a tomada e muito veloz."

O comentário do George, de Salvador, Bahia, foi o de número 100 mil do blog.

Uma marca importante para este espaço. Que dá orgulho.

Ler, moderar, conviver com os comentários, enfim, alterou várias percepções minhas nesses cinco anos de blog. Mudou opiniões, ensinou-me a ser mais tolerante, alertou-me para erros.

Acostumado a ser pedra, o jornalista-blogueiro muitas vezes vira vidraça. Sem problemas, é um aprendizado constante. 

A imensa maioria tem os comentários aprovados, mesmo com críticas pesadas a um post _basta verificar as reações ao texto sobre o GP da Índia.

Mas sempre há alguns poucos internautas que escrevem comentários preconceituosos, cheios de palavrões, acusando sem fundamento o blogueiro ou outra pessoa qualquer...

É triste. Não tenho nada contra divergência de opinião, pelo contrário. Adoro um debate inteligente. Mas há quem não gaste 1 segundo pensando antes de escrever um comentário ofensivo.

Este blog procura ser tolerante. E a tristeza é por constatar que há gente que não conhece esse conceito.

Talvez eu já devesse estar conformado, numa época em que a internet abriga piadas sobre o câncer de um ex-presidente ou que desocupados invadem link na porta de hospital, empurrando repórter.

Aos internautas que entendem que opiniões diferentes dão graça à vida, aos que gostam de discutir em bom nível, aos bem humorados, aos que apontam erros de digitação e informação, aos que enviam fotos e dicas de links, um muitíssimo obrigado. O blog é para vocês.

Escrito por Fábio Seixas às 14h45

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A foto

Um pouco de graça em meio a tanta amargura. A foto do final de semana é, na verdade, a captação de uma imagem da TV.

Mas não poderia ser outra.

No momento do choque entre Massa e Hamilton, Rowan Atkinson protagonizou, nos boxes da McLaren circuito de Buddh, a cena mais hilária da temporada.
 
 
Tem até uma versão animada, aqui. O que me leva a perguntar: ele estava interpretando ou é assim mesmo?

Escrito por Fábio Seixas às 10h16

Comentários () | Enviar por e-mail | A foto | PermalinkPermalink #

Pílulas do Dia Seguinte

Massa diz que deu espaço suficiente para Hamilton, que o inglês não estava ao seu lado e que não entende a punição. Hamilton afirma que o brasileiro não deixou espaço. Dei minha opinião ontem, mantenho-a, mas entendo quem vê culpa total do brasileiro. É um assunto controverso. Tanto que, na transmissão do GP pelas rádios Bandeirantes e BandNews FM, a equipe ficou dividida. De certeza, só uma: isso tem que parar;
 
Coisa rara na F-1, o circuito de Buddh recebeu elogios efusivos da categoria durante todo o final de semana. Curiosamente, porém, a corrida não foi das melhores. Mas é cedo para já dizer que o traçado decepcionou. Precisaremos de mais algumas provas por lá para uma avaliação justa;
 
Bruno teve problemas no Kers, foi só o 12º após flertar com os pontos, mas recuperou um pouco a imagem após GPs tão complicados no Japão e na Coreia do Sul. Barrichello praticamente não disputou o GP;
 
A Ferrari promete investigar a flexibilidade da asa dianteira do carro de Massa durante o final de semana. A equipe está estudando soluções para 2012 e jura que não usou o brasileiro como cobaia. A asa de Alonso era idêntica, afirma Domenicalli. Não sei se acredito;
 
A sanha de Vettel em avançar nas estatísticas de voltas mais rápidas tem sido das coisas mais legais deste final de temporada. Na Coreia, ele levou um puxão de orelha da equipe por arriscar no fim da prova. Na Índia, levou tudo no bom humor, fazendo os melhores tempos nas duas últimas voltas do GP. Agora, ele soma 9. Ainda muito longe do brilho que mostra em outras estatísticas: é só o 32º na história e o 7º entre os pilotos em atividade.

Escrito por Fábio Seixas às 09h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Vettel, nova pista, nova vitória, novo recorde

Deu Vettel.
 
Vettel, no pódio do circuito de Buddh (Saurabh Das/AP)
 
Numa corrida menos empolgante do que o circuito fazia sonhar, o alemão não teve adversários. Não foi ameaçado em nenhum instante e conseguiu a 21ª vitória da carreira, a 11ª em 17 GPs neste ano. Mais: pela primeira vez, conseguiu um "Grand Chelem". Largou na pole, liderou todas as voltas, cravou a mais rápida e venceu.
 
Como se não bastasse, conseguiu um recorde que mostra bem o que foi seu domínio neste Mundial: com as 60 voltas lideradas na Índia, Vettel chegou a 711 na temporada.
 
Numa tacada só, superou Mansell (692 voltas em 1992) e Schumacher (683 em 2004) e se tornou o piloto que mais voltas liderou em um campeonato em toda a história da categoria. É uma bela medida do que foi este 2011.
 
Uma meta atingida hoje sem grandes dificuldades. Na largada, com calor e sol na região do circuito de Buddh, Vettel tratou de acelerar e manter a ponta.
 
Alonso ficou mais preocupado em espremer Button do que em atacar Webber e se deu mal. Perdeu a terceira posição. Embalado, Button passou o australiano logo depois.
 
Mais pra trás, vários toques, algumas confusões. Barrichello estava numa delas. Após um choque com Maldonado, teve de passar nos boxes para trocar o bico.
 
O top 10 na primeira volta, Vettel, Button, Webber, Alonso, Massa, Hamilton, Rosberg. Schumacher, Sutil e Bruno.
 
Na quinta volta, Vettel já tinha 4s2 sobre Button, que tentava se livrar de Webber, na sua cola.
 
Nos boxes, algo curioso acontecia. Petrov, Pérez e Di Resta, os únicos a largarem com os problemáticos pneus duros, pararam nos boxes logo nas primeiras voltas e colocaram os macios, cumprindo o regulamento. Uma aposta interessante.
 
Na nona volta, Alguersuari passou Bruno, tirando-o da zona de pontos. Na volta seguinte, foi a vez de Buemi deixar o piloto da Renault para trás.
 
"Estou sem Kers", informou o brasileiro, pelo rádio.
 
Virou presa fácil, e só não foi ultrapassado por Maldonado na sequência porque o carro do venezuelano simplesmente apagou quando ele se preparava para o bote.
 
Então a corrida virou, com o perdão do trocadilho, uma fila indiana. Distâncias estabelecidas lá na frente, ninguém passava ninguém, emoções em baixa.
 
Nem nos boxes a coisa ficou mais agitada.
 
Na 16ª volta, Sutil, então o 11º, abriu a primeira rodada de pits. Webber, Alonso, Hamilton e Alguersuari pararam na volta seguinte. Massa entrou na 18ª. Button parou na 19ª e conseguiu voltar à frente do australiano. Vettel visitou os boxes na 20ª e, no retorno, ainda tinha 3s1 sobre o inglês. 
 
Na 24ª volta, enfim, um lance controverso. De novo entre Massa e Hamilton, na luta pela quinta posição.
 
O inglês tentou fazer uma ultrapassagem por dentro da curva 4, Massa não deixou espaço, os dois se tocaram. No "ao vivo", achei que a culpa fosse do brasileiro. Revendo, mudei de opinião: acho que o inglês se jogou na curva, arriscou demais, usou a Ferrari como anteparo para sua velocidade.
 
A punição, desta vez, veio para Massa: um drive through. Mas nada disso importa. Nem minha opinião sobre este incidente isolado, aliás.
 
O que importa é o histórico. E que a FIA precisa, urgentemente, chamar esses dois para uma conversa bem séria.
 
Se é para alimentarem rixa pessoal, se é para se comportarem como garotos que se pegam na saída da escola, que ambos sejam tratados como tais.
 
Uma suspensão de um GP para ambos seria uma bela lição. Punição exemplar para ambos, sem entrar no mérito de quem errou mais neste ano ou de quem começou a briguinha. Até porque a rixa deles acontece em carros a mais de 300 km/h.
 
Que a FIA tome alguma atitude séria antes que alguém se machuque.
 
Na 34ª volta, o péssimo domingo de Massa chegou ao fim. Detonou a suspensão dianteira esquerda na zebra, de novo, e abandonou o GP.
 
Erro dele, que passou novamente naquele calombo laranja no limite para a área de escape? Talvez. Mas uma suspensão não pode entortar daquele jeito, por tão pouco. A Ferrari precisa rever se a tal nova asa dianteira não está sobrecarregando o sistema todo ali atrás.
 
Na 38ª volta, Webber abriu a segunda janela de pits para a turma da ponta. Alonso parou na 40ª, ganhou a terceira posição e tratou de abrir vantagem na volta à pista. Rosberg e Hamilton pararam na 46ª. Na sequência, Button e Vettel entraram. Schumacher só parou na 51ª e ganhou a quinta posição do companheiro.
 
Pole position e com a vitória garantida, Vettel então usou as últimas voltas para garantir o Grand Chelem. Como se o melhor tempo conquistado na 59ª volta não prestasse, ele baixou ainda mais a marca na última, a caminho da bandeirada. Abusou.
 
Button e Alonso fecharam o pódio. Completando o top 10, Webber, Schumacher, Rosberg, Hamilton, Alguersuari, Sutil e Pérez. Bruno, numa estratégia meio estapafúrdia, fazendo o segundo pit no finalzinho, terminou em 12º, imediatamente atrás de Petrov.
 
Com o resultado, o alemão vai a 374 pontos no Mundial, contra 240 de Button e 227 de Alonso. Webber tem 221 e acho que já está fora da disputa pelo vice. Hamilton tem 202. Massa é o sexto, com 96.
 
No Mundial de Construtores, a Red Bull foi a 595. A McLaren tem 442. A Ferrari, 323.
 
Se vencer em Abu Dhabi e Interlagos, Vettel atingirá outro recorde. Igualará as 13 vitórias de Schumacher em 2004.
 
Alguém duvida?

Escrito por Fábio Seixas às 09h12

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O último palpite

Domingo de sol e calor no circuito de Buddh.
 
Acho que o top 3 termina como começa: Vettel, Webber e Alonso. E você?

Escrito por Fábio Seixas às 07h17

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nina Horta Fábio Seixas, 37, é jornalista com mestrado em Administração Esportiva pela London Metropolitan University, da Inglaterra, e Coordenador de Produção da Sucursal da Folha no Rio. É colunista de automobilismo da Folha e do UOL.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reproduçãoo do conteúdo desta Página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.